PUBLICIDADE

Ancestrais de 200 mil anos: cientistas investigam misteriosos antepassados humanos; conheça

DNA mostra que os humanos extintos prosperaram em todo o mundo, desde a fria Sibéria até as alturas do Tibete - talvez até mesmo nas ilhas do Pacífico

Por Carl Zimmer (The New York Times)

THE NEW YORK TIMES - LIFE/STYLE — Os neandertais podem ter desaparecido há 40 mil anos, mas não são estranhos para nós hoje. Os esqueletos atarracados deles deslumbram em museus de todo o mundo. As personas imaginárias estrelam anúncios de televisão. Quando Kevin Bacon comentou no Instagram que os hábitos matinais dele são parecidos com os de um Neandertal, ele não parou para explicar que nossos primos antigos procriaram com os humanos modernos que saíram da África.

Mas não há essa familiaridade com os Denisovanos, um grupo de humanos que se separou da linhagem Neandertal e sobreviveu por centenas de milhares de anos antes de ser extinto. Isso se deve, em grande parte, ao fato de termos poucos dos ossos deles.

PUBLICIDADE

Em um novo artigo de revisão, os antropólogos contabilizam todos os fósseis que foram claramente identificados como denisovanos desde a primeira descoberta em 2010. A lista completa consiste em metade de uma mandíbula quebrada, um osso de dedo, um fragmento de crânio, três dentes soltos e quatro outros pedaços de osso.

“Os pedaços de Denisovanoque temos são quase nada”, disse Janet Kelso, paleoantropóloga do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva em Leipzig, Alemanha, que ajudou a escrever a revisão.

No entanto, muitos cientistas estão cada vez mais fascinados pelos denisovanos. Como nós, eles eram extraordinariamente resistentes, provavelmente mais do que os neandertais. “Acho os denisovanos muito mais interessantes”, disse Emilia Huerta-Sánchez, geneticista da Universidade de Brown.

Pesquisadores da Hebrew University reconstruíram o rosto de um denisovano com base apenas no DNA. Quase nenhum fóssil de denisovanos foi encontrado Foto: Maayan Harel

O que falta aos Denisovanos em fósseis, eles compensam em DNA. Os geneticistas conseguiram extrair pedaços de material genético de dentes e ossos que datam de 200 mil anos atrás. Eles encontraram pistas genéticas na sujeira do chão das cavernas. E bilhões de pessoas na Terra carregam DNA denisovano, herdado de cruzamentos.

As evidências oferecem uma imagem de seres humanos notáveis, capazes de prosperar por milhares de quilômetros e em diversos ambientes, desde a fria Sibéria até as alturas do Tibete e as florestas do Laos - talvez até mesmo nas ilhas do Pacífico. A versatilidade deles rivaliza com a nossa.

Publicidade

“O que descobrimos sobre os denisovanos é que, do ponto de vista comportamental, eles eram muito mais parecidos com os humanos modernos”, disse Laura Shackelford, paleoantropóloga da Universidade de Illinois.

O nome Denisovanos vem da caverna Denisova, na Sibéria, onde os restos mortais deles foram identificados pela primeira vez. Os paleontólogos russos estavam retirando pedaços de ossos do chão da caverna há anos quando Kelso e outros pesquisadores se ofereceram para procurar DNA neles.

Um dente molar com idade entre 122.700 e 194.400 anos continha genes semelhantes aos do Neandertal. Mas o DNA do dente era distinto o suficiente para sugerir que ele tinha vindo de um ramo separado da evolução humana. Um osso de dedo datado de 51.600 a 76.200 anos pertencia à mesma linhagem, demonstrando que ela existia há dezenas de milhares de anos - se não mais.

Desde então, os pesquisadores encontraram mais fósseis de Denisovanona caverna e também coletaram material genético solto no chão da caverna. As amostras datam de 200 mil a 50 mil anos atrás. Um fragmento de osso de 90 mil anos pertencia a um híbrido Denisovano-Neanderthal, mostrando que os dois grupos às vezes se procriavam entre si.

