Amazon, Google, Microsoft e outras: o que as gigantes de tecnologia estão fazendo para ajudar o RS

Empresas estão arrecadando fundos financeiros, enviando mantimentos e auxiliando ONGs

Foto do author Henrique Sampaio
Por Henrique Sampaio
Atualização:

Considerado um dos 10 maiores mercados de tecnologia do mundo e o terceiro país que mais consome redes sociais, o Brasil é uma região estratégica para as Big Techs e outras empresas de tecnologia da informação. Então, desde que o Rio Grande do Sul entrou em estado de calamidade pública, Big Techs e multinacionais de tecnologia começaram a anunciar iniciativas para amparar os moradores da região e parceiros atingidos pelas enchentes causadas pelas fortes chuvas.

Um dos primeiros a se manifestar foi Tim Cook, CEO da Apple, na terça-feira, 7, pouco depois do evento que revelou a nova linha de iPads, anunciando uma doação de valor não especificado para os “esforços de socorro no território.”

Empresas de tecnologia se mobilizam para ajudar o RS Foto: Gustavo Mansur/ Palacio Piratini

PUBLICIDADE

No dia seguinte, foi a vez do bilionário Elon Musk anunciar que seu serviço de internet via satélite Starlink iria doar mil terminais para socorristas no Rio Grande do Sul, para ajudar nas buscas e resgates de sobreviventes. Musk diz que os terminais serão livres para uso “até que toda a região se recupere”.

Veja abaixo o que as principais empresas de tecnologia em atuação no Brasil estão fazendo para auxiliar no resgate de vítimas e recuperação dos municípios afetados pela tragédia climática.

Amazon

A Amazon, que atua no Brasil desde 2012, diz que está fornecendo tecnologia, em conjunto com a organização não governamental Help.NGO, para capturar imagens de alta resolução de áreas afetadas e ajudar nas operações imediatas de busca por desaparecidos e resgate de pessoas pelas equipes de socorristas.

“Pensando no povo brasileiro e nas comunidades gaúchas impactadas pelas enchentes devastadoras, a Equipe de Socorro a Desastres da Amazon está trabalhando com organizações de ajuda humanitária no território para ajudar a levar alimentos, cobertores e kits de higiene para famílias necessitadas”, afirmou o Presidente e CEO da Amazon Andy Jassy, em publicação no X. Também estamos usando nossa tecnologia e experiência da AWS para apoiar a Help.NGO a capturar imagens de alta resolução de áreas afetadas para ajudar nas operações de resgate.”

De acordo com uma publicação da Amazon, em fevereiro de 2022, a Amazon Web Services (AWS) e a ONG trabalharam em conjunto para oferecer suporte à cidade de Petrópolis, no estado do Rio de Janeiro. “Após serem acionadas, as equipes da Help.NGO e da AWS capturaram imagens de drones de 27 KM2 de terreno impactado, modelaram a área e fizeram uma renderização 3D em apenas duas semanas. Essa renderização 3D altamente detalhada mostrou ao governo exatamente onde ele precisava concentrar recursos para fornecer suporte oportuno aos mais necessitados.”

Publicidade

Dell

O presidente da Dell, Michael Dell, afirmou na rede social X na quarta-feira, dia 8: Nossos corações estão com todos eles, especialmente nossos membros da equipe Dell impactados pelas enchentes no sul do Brasil. Nossa equipe no território e em todo o mundo está ajudando a apoiar os esforços de socorro por meio de tecnologia, assistência financeira e outras.”

Além disso, a empresa afirma ter criado uma força-tarefa para apoiar e prestar ajuda humanitária às pessoas afetadas, em conjunto com a Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais e a MGN, consultoria para ajuda humanitária. As doações inclui itens emergenciais, laptops para atendimento às vítimas, alimentação e combustível para socorristas. A companhia também mantém uma campanha global de arrecadação de fundos, na qual a Dell irá dobrar os valores doados pelos colaboradores.

A Dell possui instalações desde 1999 em Eldorado do Sul, uma das cidades mais afetadas pelas inundações no Rio Grande do Sul, e disponibilizou sua infraestrutura para o Gabinete de Sistema de Comando de Incidentes da cidade, que será responsável pela operação de planejamento da reconstrução de Eldorado do Sul, comandado pela Brigada Militar, com participação da Marinha do Brasil, Exército, Polícia Federal, Ministério Público, Polícia Civil, Instituto Geral de Perícias, Defesa Civil, CEEE, CORSAN, Defensoria Pública e Prefeitura Municipal de Eldorado do Sul.

Google

O Google anunciou a doação de cerca de R$ 1,2 milhão para apoiar ONGs que estão trabalhando diretamente na ajuda da população afetada. O valor será repassado pelo Google.org, a instituição filantrópica da companhia, para o Center for Disaster Philanthropy (CDP), uma organização global de apoio a esforços de socorro e recuperação. O Google também está oferecendo anúncios sem custos para a CDP.

