Facebook chega a 2,13 bilhões de usuários em todo o mundo

Rede social registrou crescimento de 14% em sua comunidade ao longo de 2017, além de fechar o ano com receita de US$ 40,6 bilhões -- 47% mais alta que no ano anterior

PUBLICIDADE

Por Redação Link
Atualização:
Facebook passa pela maior crise de sua história Foto: Eraldo Peres/AP

A rede social Facebook alcançou 2,13 bilhões de usuários ativos por mês ao final de 2017, alta de 14% em relação a 2016, de acordo com balanço financeiro divulgado nesta quarta-feira, 31. O site teve aumento semelhante no número de usuários ativos diários, que chegou a 1,4 bilhão.

PUBLICIDADE

A receita da companhia, que tem sua origem em publicidade, em 2017 chegou a US$ 40,6 bilhões, o que representa um crescimento de 47% em relação ao ano anterior. No mesmo período, a empresa quase dobrou o número de empregados, chegando a mais de 25 mil pessoas no mundo.

"O ano de 2017 foi forte para o Facebook, mas também difícil", disse o fundador e presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, por meio de comunicado. "Em 2018, estamos focados em ter certeza de que o Facebook não é apenas divertido, mas também benéfico para o bem-estar das pessoas e para a sociedade."

O executivo se refere a uma série de mudanças que a companhia tem anunciado nas últimas semanas, que incluíram ajustes no algoritmo para reduzir o número de notícias que as pessoas veem na linha do tempo da rede social e pesquisas de opinião para identificar veículos de comunicação confiáveis. De acordo com o balanço, as mudanças reduziram o tempo gasto pelos usuários do Facebook em 50 milhões de horas todos os dias. "Ao focar em conexões significativas, nossa comunidade e nossos negócios se tornarão mais fortes em longo prazo", disse Zuckerberg.

O balanço financeiro foi divulgado logo após o fechamento do mercado e as ações do Facebook reagiram à revelação de que o tempo gasto na plataforma caiu. Às 20h14, as ações eram cotadas a US$ 179,77, o que representa queda de 3,8% em relação ao fechamento do dia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.