PUBLICIDADE

Xangai alivia lockdown e anuncia reabertura parcial de escolas e transportes públicos

Autoridades da capital econômica da China detalharam medidas que pretendem por fim ao severo bloqueio imposto no fim de março para conter o surto de covid-19

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Autoridades de Xangai anunciaram a maior flexibilização das restrições anticovid na capital econômica da China desde desde o início de um severo lockdown iniciado no fim de março. Serviços de transporte, escolas e estabelecimentos comerciais serão liberados para funcionar próximo de sua normalidade a partir de quarta-feira, 1° (terça-feira, 31, no Brasil), desconfinando total ou parcialmente cerca de 22 milhões de pessoas.

PUBLICIDADE

Os serviços de ônibus e metrô serão restaurados, assim como as conexões ferroviárias básicas com o resto da China, disse a vice-prefeita Zong Ming nesta terça-feira, 31, em uma entrevista coletiva diária sobre o surto na cidade.

A partir da meia-noite de quarta-feira (13h de terça em Brasília), “a cidade entrará na terceira fase (do desconfinamento), com uma volta completa, mas gradual, à normalidade”, disse Ming, acrescentando que a epidemia foi efetivamente controlada e que Xangai iniciará o processo de retomada total do trabalho e da vida.

Trabalhadores retiram tapumes que bloqueavam áreas residenciais em Xangai em lockdown. Foto: Aly Song/ REUTERS Foto: Aly Song/ REUTERS

A cidade de mais de 26 milhões de habitantes reportou 22 novos casos de transmissão doméstica assintomática de covid-19 na segunda-feira, abaixo dos 61 do dia anterior -- e muito abaixo dos mais de 20 mil por dia em abril. A transmissão de casos sintomáticos aumentou de 6 para 9, mas nenhum caso foi registrado fora das áreas de quarentena.

Escolas serão reabertas parcialmente, para os dois últimos anos do ensino fundamental II e o terceiro ano do ensino médio, mas os alunos poderão decidir se querem comparecer pessoalmente. Outras classes e jardim de infância permanecem fechados. Shoppings, supermercados, lojas de conveniência e drogarias continuarão reabrindo gradualmente com não mais de 75% de sua capacidade total. Cinemas e academias permanecerão fechados.

Alguns shoppings e mercados já reabriram, e alguns moradores receberam passes que os permitem sair por algumas horas de casa. Em redes sociais, algumas pessoas expressaram entusiasmo com a perspectiva de poder circular livremente pela cidade pela primeira vez desde o final de março, enquanto outros permaneceram cautelosos devido ao ritmo lento.

Apesar da reabertura prevista, mais de meio milhão de pessoas vai continuar sob lockdown – 190 mil que ainda estão em áreas de bloqueio, e outras 450 mil que estão em zonas de controle por causa de casos recentes.

Publicidade

Homem se alonga na varanda de casa durante lockdown em Xangai, em 17 de maio. Foto: Alex Plavevski/ EFE  Foto: Alex Plavevski/ EFE

Em outras áreas da cidade, trabalhadores do governo começaram a derrubar algumas das barreiras que haviam sido erguidas ao longo das calçadas durante o bloqueio. Algumas pessoas caminharam ou pedalaram pelas ruas ainda quase vazias. Um homem estava cortando o cabelo na calçada, enquanto um trabalhador ou voluntário com roupas de proteção completa observava.

Os locais turísticos ao ar livre começarão a reabrir na quarta-feira, com os locais fechados no final de junho, disse a autoridade de turismo de Xangai. Passeios em grupo de outras províncias serão permitidos novamente quando a cidade eliminar todas as zonas de pandemia de alto e médio risco.

Pequim, a capital do país, aliviou ainda mais as restrições na terça-feira em alguns distritos. A cidade impôs bloqueios limitados, mas nada perto do nível da cidade, em um surto muito menor que parece estar diminuindo. Pequim registrou 18 novos casos na segunda-feira.

O sucesso da China em conter o pior surto de covid-19 no país desde o começo da pandemia veio com um preço. O bloqueio sufocante das autoridades em Xangai, seguindo uma estratégia de “zero-covid”, impôs testes em massa e o isolamento de instalações com qualquer pessoa infectada./ AP, AFP e REUTERS

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.