Arábia Saudita planeja investir US$ 40 bilhões e se tornar potência em inteligência artificial

País do Oriente Médio está criando um fundo para investir na tecnologia

PUBLICIDADE

Por Maureen Farrell (The New York Times) e Rob Copeland (The New York Times)

O governo da Arábia Saudita planeja criar um fundo de cerca de US$ 40 bilhões para investir em inteligência artificial (IA), de acordo com três pessoas informadas sobre os planos - o mais recente sinal da disputa pela tecnologia que está remodelando a forma como as pessoas vivem e trabalham.

PUBLICIDADE

Nas últimas semanas, representantes do Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita discutiram uma possível parceria com a Andreessen Horowitz, uma das principais empresas de capital de risco do Vale do Silício, e outros investidores, disseram as fontes.

O fundo tornaria a Arábia Saudita o maior investidor do mundo em inteligência artificial. Ele também mostra as ambições comerciais globais da nação para ir além do petróleo, bem como seus esforços para se estabelecer como um ator mais influente na geopolítica mundial. A nação do Oriente Médio está buscando esses objetivos por meio de seu fundo soberano, que possui ativos de mais de US$ 900 bilhões.

Autoridades do fundo saudita discutiram o papel que a Andreessen Horowitz - que já é uma investidora ativa em IA e cujo cofundador, Ben Horowitz, é amigo do governador do fundo - poderia desempenhar e como esse fundo funcionaria. A meta de US$ 40 bilhões superaria os valores típicos levantados pelas empresas de capital de risco dos EUA e seria superada apenas pelo SoftBank, o conglomerado japonês que há muito tempo é o maior investidor do mundo em startups.

Arábia Saudita pode se tornar o maior participante do mercado de IA após possível investimento bilionário Foto: Dado Ruvic/Reuters

O fundo de tecnologia saudita, que está sendo montado com a ajuda de bancos de Wall Street, será o mais recente participante em potencial em um campo já repleto de dinheiro. O frenesi global em torno da inteligência artificial elevou as avaliações de empresas privadas e públicas, à medida que os investidores otimistas correm para encontrar ou construir a próxima Nvidia ou OpenAI. A empresa iniciante Anthropic, por exemplo, levantou mais de US$ 7 bilhões em um único ano - uma enxurrada de dinheiro praticamente inédita no mundo do capital de risco.

O custo do financiamento de projetos de IA é alto. Sam Altman, executivo-chefe da OpenAI, supostamente buscou uma grande quantia do governo dos Emirados Árabes Unidos para impulsionar a fabricação dos chips necessários para alimentar a tecnologia de IA.

Representantes sauditas mencionaram a possíveis parceiros que o país está procurando apoiar uma série de startups ligadas à inteligência artificial, incluindo fabricantes de chips e data centers, componentes cada vez mais necessários para alimentar a próxima geração de computação. A Arábia Saudita até considerou a possibilidade de abrir suas próprias empresas de IA.

Publicidade

Duas das pessoas disseram que o novo impulso de investimento da Arábia Saudita provavelmente decolará na segunda metade de 2024. Um fundo de US$ 40 bilhões poderia fazer com que o governo da Arábia Saudita e a Andreessen Horowitz se tornassem os principais participantes da corrida para dominar vários negócios relacionados à área.

Horowitz e Yasir al-Rumayyan, governador do Fundo de Investimento Público, discutiram a possibilidade de a empresa do Vale do Silício estabelecer um escritório na capital do país, Riad, disse uma pessoa com conhecimento das conversas.

Outros investidores de risco podem participar do fundo de tecnologia do reino, disseram duas pessoas informadas sobre os planos.

Em parte devido à sua enorme influência financeira e ambições crescentes, aqueles que fazem parte dos círculos empresariais internacionais monitoram de perto as ações do Fundo de Investimento Público, que foi criado em 1971.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Em 2018, no momento em que a Arábia Saudita estava se tornando um destino importante para empresas de investimento e empreendedores que buscavam apoio financeiro, os agentes do país mataram o jornalista saudita dissidente Jamal Khashoggi no consulado do reino em Istambul, o que, por um período, pareceu prejudicar a reputação do país entre investidores internacionais.

Em 2022, o governo saudita investiu bilhões em uma empresa administrada pelo genro do ex-presidente Donald J. Trump, Jared Kushner, entre outros, o que foi visto por muitos como uma ação política. Um de seus acordos recentes para fundir a empresa LIV Golf com o PGA Tour despertou a ira dos jogadores de golfe, mas o pacto também é controverso, em parte devido ao histórico de direitos humanos da Arábia Saudita.

A Arábia Saudita, que investiu US$ 3,5 bilhões no Uber em 2016, tem enfrentado grandes dificuldades com investimentos em tecnologia. Entregou US$ 45 bilhões à SoftBank para o fundo Vision de US$ 100 bilhões da empresa japonesa, que foi canalizado para dezenas de empresas, incluindo a empresa o WeWork, agora falida, e outras startups fracassadas, como a empresa de fabricação de pizza robótica Zume.

Publicidade

Muitos no Vale do Silício e em Wall Street deram as boas-vindas à nação. Durante o Super Bowl deste ano, Horowitz recebeu al-Rumayyan, de acordo com duas pessoas informadas sobre suas atividades.

Os dois homens também passaram algum tempo juntos antes e depois do jogo, disseram as pessoas, com Horowitz levando al-Rumayyan para passear por Las Vegas, sua cidade adotiva, e apresentando o investidor a seus amigos da música e dos esportes.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.