PUBLICIDADE

SpaceX demitiu ilegalmente trabalhadores que criticavam Musk, diz agência dos EUA

Conselho Nacional de Relações Trabalhistas disse que a empresa demitiu erroneamente oito pessoas por causa de uma carta que levantava preocupações sobre o chefe-executivo

Por Noam Scheiber
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Autoridades trabalhistas federais acusaram nesta quarta, 3, a empresa de foguetes SpaceX de demitir ilegalmente oito funcionários por publicarem uma carta criticando o fundador e chefe-executivo da empresa, Elon Musk.

PUBLICIDADE

De acordo com uma queixa emitida por um escritório regional do National Labor Relations Board, a empresa demitiu os funcionários em 2022 por pedirem que a SpaceX se distanciasse dos comentários feitos por Musk nas redes sociais, incluindo um em que ele zombava das acusações de assédio sexual contra ele.

A carta distribuída pelos funcionários também pedia à SpaceX, que tem mais de 13 mil funcionários, que esclarecesse suas políticas de assédio e as aplicasse de forma consistente.

A reclamação do conselho trabalhista afirma que o presidente e diretor de operações da empresa, Gwynne Shotwell, restringiu ilegalmente a circulação da carta pelos funcionários e identificou infrações semelhantes por parte de outros executivos e gerentes.

Autoridades trabalhistas federais estão acusando a SpaceX de demitir ilegalmente oito funcionários  Foto: REUTERS / REUTERS

O caso está programado para ser apresentado a um juiz administrativo no início de março, a menos que a SpaceX feche um acordo extrajudicial. Uma porta-voz do conselho trabalhista disse que estava buscando soluções de compensação, como reintegração e salários atrasados para os trabalhadores.

“Na SpaceX, os foguetes podem ser reutilizáveis, mas as pessoas que os constroem são tratadas como dispensáveis”, disse Paige Holland-Thielen, uma das funcionárias demitidas. “Tenho esperança de que essas acusações responsabilizem a SpaceX e sua liderança por seu longo histórico de maus-tratos aos trabalhadores e de sufocamento do discurso.”

A SpaceX não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Publicidade

Musk costuma manter linha dura com os funcionários de suas empresas, como quando demitiu cerca de metade da força de trabalho do Twitter, agora conhecido como X, logo após comprar a empresa em 2022. Mais tarde, ele demitiu outros críticos internos do Twitter, que perdeu cerca de 80% dos 7,5 mil funcionários que trabalhavam lá quando o bilionário assumiu o controle.

A Tesla, onde Musk é CEO, passou anos litigando um caso em que o conselho trabalhista a acusou de demitir um funcionário por participar de atividades sindicais. Em 2021, o conselho decidiu que a demissão foi ilegal e ordenou que a Tesla reintegrasse o funcionário com salários atrasados, uma decisão que foi confirmada por um tribunal federal. A empresa está recorrendo do caso.

O Departamento de Justiça processou a SpaceX em agosto, acusando-a de discriminar requerentes de asilo e refugiados em suas contratações, mas um juiz emitiu uma liminar impedindo o andamento do caso.

Em dezembro de 2021, uma ex-funcionária da SpaceX publicou um texto detalhando casos de assédio e importunação por parte de colegas que, segundo ela, não foram resolvidos depois que ela os denunciou.

PUBLICIDADE

O texto provocou indignação dentro da empresa, que disse que iniciaria uma auditoria de suas políticas de assédio.

Meses depois, o site Business Insider informou que a SpaceX havia pagado US$ 250 mil em 2018 para resolver uma reclamação em que uma funcionária acusava Musk de se expor e fazer propostas sexuais a ela. Musk negou a acusação e brincou com o fato no Twitter.

Pouco tempo depois, um grupo de funcionários começou a debater ideias para tornar a empresa menos tolerante com o assédio e redigir a carta. Shotwell estava ciente do esforço e parecia apoiá-lo, de acordo com comentários que deixou em uma plataforma de comunicação interna vista pelo jornal americano The New York Times.

Publicidade

O motivo das demissões teria sido uma carta criticando Elon Musk  Foto: REUTERS / REUTERS

Em meados de junho de 2022, vários funcionários divulgaram sua carta aos colegas. A carta chamava os comentários públicos de Musk de “uma fonte frequente de distração e constrangimento para nós” e pedia que a empresa “defendesse repercussões claras para todos os comportamentos inaceitáveis, seja do CEO ou de um funcionário que estivesse começando seu primeiro dia”.

Embora alguns gerentes tenham reagido com simpatia, em poucas horas Shotwell repreendeu dois funcionários envolvidos na redação e distribuição da carta, Tom Moline e Holland-Thielen. “Por favor, parem imediatamente de inundar os canais de comunicação dos funcionários”, disse Shotwell em um e-mail, acrescentando: “Considerarei o fato de vocês ignorarem meu e-mail como insubordinação”.

No dia seguinte, a empresa demitiu Moline, Holland-Thielen e três outros funcionários envolvidos na organização da carta. Ela demitiu outros quatro funcionários ligados à carta em julho e agosto de 2022. O conselho trabalhista considerou apenas oito demissões porque o nono funcionário não apresentou uma acusação formal.

A reclamação do conselho trabalhista dizia que as demissões haviam sido retaliatórias e que Shotwell e outros funcionários da SpaceX haviam interferido nos direitos dos funcionários de se envolverem em atividades conjuntas que são legalmente protegidas.

Também disse que um vice-presidente da empresa havia violado a lei ao criticar a carta em uma reunião com os funcionários alguns dias após sua divulgação e “convidar os funcionários a se demitirem caso discordassem do comportamento do CEO Elon Musk”. O Times informou anteriormente que um vice-presidente da empresa havia dito aos funcionários que a carta era um ato extremista e que Musk poderia fazer o que quisesse na empresa.

A queixa também dizia que um funcionário sênior de recursos humanos havia criado ilegalmente a impressão de vigilância quando mostrou aos funcionários envolvidos na elaboração da carta capturas de tela de um bate-papo que eles haviam realizado em um aplicativo de mensagens.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.