Musk x Bezos e Jobs x Gates: relembre as ‘brigas’ entre chefões da tecnologia

Nem sempre os barões do Vale do Silício conseguem manter a linha

PUBLICIDADE

Foto do author Alice Labate
Por Alice Labate

Elon Musk, CEO de Tesla e Twitter, “desafiou” o fundador da Meta, Mark Zuckerberg, em suas redes sociais nesta quinta-feira, 22, para uma luta. O “desafio” foi feito em um comentário que Musk fez ao ver a notícia de que a Meta está criando uma nova rede social para competir com o Twitter.

Apesar do “desafio” ter sido feito em tom de brincadeira, no mundo da tecnologia é comum “brigas” e desentendimentos públicos entre os chefões de grandes empresas - o caso mais clássico é a rivalidade entre Steve Jobs e Bill Gates. A disputa entre Apple e Microsoft inaugurou a era de “rinhas entre barões da tecnologia”. Relembre alguns deles.

Veja momentos em que executivos de tecnologia brigaram Foto: Patrick Pleul/REUTERS

Steve Jobs e Bill Gates

PUBLICIDADE

A briga entre Steve Jobs, criador da Apple, e Bill Gates, criador da Microsoft, durou décadas.

Ao final dos anos 1980, as duas empresas passaram a ser rivais, quando Gates lançou a primeira versão do sistema operacional Windows. A Apple não gostou da novidade porque achou que a forma como o sistema foi desenvolvido era uma cópia do Macintosh, computador da Apple lançado anos antes.

Assim, a empresa da maçã processou a Microsoft e o recurso durou seis anos. Durante esse tempo, o Windows da Microsoft já havia se popularizado no mercado e Steve Jobs acabou perdendo o processo. A troca de farpas continuou por anos, Jobs já chamou Gates de chato e Gates também já ofendeu Jobs dizendo que ele era “imperfeito como ser humano”.

Nos anos 2000, a Apple havia retomado o crescimento, mas a Microsoft continuava liderando o mercado de PCs. Assim, a empresa de Jobs contra-atacou a de Gates lançando o iPod, que dominou o mercado de MP3, e depois o iPhone, que revolucionou a indústria de celulares em 2007.

A empresa de Gates tentou responder com o Zune e o Windows Phone, mas não conseguiu competir com o sucesso da Apple e do Android da Google, levando a Microsoft a abandonar os celulares com Windows Phone em 2016, cinco anos após a morte de Jobs.

Publicidade

No entanto, antes da morte de Jobs, em 2011, a dupla se reconciliou. Em entrevista ao programa 60 Minutes, Bill Gates revelou que visitou Jobs em seus últimos dias: “Quando Jobs estava doente passei algum tempo com ele. Conversávamos sobre o que aprendemos, sobre nossa família, sobre tudo”.

Mark Zuckerberg e Jack Dorsey

Antes de desafiar Musk, Mark Zuckerberg também já havia se desentendido com Jack Dorsey, cofundador e ex-CEO do Twitter.

O embate teve início quando o cofundador do Twitter criticou o Facebook pela rede social não verificar fatos em propagandas políticas e apenas as divulgar como um anúncio, dizendo que esse tipo de conduta não seria permitido no Twitter. A briga foi em 2019, quando Dorsey ainda era CEO da rede social.

Jack Dorsey ainda declarou que “o alcance de mensagens políticas deve ser conquistado, não comprado”. Como resposta, Zuckerberg disparou algumas críticas à Dorsey e a plataforma do passarinho e deixou de seguir o executivo nas redes sociais.

Elon Musk e Jeff Bezos

PUBLICIDADE

Além de disputarem o topo de homem mais rico do mundo, Elon Musk e Jeff Bezos são rivais na área da exploração espacial.

Em 2000, Bezos fundou a Blue Origin, de produção de foguetes, e apenas dois anos depois, Musk fundou a SpaceX, com proposta semelhante.

A tensão entre ambos cresceu 2013, quando a SpaceX tentou obter uso exclusivo de uma das plataformas de lançamento de foguetes da Nasa. A Blue Origin se manifestou formalmente para o governo. Em resposta, Musk classificou o pronunciamento de Bezos como sendo uma “tática de bloqueio falso”, conseguindo assim o direito de fazer lançamentos na plataforma.

