PUBLICIDADE

Uber trabalha no desenvolvimento de patinetes e bicicletas autônomas

Empresa começou a contratar engenheiros para setor, que será desenvolvido a partir da startup de bicicletas elétricas Jump, comprada pela empresa no ano passado

Por Redação Link
Atualização:
O Uber comprou a startup Jump em abril deste ano Foto: Uber/The New York Times

Não é só no desenvolvimento de carros autônomos, capazes de substituir os motoristas em alguns anos, que o Uber está trabalhando. A empresa também começou a contratar engenheiros para criar patinetes e bicicletas elétricos que possam se guiar sozinhos pelas cidades – a notícia foi antecipada por Chris Anderson, ex-editor-chefe da revista Wired e hoje dono da startup 3D Robotics, no final de semana, em sua conta no Twitter. 

"O time de Micromobilidade do Uber está explorando novos jeitos de melhorar a segurança e a experiência dos usuários, bem como a eficiência de nossas bicicletas e patinentes", disse a empresa em um formulário, que pode ser preenchido pelos candidatos. Procurado pelo site americano TechCrunch, o Uber se negou a comentar o assunto. 

PUBLICIDADE

Os engenheiros que forem contratados pela empresa vão trabalhar dentro do Uber Jump, divisão de bicicletas elétricas da startup – o nome Jump vem da empresa homônima comprada pelo aplicativo de transportes em abril do ano passado. Segundo apurou o Estado, há previsão de que o serviço de bicicletas elétricas do Uber (sem ter direção autônoma, porém) chegue ao Brasil neste ano. 

Bicicletas e patinetes autônomos podem soar assustadores num primeiro momento, mas também poderiam ser máquinas capazes de resolver um dos maiores problemas desse tipo de transporte hoje em dia: seu armazenamento. 

Cidades como São Francisco, nos EUA, por exemplo, chegaram a proibir startups de compartilhamento desses veículos por conta da bagunça feita em calçadas – muitos patinetes e bicicletas, deteriorados ou não, eram largados no meio do caminho e atrapalhavam a vida dos pedestres. Se puderem se dirigir sozinhos, eles também poderão ser levados até garagens ou estacionamentos, deixando de atravancar a vida em grandes cidades. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.