EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Sócio da Startse. Escreve mensalmente às terças

Opinião|Máquinas não ligam para humanos e será importante se adaptar em 2024; leia análise

Em meio a um ano repleto de promessas e desafios, o importante é que a IA se adapte para o novo contexto

PUBLICIDADE

Foto do author Mauricio Benvenutti

Já estamos quase no 3º dia de 2024, um ano que promete ainda mais mudanças e oportunidades geradas por inteligência artificial (IA). Claro que enfrentar o novo é difícil, mas também é inevitável. Ao se acostumar a trabalhar do mesmo jeito, muita gente cai na rotina por conta disso. Fazer a mesma coisa, da mesma maneira, por muito tempo pode facilmente inibir seu ímpeto de querer mais.

Em 2023, por exemplo, promovemos várias discussões internas sobre IA na StartSe. E além de incorporarmos essa inovação no dia a dia, criamos um laboratório de IA que desenvolveu diferentes soluções ao nosso negócio. Uma delas foi uma parceria com a Polishop para lançar a primeira Airfryer com inteligência artificial do Brasil. Abraçamos as transformações, nos adaptamos a elas e construímos novos produtos e serviços em cima dos recursos hoje disponíveis.

IA deve se adaptar para o novo cenário tecnológico em 2024 Foto: REUTERS / REUTERS

PUBLICIDADE

Fato é que essa e outras novidades seguirão impactando as nossas vidas. E muitas pessoas terão dificuldade de se adaptar. Afinal, mudar é algo doloroso para boa parte dos seres humanos. Nunca foi fácil. Nem nunca será. Só que as tecnologias não dão a mínima para como nos sentimos. Elas simplesmente seguem o seu curso. Mesmo que a IA seja irrelevante para você atualmente, logo será indispensável. E quanto mais rápido você se permitir aprender sobre ela, mais cedo você poderá aproveitar as possibilidades inimagináveis que estão sendo criadas.

Observe o tema abordado por Martin Luther King em uma das suas últimas aparições. O ativista político americano foi assassinado em 4 de abril de 1968. Porém, 5 dias antes, ele proferiu o discurso “Permanecendo Acordado ao Longo de uma Grande Revolução”. Em frente a uma plateia de jovens, ele descreveu como muitas pessoas estavam vivendo uma época de profundas transformações sociais e falhando em desenvolver as atitudes demandadas por aquele novo período. Ele insistiu para que os adolescentes mantivessem os olhos abertos, pois quem ignorasse as mudanças em curso se afastaria das oportunidades geradas por aquelas recentes inovações.

Já em 2017, o então presidente do Deutsche Bank, uma das maiores instituições financeiras do mundo, fez uma declaração que resume bem o presente: “Em nosso banco, temos pessoas trabalhando como robôs. Amanhã, teremos robôs se comportando como pessoas. Não importa se nós, enquanto instituição, participaremos ou não dessas mudanças. Elas vão acontecer.” Não deixe a nostalgia impedir o seu progresso. A sua capacidade de se adaptar é uma vantagem absoluta. Feliz 2024!

Publicidade

Opinião por Mauricio Benvenutti

Sócio da plataforma para startups Startse

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.