Elon Musk negocia com startup para impulsionar chips cerebrais da Neuralink

Bilionário entrou em contato com a empresa americana Synchron sobre eventual investimento

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O bilionário Elon Musk procurou a startup americana Synchron para negociar uma possível aceleração na Neuralink, empresa fundada pelo dono da Tesla para desenvolver chips implantados no cérebro de humanos. As informações foram reveladas na última sexta-feira, 19, pela agência de notícias Reuters.

PUBLICIDADE

Segundo o veículo, que conversou com quatro pessoas familiarizadas com o assunto, o homem mais rico do mundo procurou o presidente executivo da Synchron, Thomas Oxley, para fechar um acordo. Não há informações, no entanto, se o negócio significaria uma aquisição total ou parceria entre as duas companhias.

Até o momento, a Synchron não sinalizou se deve aceitar a proposta, contaram as fontes à Reuters sob condição de anonimato, já que o assunto é tratado como confidencial.

A Neuralink é uma das startups de Elon Musk Foto: REUTERS/Shannon Stapleton/File Photo

A Synchron foi fundada em 2016 em Nova York com o objetivo de ajudar pacientes paraplégicos a manusear objetos eletrônicos com a mente. Para isso, a companhia não exige uma incisão no crânio humano, ao contrário da Neuralink, de Musk.

Segundo a Reuters, a startup nova-iorquina cruzou importante marco no mês passado ao conseguir realizar um implante com sucesso num paciente humano nos Estados Unidos, com aval da agência reguladora desse país. Antes disso, a empresa havia realizado o procedimento em outras quatro pessoas na Austrália.

O fechamento do acordo impulsionaria a Neuralink no setor de implantes cerebrais, área em que está defasada em relação a rivais, disseram as fontes à Reuters.

Até o momento, a Neuralink não obteve aval regulatório para realizar testes em humanos, algo esperado por Elon Musk para o ano de 2020. Sem a autorização, o bilionário voltou a falar em prazos e afirmou que espera ter o procedimento regulamentado até o final deste ano.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.