Ações da dona do Snapchat caem 10% após saída de diretor financeiro

Empresa perdeu Tim Stone, veterano da indústria de tecnologia; para analistas, debandada de executivo experiente pode impactar competitividade do Snapchat

PUBLICIDADE

Por Agências
Atualização:
Snapchat fez IPO em março do ano passado Foto: Brendan McDermid/Reuters

As ações da Snap, empresa que é dona do aplicativo Snapchat, caíram 10% na manhã desta quarta-feira, 16, depois que o diretor financeiro Tim Stone decidiu deixar seu cargo na empresa, um ano após o criticado redesenho sofrido pelo app de mensagens efêmeras. 

PUBLICIDADE

Stone é o segundo diretor financeiro a deixar a empresa em menos de um ano. Ele se juntou à Snap em maio de 2018, após passar quase duas décadas na Amazon. O executivo substituiu Andrew Vollero, que levou a Snap à bolsa em 2017. A Snap não se pronunciou ainda sobre a saída do executivo. 

Para diversos analistas de Wall Street, a saída de Stone é "negativa" para a empresa, uma vez que se tratava de um executivo experiente na indústria. Sua perda, além de negativa por si só, também é um sinal vermelho para que a empresa consiga contratar e também reter outros executivos experientes, em um momento que segue perdendo usuários para os rivais Instagram e Facebook. 

"Acreditamos que a saída de Stone pode comprometer a capacidade de execução e a habilidade da Snap em competir no mercado", disse o analista Jonathan Kees, da Summit Insights Group. "Ele adicionava credibilidade a um time que tinha pouca experiência." 

Liderado pelo presidente executivo Evan Spiegel, de 28 anos, a Snap já perdeu mais de 65% de seu valor desde que chegou à bolsa de Nova York, há quase dois anos. Hoje, a empresa está sendo malvista no mercado: apenas três analistas de Wall Street recomendam a compra das ações da empresa, contra 10 que recomendam a venda. 

Stone, porém, não é o único executivo a deixar a empresa nos últimos tempos: no ano passado, a empresa perdeu seu diretor de estratégia, bem como os vice-presidentes de monetização e de relações com investidores. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.