'Argumento contra barragens é falho'

Ex-ministro de Minas e Energia diz que política de construir usinas de menor impacto ambiental terá custo nos próximos anos

Entrevista com

BRUNO DEIRO, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2013 | 02h10

Ministro de Minas e Energia no governo Fernando Henrique Cardoso, o engenheiro e economista Francisco Gomide apresentou um relatório à Agência Nacional de Águas (ANA) e ao Ministério do Meio Ambiente no qual alerta para um déficit de grandes reservatórios no País. Para ele, se for mantida a política de optar por usinas do tipo fio d'água - que opera sem reservatório-, problemas de abastecimento e falta de controle de cheias, entre outros, serão sentidos nas próximas décadas.

Como o sr. vê a política de evitar os grandes reservatórios?

Há uma campanha equivocada contra barragens e reservatórios feita por entidades que promovem a consciência ambiental, o que é muito positivo, mas que investe contra alguns alvos errados. O Brasil está abrindo mão de riquezas naturais importantes, na forma de seus recursos hídricos. A questão de dimensionamento do número de reservatórios é científica.

Mais reservatórios deixariam o País menos vulnerável?

Sim, este dimensionamento pode ser projetado com a segurança que você quiser. O problema é que se você constrói como no Brasil, com a tradição de usinas novas a fio d'água e com o volume de armazenamento dos reservatórios existentes, fica cada vez mais difícil atender ao mercado crescente. É uma política equivocada que só vai ficar aparente daqui a 20 ou 30 anos.

De quantos reservatórios o País precisa para evitar riscos?

Não falamos em número de reservatórios, o certo seria em volume. O trabalho que fiz traz uma série de comparações, mas, em particular no setor elétrico, eu diria que os reservatórios estão ficando pequenos demais, pois são equivalentes a apenas quatro meses de fluxo normal. É muito pouco, deveriam equivaler a muito mais.

Existem exemplos em outros países que se possa aplicar aqui?

Os reservatórios americanos, por exemplo, equivalem a 165 dias da vazão média. Foram construídos há mais de 30 anos e não há evidências de que foram um erro. Se, por exemplo, todos os rios secassem de uma hora para outra por lá, os reservatórios aguentariam por 165 dias. Comparativamente, no Brasil, nós temos só 47 dias. E temos isso porque na década de 1950 alguns dirigentes iluminados fizeram a opção por hidreletricidade com grandes reservatórios. Desses 47 dias, 42 vêm do setor elétrico. Se não tivessem feito essa opção lá atrás, o armazenamento brasileiro seria de apenas 5 dias. Há 10 anos, paramos de projetar. O governo jogou a toalha e desistiu de enfrentar organizações ambientais equivocadas.

Em que outros fatores os reservatórios podem ser úteis?

Há milhares de anos os reservatórios servem para administrar os chamados eventos hidrológicos extremos. Mas moramos em um país que acha que não precisamos de obras de infraestrutura. O reservatório guarda água em um momento em que há excesso para ajudar na estiagem. Com o uso para irrigação, também pode aumentar a capacidade agrícola, que sobe exponencialmente.

O principal argumento contra os grandes reservatórios é o

impacto social e ambiental

causado pelos alagamentos.

Como o sr. vê este aspecto?

O problema é que os movimentos ambientais vão contra todas as obras. O equívoco que se comete, na minha opinião, é a ideia de que obras de infraestrutura causam impactos ambientais intoleráveis. Toda e qualquer obra causa impacto, mas não se pode abrir mão delas. A natureza se ajusta. As pessoas não aceitam a tese de que esse ajustamento é possível, de que se pode realocar a população que está na área do reservatório, de que o interesse público é maior que o particular.

O sr. acha que o custo ambiental é menor com os reservatórios?

O que estamos dizendo é: 'Segurem as hidroelétricas, mas, como o consumo segue crescendo, vamos usar as térmicas'. A térmica pega um naco do volume de energia e opera na base, opera sempre. Não sou contra, mas deve ser usada com bom senso. Como complementar é uma beleza, pois o caro é apenas o combustível, não a instalação.

Como o sr. vê a polêmica em torno da construção de Belo Monte, cuja principal crítica recai sobre o reservatório?

É uma obra lógica, mas que é obrigada a ser cortada até que as entidades ambientais aceitem. Aí já não é uma obra defensável, pois foi castrada, e não se pode mais dar uma opinião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.