Além da doação em dinheiro, o Google também atualizou seus serviços em prol da população, ativando os alertas na Busca e no Google Maps para acelerar o acesso à informação confiável e notícias divulgadas por autoridades locais, como Defesa Civil, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

Em parceria com o Serviço Geológico Brasileiro (SGB), a empresa também está usando inteligência artificial (IA) para ajudar a prever cheias e enchentes de rios.

IBM

A IBM, presente no Brasil desde o começo do século 20, anunciou uma campanha global para a arrecadação de fundos financeiros entre seus funcionários. O valor final será duplicado pela própria IBM e destinado para a Central Única das Favelas (CUFA) do Rio Grande do Sul.

Publicidade

Além de comentar a ação, o Presidente da IBM no Brasil, Marcelo Braga, escreveu no LinkedIn: “Estamos muito atentos e solidários em relação à situação que a população do Rio Grande do Sul está passando. Nosso time está em permanente contato com eles para garantir que estejam bem e que recebam toda a ajuda necessária. O apoio também se estende aos clientes e parceiros do Estado.”

Intel

A Intel mobilizou uma campanha local em São Paulo com seus funcionários, estendida à familiares e amigos, para arrecadar doações de roupas, alimentos, brinquedos, fraldas, itens de higiene pessoal e limpeza. Cerca de 65% dos funcionários da empresa de São Paulo apoiaram a campanha.

Durante a quinta-feira, 9, o escritório da Intel foi usado para a realização da triagem das mais de 70 caixas e sacolas com doações, que incluiu 400 quilos de ração e 800 litros de água. Os itens foram enviados para o Rio Grande do Sul via caminhões fretados pela empresa. As doações serão feitas à diversas ONGs.

A Intel afirma que, por meio da Intel Foundation, todos os 130 mil funcionários da companhia no mundo podem colaborar com qualquer quantia. A Intel dobrará o valor arrecadado. A campanha está em andamento e deve se encerrar na semana que vem e o dinheiro arrecadado será usado doado para a Central Única das Favelas (CUFA) e Cruz Vermelha.

Lenovo e Motorola

As fabricantes de computadores e smartphones dizem estar “profundamente sensibilizadas com a situação causada pelas fortes chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul”. Para auxiliar nos esforços de apoio às vítimas, as empresas convidaram “seus colaboradores a se juntarem em uma campanha de arrecadação para famílias afetadas pelas chuvas”. Para cada R$ 1 doado pelos funcionários das empresas, a Lenovo Foundation adicionar outro R$ 1, dobrando o montante arrecadado.

Os valores serão destinados à organização Parceiros Voluntários, que está atuando no Rio Grande do Sul em apoio às pessoas em situações emergenciais, com equipes e voluntários, destinando os recursos para abrigos e famílias atingidas.

Meta

Até sexta-feira, 10, a Meta, dona do WhatsApp, Instagram e Facebook, alguns dos aplicativos mais usados pelos brasileiros, não havia anunciado doações ou iniciativas de apoio às vítimas das enchentes. “Lamentamos a tragédia que atinge o Rio Grande do Sul como consequência das enchentes e nos solidarizamos com as pessoas afetadas, suas famílias e amigos”, afirmava em nota. A empresa

Publicidade

No dia 13 a empresa anunciou a doação de recursos financeiros para as operações locais de socorro e resgate no Rio Grande do Sul. “Também estamos disponibilizando créditos ao governo estadual para anúncios no Facebook e no Instagram, para possibilitar a expansão e o alcance de suas comunicações sobre a crise no Estado”, informou a companhia.

A Meta também está disponibilizando dados para universidades e organizações sem fins lucrativos por meio da iniciativa “Data for Good”, permitindo a análise de informações sobre mobilidade, população e cobertura de internet.

Microsoft

A Microsoft anunciou que, por meio da equipe Microsoft Disaster Response (MSDR), está mobilizando apoio “garantir que os serviços públicos essenciais sejam restaurados o mais rápido possível e prestando assistência técnica e humanitária às comunidades locais afetadas pela crise, aproveitando a tecnologia para aumentar a eficácia na identificação de prioridades e na avaliação de danos.”

Segundo a empresa, clientes, parceiros e ONGs sediadas no Estado estão sendo contatados para apoiar a população local. A Microsoft também divulgou um e-mail de contato para que possa avaliar uma solicitação de suporte: sosrs@microsoft.com

TikTok

O TikTok anunciou uma contribuição de R$ 5 milhões de reais para ajudar nos esforços de socorro às vítimas das inundações. Os valores serão igualmente repartidos entre a Cruz Vermelha internacional e a Central Única das Favelas (CUFA).

Uma ação de arrecadação financeira também está sendo feita entre os funcionários internamente. O valor final será dobrado pelo TikTok e doado à instituições confiáveis.

A empresa também anunciou que fará uma contribuição adicional aos ganhadores do concurso TikTok Empreende, anunciado em abril, que residirem nas regiões afetadas pelas enchentes.

Publicidade

Samsung e Xiaomi

Até o momento desta publicação, a Samsung e a Xiaomi não retornaram nosso contato com um posicionamento sobre ações para o Rio Grande do Sul. Atualizaremos a reportagem assim que as companhias nos responderem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.