Associação de emissoras repudia atos contra Globo

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) divulgou nota nesta quinta-feira em que repudia os atos de vandalismo cometidos contra a sede da Rede Globo no Rio, nesta quarta-feira, 17. "Atos de vandalismo como os ocorridos no Rio de Janeiro devem ser rechaçados por atentar contra a liberdade de imprensa e o direito à informação", cita a nota, assinada pelo presidente da Abert, Daniel Pimentel Slaviero.

AYR ALISKI, Agência Estado

18 de julho de 2013 | 17h26

O texto destaca que as manifestações em frente à casa do governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) acabaram em vandalismo na sede da emissora, localizada no bairro do Leblon. Cita ainda que "foram lançadas pedras e coquetéis molotov contra a fachada do prédio, que teve vários vidros quebrados" e que "no mesmo ato, um carro de reportagem do SBT (Sistema Brasileiro de Televisão) foi pichado pelos manifestantes".

A Abert é uma organização fundada em 1962, que representa 3 mil emissoras privadas de rádio e televisão no País, e tem por missão a defesa da vigência da liberdade de expressão em todas as formas. Mais cedo, Cabral classificou de "afronta ao Estado Democrático de Direito" a depredação que aconteceu pelas ruas do Leblon e Ipanema, na zona sul da capital fluminense.

Em comunicado, ele afirmou que o governo do Rio reitera a posição de garantir, por meio das forças de Segurança Pública, não só o direito à livre-manifestação, como também o de ir e vir e à proteção ao patrimônio público e privado. Agências bancárias, lojas e pelo menos uma banca de jornais foram alvos de depredação e barricadas foram montadas com lixo incendiado.

Mais conteúdo sobre:
AbertRede Globo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.