PUBLICIDADE

Chefe do Instagram ignora críticas e reforça foco em vídeos

Adam Mosseri reconhece que formato ainda ‘não está bom’, mas que deve melhorar no futuro

Por Abel Serafim
Atualização:
Adam Mosseri é o chefe do Instagram Foto: Elizabeth Frantz/Reuters - 8/12/2021

O chefe do Instagram, Adam Mosseri, veio a público nesta terça-feira, 26, justificar os investimentos que a rede social tem feito em vídeos, depois de usuários reclamarem das novidades na plataforma.

PUBLICIDADE

Em vídeo publicado no Twitter, Mosseri afirmou que a rede social vai continuar com suporte para fotos, mas vai focar também nos vídeos diante do crescimento e aceitação do formato. “Eu acredito que mais e mais que o Instagram vai se tornar vídeo”, afirmou o executivo.

Mosseri ainda explicou que a versão em tela cheia do feed, que aparece para algumas pessoas, é um teste. “Essa é uma experiência de tela mais cheia não apenas para vídeos, mas também para fotos. E pode ser uma experiência mais divertida e envolvente. Quero deixar claro que ainda (o formato) não é bom e vamos ter que chegar a um bom”, disse.  

O executivo também comentou o recurso de sugestão de posts de contas não seguidas pelo usuário. Ele disse que é uma forma de ajudar a ampliar o alcance de conteúdos e proporcionar ao usuário a descoberta de “coisas novas e interessantes”.

Ao final do vídeo, o chefe do Instagram pediu que os usuários dessem a opinião sobre os anúncios feitos pela Meta, a empresa detentora do Instagram, Facebook e WhatsApp.

A resposta, no entanto, não foi positiva. Tanto no Twitter quanto no Instagram, usuários foram às redes pedir que as alterações fossem revertidas, em especial a retirada das publicações sugeridas do feed de posts. Celebridades como Kylie Jenner e Kim Kardashian também criticaram as medidas.

Na última semana, a Meta informou a criação de novos recursos e critérios para publicação de vídeos no Instagram, similar ao TikTok, e a divisão do feed de notícias do Facebook, mudança radical no formato consolidado por Mark Zuckerberg na última década.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.