Molar Denisova 4 encontrado na caverna Denisova, na Sibéria, em 2000 Foto: Thilo Parg via The New York Times

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Kelso e seus colegas logo começaram a suspeitar que os denisovanos não estavam limitados à Sibéria. Os pesquisadores descobriram que alguns trechos do DNA dos antigos humanos eram muito parecidos com o material genético carregado por pessoas do leste da Ásia, nativos americanos, aborígenes australianos e pessoas da Nova Guiné e de outras ilhas da região.

Quando os humanos modernos se expandiram para fora da África há cerca de 60 mil anos, os denisovanos devem ter estado no caminho deles para procriar e introduzir alguns genes em nossa linhagem. Mas foi somente em 2019 que os cientistas encontraram o primeiro vestígio fóssil de Denisovanos fora da Sibéria, em uma caverna de alta altitude no Tibete.

Lá, os pesquisadores encontraram parte de uma mandíbula de mais de 160 mil anos com dentes semelhantes aos dos denisovanos. Ela também continha proteínas com uma estrutura molecular que poderia ser esperada de um denisovano, com base nos genes deles. No ano seguinte, os pesquisadores relataram que o chão da caverna continha DNA denisovano.

Publicidade

Em 2022, Shackelford e colegas fizeram uma descoberta que poderia estender a gama de Denisovanos para o Sudeste Asiático, bem no caminho dos humanos modernos nas primeiras ondas de saída da África. Em uma caverna no Laos, eles encontraram um dente quase tão antigo quanto a mandíbula denisovana e um dente correspondente embutido nela.

No entanto, o dente do Laos não produziu nenhum DNA, de modo que os pesquisadores começaram a vasculhar sedimentos em cavernas próximas. “Temos muito DNA”, disse Shackelford. “Mas ainda não sabemos o que todo esse DNA representa”.

Outros pesquisadores estão pesquisando o DNA do herdado por pessoas vivas. O padrão de mutações documentado até agora sugere que vários grupos geneticamente distintos de denisovanos procriaram com nossos ancestrais. Além disso, nenhum desses grupos de denisovanos tinha parentesco próximo com os que ocuparam a caverna de Denisova.

Alguns dos resultados mais intrigantes vieram de estudos com pessoas da Nova Guiné e das Filipinas. Eles mostram sinais de repetidas instâncias de cruzamento com os denisovanos que eram diferentes do que ocorreu na Ásia continental. Kelso e outros especialistas em Denisovanos suspeitam que, quando o nível do mar estava baixo durante a última era glacial, os Denisovanos podem ter caminhado até a Nova Guiné e as Filipinas, onde viveram por milhares de anos antes da chegada dos humanos modernos.

Em conjunto, essas descobertas sugerem que os denisovanos prosperaram em ambientes muito diferentes. Eles suportaram os invernos rigorosos da Sibéria e o ar rarefeito do platô tibetano. No Laos, Shackelford e os colegas dela descobriram que os denisovanos viviam em florestas abertas com manadas de elefantes anões e outros mamíferos para caçar. E eles podem ter vivido em florestas tropicais na Nova Guiné e nas Filipinas.

Essa flexibilidade contrasta fortemente com a dos neandertais, que se adaptaram ao clima frio da Europa e da Ásia Ocidental, mas não se expandiram para outros lugares.

A versatilidade dos denisovanos pode tê-los ajudado a durar muito tempo. As pessoas da Nova Guiné podem ter herdado um pouco do DNA dos denisovanos de cruzamentos realizados há apenas 25 mil anos.

Publicidade

Shackelford disse que descobertas como essas levantam a possibilidade de que os denisovanos e os humanos modernos tenham coexistido e interagido por dezenas de milhares de anos - embora não esteja claro se eles se comunicavam. “Isso é realmente entrar num beco sem saída”, disse a pesquisadora.

Este artigo foi publicado originalmente no The New York Times.

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.