Publicidade

Pouco tempo depois, a troca de farpas se tornou comum. Em entrevista à BBC, quando perguntado sobre Bezos, Musk disse: “Jeff quem?”. Posteriormente, o CEO da Blue Origin criticou algumas vezes a ideia da SpaceX de colonizar marte.

Anos depois, em 2019, Musk voltou a mencionar Bezos, dessa vez afirmando que a Amazon - empresa de Bezos - teria tentado copiar seu plano de fornecer internet via satélite.

Apesar da rivalidade, em 2021, Musk desejou boa sorte a Bezos em uma viagem espacial que o executivo iria participar.

Pouco tempo depois, no mesmo ano, Bezos parabenizou Musk nas redes sociais pelo lançamento bem sucedido de um foguete da SpaceX.

Tim Cook e Mark Zuckerberg

A rivalidade entre Tim Cook, CEO da Apple, e Mark Zuckerberg não tem exatamente uma motivação de mercado, mas isso não impediu a dupla de trocar muitas farpas ao longo dos anos.

Em 2014, Cook disse durante uma entrevista que “quando um serviço online é gratuito, você não é o cliente, você é o produto” e, em resposta, pouco tempo depois, Zuckerberg comentou a fala do CEO da Apple em uma entrevista ao dizer que “Ele [Tim Cook] acha que está alinhado a seus clientes? Se estivesse, os produtos seriam mais baratos”.

O clima esquentou entre os dois com o escândalo do caso Cambridge Analytica, em 2018, quando dados de 87 milhões de usuários da rede social foram usados de forma indevida. Durante uma entrevista, perguntaram a Tim Cook o que ele faria se estivesse na mesma situação de Zuckerberg e o executivo respondeu: “O que eu faria? Eu não estaria nessa situação”.

Publicidade

Após a declaração, o Facebook fez um post em seu blog dizendo que “Tim Cook criticou consistentemente nosso modelo de negócios e Mark foi foi claro ao dizer que discorda”. Como resposta ao ataque, Zuckerberg até pediu para que todos os executivos do Facebook trocassem seus iPhones por celulares de outras marcas.

Bill Gates e Elon Musk

Elon Musk também alfinetou o CEO da Microsoft, Bill Gates.

No começo de 2020, Bill Gates expressou em uma entrevista que apesar da Tesla ter sido inovadora, ele optou por adquirir um automóvel de outra marca. Em resposta, Musk rebateu, afirmando que a relação entre os dois sempre foi “decepcionante”.

Posteriormente, em julho do mesmo ano, Gates não gostou dos comentários de Musk sobre a covid-19, que frequentemente tentou minimizava a gravidade do vírus e as medidas de combate à pandemia.

“Ele não possui um amplo conhecimento sobre vacinas. Ele produz carros elétricos excelentes. Seus foguetes também funcionam bem. Portanto, ele pode falar sobre esses assuntos. Espero que ele não misture áreas nas quais não está envolvido”, declarou Gates.

Alguns dias depois, Musk recorreu ao Twitter e fez publicações que diziam “Billy G não é meu amante” - “Billy G is not my lover”, fazendo referência à canção “Billy Jean”, de Michael Jackson - e “os boatos de que eu e Bill Gates somos amantes são completamente falsos”.

Elon Musk e Mark Zuckerberg

A disputa entre Musk e Zuckerberg não é recente. A rivalidade entre os dois começou em 2016, quando um foguete da SpaceX explodiu, destruindo um satélite do Facebook. Em resposta ao incidente, Zuckerberg fez um comunicado expressando sua decepção com o ocorrido.

Publicidade

Anos depois, em 2018, durante o caso Cambridge Analytica, Musk disse que desativaria as contas de suas empresas na rede social, e utilizou o Twitter para expressar seu desconforto e nervosismo causados pelo Facebook.

Em 2021, os dois voltaram a discutir, quando ocorreu a invasão de manifestantes pró Donald Trump no Capitólio dos EUA. Sobre o incidente, Musk publicou uma imagem que dizia: “Isso é chamado de ‘efeito dominó'”.

No entanto, a primeira peça do dominó tinha os escritos “Um site para avaliar as mulheres do campus”, em alusão à origem do Facebook na Universidade de Harvard, que começou como uma plataforma para “avaliar” as alunas da faculdade.

*Alice Labate é estagiária sob supervisão do editor Bruno Romani

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.