Gigantes de tecnologia perderam US$ 4,5 trilhões em valor de mercado em 2022; entenda

Empresas como Apple, Amazon, Google e Meta tiveram quedas significativas no valor das ações, mas economistas indicam que lucros devem aumentar em 2023

PUBLICIDADE

Foto do author Lucas Agrela
Por Lucas Agrela

As gigantes da tecnologia perderam US$ 4,5 trilhões em valor de mercado em 2022. Os maiores impactos foram nas ações da Apple, Amazon, Alphabet (dona do Google) e Meta. Só a Apple, até janeiro deste ano, perdeu mais de US$ 1 trilhão. A Amazon perdeu metade do seu valor de mercado no ano passado, chegando ao fim de dezembro a US$ 857 bilhões. Já a Alphabet terminou o ano valendo US$ 787 bilhões a menos do que no início de janeiro de 2022, chegando a US$ 1,15 trilhão.

PUBLICIDADE

Em termos percentuais, a Meta, dona do Facebook, teve a maior queda do ano. A empresa liderada por Mark Zuckerberg, que apostou todas as fichas no sucesso do metaverso, perdeu 60% do valor de mercado em 2022, fechando o ano a US$ 320 bilhões. Com isso, a companhia de Mark Zuckerberg ficou menor do que a chinesa Tencent, dona da Epic Games, que tinha valor de mercado de US$ 405 bilhões ao fim do ano passado.

Refletidas no valor das ações, as perspectivas desafiadoras para os negócios de tecnologia levaram à maior onda de demissões da história do setor, em nível global. Foram mais de 50 mil demissões entre as grandes companhias de tecnologia. Os maiores cortes foram na Meta e na Amazon. Somadas, as demissões chegaram a cerca de 40 mil no mundo. Até a Apple, a empresa mais valiosa do mundo, demitiu. A fabricante do iPhone mandou embora 100 recrutadores como parte do plano de redução de contratações.

O CEO da Meta, Mark Zuckerberg, durante apresentação que simulou sua proposta do que deve ser o metaverso, em outubro de 2021 - Foto: reprodução

O que explica o tombo?

Segundo analistas ouvidos pelo Estadão, o ano de 2022 teve a maior queda da bolsa americana desde 2008 e marcou o impacto tardio da pandemia nas ações de empresas de tecnologia. Ao mesmo tempo, empresas com valores de mercado mais adequados à realidade dos seus lucros se destacaram, mesmo no caso de negócios de consumo cíclico, como Coca-Cola e Nike. Ou seja, o ano foi marcado por uma volta da chamada “velha economia”.

“O mercado começou a perceber que o preço não pode ser apenas vinculado à qualidade dos negócios, mas também à expectativa dos negócios”, afirma Guilherme Novello, sócio e analista sênior de tecnologia da WHG. “No caso da Amazon, o carro-chefe de crescimento é a área de nuvem, AWS, que desacelerou bastante, o que pesou contra o múltiplo. A Microsoft, que tem o Azure, passou pela mesma coisa e teve seu guidance revisado para baixo.”

Rafael Nobre, analista internacional da XP, afirma que a queda da bolsa americana, e das empresas de tecnologia, é resultado de uma combinação de acontecimentos.

“Em 2022, houve uma forte correção da bolsa americana, que negociava a 21x lucro ou mais. O Federal Reserve buscou controlar a inflação com a taxa de juros mais alta e isso derrubou a bolsa. Os investidores ponderaram o impacto dessas altas cada vez mais contracionistas na economia, e as empresas de tecnologia sofreram mais porque grande parte delas são empresas de crescimento, com expectativas de lucros futuros”, diz Nobre.

Publicidade

Após o período de cortes de funcionários e ajustes de expectativas de investidores, analistas estimam que as gigantes da tecnologia estão posicionadas para aumentar os lucros em 2023.

“O objetivo das empresas é aumentar o lucro depois das demissões de 2022. Os cortes são símbolos de redução de movimentos excessivos que foram feitos durante o auge da pandemia. Agora, as empresas buscam maior eficiência. Ao mesmo tempo, vale lembrar que os demitidos de 2008 fundaram empresas como Airbnb e Uber”, afirma Guilherme Zanin, analista da Avenue.

Demissões x Contratações

Grandes empresas de tecnologia geraram barulho as demissões em massa, mas, nos últimos anos, elas passaram a aumentar com velocidade os quadros de funcionários.

PUBLICIDADE

Um levantamento feito pela WHG mostra que a Meta contratou mais de 42 mil pessoas entre o fim de 2019 e o terceiro trimestre de 2022, o que representa uma alta de 94% no efetivo. Já a Amazon adicionou 746 mil colaboradores no mesmo período, crescimento de 93% no número de funcionários. A Alphabet também cresceu 57% nesse indicador, com 67,8 mil contratações. A Microsoft adicionou 58 mil novas pessoas ao seu quadro de funcionários no período, enquanto a Apple foi a mais conservadora entre as big techs, tendo contratado 27 mil colaboradores, alta de 20% no número total.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.