PUBLICIDADE

Microsoft vai demitir quase 3 mil funcionários em um ano

Desde o ano passado, companhia já chegou a fechar 7,4 mil postos de trabalho, sobretudo em sua unidade de dispositivos móveis

PUBLICIDADE

Por Redação Link
Atualização:
 Foto: Reuters

A Microsoft vai demitir 2.850 funcionários no mundo inteiro até o término de seu próximo ano fiscal, em junho de 2017. A decisão consta em um relatório da empresa à Comissão de Valores dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês), divulgado na quinta-feira, 28. A companhia não especificou em quais países ou setores vão ocorrer as demissões.

PUBLICIDADE

Não é a primeira vez que a empresa reduz drasticamente seu quadro de funcionários. Desde o ano passado, a companhia já demitiu 7,4 mil funcionários. O último corte foi anunciado no começo do ano mês e afetou 1,8 mil postos de trabalho, a maioria na Finlândia – onde ficava a unidade de telefonia móvel da Nokia, adquirida pela Microsoft em 2013. Os cortes fazem parte da estratégia da empresa para enxugar gastos de sua área de dispositivos móveis.

"Estamos focando nossos esforços em telefonia onde temos diferencial", disse o presidente executivo da empresa, Satya Nadella, em comunicado e maio deste ano.

A primeira onda de demissões afetou principalmente funcionários ligados ao setor de smartphones. Agora, o corte deve atingir outros setores, embora a empresa não tenha especificado quais. 

A Microsoft tem cerca de 114 mil funcionários. A maioria, 44 mil, trabalha no estado de Washington, onde fica a sede da companhia. 

Negócios. A companhia norte-americana entrou no negócio de fabricação de smartphones em 2014, quando comprou a unidade de dispositivos móveis da finlandesa Nokia. Na época, a Microsoft pagou cerca de US$ 7,2 bilhões na empresa, que dominou o mercado de celulares no começo dos anos 2000. 

Além de não conseguir reinventar a Nokia, a Microsoft não obteve êxito no ramo de smartphones. Segundo dados da consultoria IDC, apenas 29,2 milhões de aparelhos com Windows Phone foram vendidos em 2015 –2% do total global de 1,44 bilhão de dispositivos.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.