PUBLICIDADE

Meta rejeitou melhorias para garantir segurança de crianças, mostram documentos

Relatório de 90 páginas mostra que empresa desistiu de contratar engenheiros para trabalhar em segurança online

Por Cecilia Kang e Mike Isaac
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Horas antes de Mark Zuckerberg, presidente-executivo da Meta, testemunhar na quarta-feira, 31, diante de senadores americanos, os legisladores divulgaram documentos internos da empresa que mostram como ela rejeitou pedidos para aumentar os recursos que podiam aumentar a segurança infantil online.

Em 90 páginas de e-mails internos do outono de 2021, as principais autoridades da Meta, proprietária do Instagram, do Facebook e do WhatsApp, debateram o acréscimo de dezenas de engenheiros e outros funcionários para se concentrar no bem-estar e na segurança das crianças. Uma proposta feita a Zuckerberg para 45 novos membros da equipe foi recusada.

Mark Zuckerberg teria ignorado recomendações de segurança em suas plataformas, apontam documentos  Foto: Andrew Caballero-Reynolds / AFP

Os documentos, que estão sendo divulgados na íntegra pela primeira vez, foram citados em um processo no ano passado por 33 procuradores gerais de Estado que acusaram a Meta de viciar jovens usuários em seus aplicativos. Eles contradizem as declarações dos executivos da empresa, incluindo o chefe de segurança global e o chefe do Instagram, que testemunharam em audiências no Congresso sobre segurança infantil durante esse período - ele diziam que o serviço priorizava o bem-estar de seus usuários mais jovens e que trabalhariam mais para combater o conteúdo nocivo em sua plataforma.

PUBLICIDADE

Zuckerberg, que testemunhou perante o Congresso na quarta-feira pela oitava vez, está na berlinda para defender a falta de investimento da Meta em segurança infantil em meio às crescentes reclamações de conteúdo tóxico e nocivo online, disse o senador Richard Blumenthal, democrata de Connecticut, que divulgou os e-mails com a senadora Marsha Blackburn, republicana do Tennessee.

“A hipocrisia é impressionante”, disse Blumenthal em uma entrevista. “Ouvimos várias vezes o quanto eles se preocupam e estão trabalhando nisso, mas os documentos mostram um quadro muito diferente.”

A Meta criou mais de 30 ferramentas para ajudar a proteger os adolescentes e tem uma equipe “robusta” que supervisiona o bem-estar dos jovens, diz Andy Stone, porta-voz da Meta, em um comunicado, acrescentando que “esses documentos escolhidos a dedo não fornecem o contexto completo de como a empresa opera ou quais decisões foram tomadas”.

Os e-mails incluíam Zuckerberg, a ex-diretora de operações, Sheryl Sandberg, e Nick Clegg, presidente de assuntos globais, embora eles nem sempre tenham respondido. Os e-mails mostram os executivos seniores discutindo sobre orçamentos e número de funcionários e, ao mesmo tempo, reconhecendo ameaças regulatórias relacionadas à forma como lidavam com usuários adolescentes.

Publicidade

Um incidente revelado nos documentos foi uma solicitação de Clegg em agosto de 2021 para 45 novos membros da equipe. A solicitação foi rejeitada e ele retornou a Zuckerberg em novembro com uma proposta reduzida de 32 novas contratações. Não está claro o que Zuckerberg decidiu.

Clegg escreveu que a empresa não estava conseguindo cumprir as metas para evitar bullying, assédio e outras atividades prejudiciais no Instagram e no Facebook e alertou que os órgãos reguladores globais poderiam tomar medidas.

Ele disse que o investimento em pessoal permitiria que a empresa “apoiasse nossa narrativa externa de bem-estar em nossos aplicativos”.

Antes da divulgação desses documentos, os planos de Zuckerberg para a audiência incluíam falar sobre as dificuldades de ser pai na era digital. Ele também planejava defender a Meta, apontando para as dezenas de ferramentas que a empresa havia lançado nos últimos oito anos para dar mais controle aos pais.

A Meta tem cerca de 40 mil pessoas trabalhando em questões de segurança e proteção em seus aplicativos, de acordo com o depoimento de Zcukerberg, e investiu mais de US$ 20 bilhões nesses esforços desde 2016. Quase um quarto desse investimento foi gasto no ano passado. Não está claro quanto dos US$ 20 bilhões é dedicado à segurança infantil.

Audiência

Esperava-se que uma das principais linhas de questionamento na quarta-feira se concentraria em como os aplicativos verificam a idade dos usuários, uma vez que a empresa proíbe usuários com menos de 13 anos.

Publicidade

Na audiência, Zuckerberg planejava sugerir que a Apple assuma a responsabilidade de verificar as idades por meio de sua App Store. Ele também planejava incentivar uma legislação que exija que os adolescentes solicitem a aprovação dos pais para baixar aplicativos.

Zuckerberg há muito tempo posiciona a Meta - e a internet em geral - como um lugar que pode ser usado tanto para o bem quanto para o mal. Ele diz que sua empresa é uma empresa de tecnologia de ponta. Ele diz que o trabalho de sua empresa é elevar o que é bom e, ao mesmo tempo, fazer o possível para reduzir os danos. Ele também planejava enfatizar como a internet pode ser um lugar positivo para as pessoas, inclusive para as crianças.

“Elas usam nossos aplicativos para se sentirem mais conectadas, informadas e entretidas, bem como para se expressarem, criarem coisas e explorarem seus interesses”, ele planeja dizer, de acordo com seus comentários preparados. “De modo geral, os adolescentes nos dizem que essa é uma parte positiva de suas vidas.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.