Avô tortura neto de 6 anos e é preso no Pará

Criança irá morar com a mãe; homem será processado por maus tratos e lesões corporais graves

Carlos Mendes, especial para O Estado de S. Paulo,

07 de dezembro de 2007 | 13h22

O mecânico Raimundo Carlos Cardoso, conhecido como Formiga, de 55 anos, foi preso na quinta-feira, 6, pela polícia na Vila dos Cabanos, em Barcarena, na região nordeste do Pará, acusado de espancar o neto de 6 anos, queimá-lo com faca quente em várias partes do corpo, arremessar a criança contra a parede e depois escondê-la dentro de um guarda-roupa quando agentes do Conselho Tutelar foram resgatá-la após denúncias de vizinhos.Cardoso estava foragido e quase era linchado por moradores ao chegar na delegacia de Barcarena. Será processado por maus tratos e lesões corporais graves. Ele tentou justificar o espancamento, dizendo ter "aplicado um corretivo" porque o garoto "mexia" em dinheiro, fazendo-o "passar vergonha" diante dos clientes de sua oficina. A mulher do mecânico, Maria Geni Silva Kakauchu, também é acusada de torturar a criança. Uma vizinha declarou na polícia que o fato vem ocorrendo desde que o menor passou a morar com o casal, há um ano. O juiz da Infância e Juventude de Barcarena, Raimundo Santana, decretou a prisão temporária do mecânico e mandou que a criança fosse submetida a exame de corpo de delito e entregue à mãe, Bruna Silva Santos, de 23 anos. Bruna contou que há um ano entregou o filho para o avô criar porque havia perdido o emprego e não tinha condições de sustentá-lo. "Nunca pensei que meu pai fosse uma pessoa tão violenta. O menino está todo machucado. Agora, ele vai ficar comigo", afirmou ela.Em 2006, Cardoso denunciou a filha ao Conselho Tutelar de Barcarena, dizendo que ela saía de casa para trabalhar o dia todo e deixava a criança sozinha. O Conselho intermediou a entrega da criança pela mãe ao avô. O município de Barcarena é vizinho a Abaetetuba, onde a menor L., de 15 anos, sofreu abusos sexuais numa cela masculina de uma prisão.

Tudo o que sabemos sobre:
TorturaPará

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.