PUBLICIDADE

Tesla processa agência da Suécia em disputa com sindicatos locais; Musk chama greves de ‘insanas’

Greve de mecânicos conseguiu apoio de centenas de trabalhadores de outras indústrias em todo o país, incluindo funcionários dos correios, o que bloqueou a entrega de placas para carros da empresa

Por Melissa Eddy

THE NEW YORK TIMES - A Tesla entrou com um processo contra a Agência de Transportes da Suécia na segunda-feira, 27, por causa de uma greve de funcionários dos correios que bloqueou a entrega de placas para carros da Tesla, a mais recente escalada de uma batalha cada vez maior entre os sindicatos suecos e a fabricante norte-americana de veículos elétricos.

PUBLICIDADE

Há um mês, mecânicos de sete oficinas de propriedade da Tesla na Suécia abandonaram seus empregos. Desde então, centenas de trabalhadores de outras indústrias em todo o país juntaram-se à ação, que tem o objetivo de fazer com que a Tesla assine um acordo coletivo de trabalho com o sindicato dos mecânicos, IF Metall.

Estivadores, eletricistas, pintores e funcionários dos correios aderiram à greve, recusando-se a prestar os seus serviços à empresa. Na semana passada, cerca de 50 metalúrgicos de uma fábrica que produz peças de alumínio para a fábrica da Tesla na Alemanha abandonaram o trabalho.

Em 20 de novembro, os funcionários dos correios aderiram à ação, recusando-se a entregar qualquer correspondência ou pacotes nas instalações da Tesla, incluindo as placas.

Isso levou Elon Musk, o CEO da montadora, a chamar as greves generalizadas de “insanas” em uma postagem no X, anteriormente conhecido como Twitter – seu primeiro comentário público sobre as greves. Embora a Suécia seja um mercado relativamente pequeno para a Tesla, que não produz automóveis no país, o Modelo Y da empresa é um dos mais vendidos entre os suecos.

Na segunda-feira, a Tesla tomou medidas legais, apresentando queixas contra a Agência de Transportes, que supervisiona a produção das placas, e a empresa postal PostNord. Argumentou que os funcionários da Tesla deveriam ter permissão para retirar as placas da agência, contornando os funcionários dos correios.

Na ação contra a agência, a Tesla argumentou que a autoridade tem “a obrigação constitucional de fornecer placas aos proprietários de veículos”, de acordo com uma cópia emitida pelo Tribunal do Distrito de Norrkoping. Um juiz emitiu uma ordem temporária na segunda-feira exigindo que a agência disponibilizasse as placas para a Tesla, enquanto se aguarda uma decisão final.

Publicidade

A retenção de placas “não pode ser descrita de outra forma senão como um ataque único a uma empresa que opera na Suécia”, disse a montadora no processo. Ela pediu que o tribunal distrital multasse a agência em 1 milhão de coroas suecas, ou US$ 95.400, a menos que permitisse que a Tesla “recuperasse placas” dentro de três dias após a decisão do tribunal.

Tesla processa a Agência de Transportes da Suécia em meio a greves que bloquearam a entrega de placas para carros da empresa no país.  Foto: Mike Blake/Reuters

A Agência de Transportes “não compartilha” a visão da Tesla de que não está cumprindo a sua obrigação de produzir as placas dos veículos recentemente registrados na Suécia, disse Mikael Andersson, porta-voz da agência. Mas porque os trabalhadores dos correios aderiram à greve visando a Tesla, elas não estão sendo entregues, disse Andersson. “Portanto, a Tesla decidiu testar a questão em tribunal, o que é um direito deles”, disse ele.

O Tribunal do Distrito de Solna, que está tratando o caso da Tesla contra a PostNord, rejeitou o pedido da montadora para ter permissão imediata para coletar 28 placas em posse da empresa postal. Uma decisão nesse caso não é esperada antes da próxima semana.

A Tesla não respondeu aos pedidos de comentários do The New York Times.

A Suécia tem uma longa história de trabalho organizado e o direito à greve está consagrado na constituição do país, que também permite que um sindicato de um setor apresente petições aos sindicatos que representam trabalhadores de outras profissões para que realizem ações específicas contra uma empresa. Durante o último mês, centenas de trabalhadores em todo o país juntaram-se ao IF Metall para pressionar a Tesla para vir à mesa de negociações.

A Tesla tem resistido aos esforços de organização de seus mais de 127 mil funcionários em todo o mundo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.