SpaceX lança foguete comercial com robô para pousar na Lua pela primeira vez

Se for bem-sucedido, o pouso lunar será o primeiro de uma espaçonave dos EUA desde a Apollo 17 em 1972

PUBLICIDADE

Por Christian Davenport

THE WASHINGTON POST - Um foguete Falcon 9 da SpaceX lançou uma espaçonave robótica à Lua na quinta-feira, 15, preparando um pouso em 22 de fevereiro, que - se for bem-sucedido - será o primeiro pouso suave na Lua para os Estados Unidos desde a última das missões Apollo e o primeiro veículo comercial a tocar a superfície lunar.

PUBLICIDADE

O foguete Falcon 9 decolou à 1h05, horário do leste dos EUA, da plataforma de lançamento 39A no Centro Espacial Kennedy da NASA, a mesma plataforma de onde um foguete Saturno V içou a tripulação da Apollo 17 em sua viagem à Lua em 1972. Ele transportava uma espaçonave desenvolvida pela Intuitive Machines, uma empresa sediada em Houston. Nenhuma pessoa estava a bordo.

A missão está sendo realizada de acordo com um contrato com a NASA, que está pagando à Intuitive Machines US$ 118 milhões para levar várias de suas cargas úteis à superfície lunar e vê a missão como parte de sua campanha Artemis para levar astronautas de volta à Lua.

Foguete Falcon 9, da Space X, é lançado da Florida (EUA) com destino à Lua Foto: Malcom Denemark/AP - 15/2/2024

O módulo de pouso Nova-C, chamado Odysseus, tem instrumentos “para demonstrar tecnologias que aumentarão a eficiência, a precisão e a segurança do pouso de futuras espaçonaves, além de investigar a superfície da região polar sul da lua”, disse Debra Needham, cientista do programa da NASA, em uma reunião antes do lançamento.

Mas a NASA é, em grande parte, apenas um cliente pagante em um empreendimento conduzido pelo setor privado - uma espaçonave comercial sendo lançada por um foguete comercial - um paradigma no qual a agência espacial está confiando cada vez mais durante suas campanhas de exploração na órbita da Terra, bem como além dela.

“Há seis anos, o setor industrial dos EUA disse que estava pronto para que a NASA comprasse pousos lunares robóticos como um serviço, em vez de nós mesmos fazermos isso”, disse Joel Kearns, administrador associado adjunto para exploração na diretoria de missões científicas da NASA. Essas primeiras missões “são um teste para isso”.

A tentativa de aterrissagem da Intuitive Machines segue a de outro empreendimento privado, a Astrobotic, que lançou sua espaçonave à Lua no mês passado, também sob contrato com a NASA. Sua tentativa de pouso, no entanto, foi frustrada por um problema no sistema de propulsão da espaçonave que a impediu de chegar à Lua.

Publicidade

A NASA reconheceu que algumas das missões podem fracassar. Mas seus líderes dizem que esperam adquirir conhecimento até mesmo com os fracassos e alinharam empresas para fazer tentativas de aterrissagem robótica ou, nas palavras de seus líderes, “dar chutes a gol”. As autoridades da NASA disseram que esperam que, nos próximos anos, haja pelo menos duas missões robóticas por ano à Lua, como parte do que ela chama de Programa de Serviços de Carga Útil Lunar Comercial.

“Ao iniciarmos esse programa, não acreditávamos que o sucesso estivesse garantido, já que essas empresas americanas, pela primeira vez, vão à Lua - algo que ninguém faz de forma robótica nos EUA desde 1968, e a última missão Apollo foi em 1972″, disse Kearns. “O que posso dizer é que estamos aprendendo com cada tentativa.”

A missão da Intuitive Machines também é arriscada. E o lançamento de sua espaçonave Odysseus, que tem 14 pés de altura e seis pernas de pouso, é apenas o primeiro passo de uma longa e perigosa jornada até a superfície lunar. Se for bem-sucedida, ela aterrissará na região do polo sul lunar, que a NASA deseja explorar com astronautas devido à possível presença de água na forma de gelo nas crateras permanentemente sombreadas. A água é importante para qualquer missão prolongada à Lua porque é vital para sustentar a vida humana e porque seus componentes, hidrogênio e oxigênio, podem ser usados como combustível de foguete para permitir uma maior exploração do sistema solar.

PUBLICIDADE

Ao contrário da Apollo, a NASA está procurando construir uma presença duradoura no polo sul da Lua e em torno dele, uma região que a China também está interessada em explorar.

“Não estamos tentando refazer a Apollo”, disse Kearns. “O que estamos fazendo hoje é ir atrás de estudos científicos e tecnológicos que nem sequer foram previstos na época da Apollo para responder a questões científicas importantes. E estamos indo para uma região da Lua, especialmente nesta missão com a [Intuitive Machines] e a Artemis, onde as pessoas e os robôs nunca estiveram - para realmente procurar coisas novas, como, por exemplo, se há realmente voláteis utilizáveis, como gelo de água, no polo sul da Lua.”

Empresa Space X se juntou com a agência espacial americana (Nasa) para levar foguete comercial à Lua Foto: John Raoux/AP - 22/2/2024

A Odysseus também está carregando um instrumento da NASA projetado para capturar imagens da pluma de poeira expelida pelos motores da espaçonave. Como a agência espacial prevê o pouso de várias espaçonaves próximas umas das outras, ela quer entender melhor os efeitos dos pousos na superfície e no ambiente da lua.

“Isso fará com que a poeira realmente se agite e crie uma grande nuvem”, disse Susan Lederer, cientista de projeto da NASA para a missão Intuitive Machines. “Por isso, será necessário usar um conjunto de câmeras e olhar para baixo à medida que essa nuvem de poeira surgir.”

Publicidade

Isso, segundo ela, ajudará “a desenvolver futuras sondas de pouso para melhor proteger contra a poeira que está sendo agitada”.

A espaçonave também carrega um sistema de câmera projetado por alunos e professores da Embry-Riddle Aeronautical University que será ejetado da espaçonave a cerca de 30 metros acima da superfície da lua para capturar imagens do veículo durante a sequência de pouso.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.