Café, cana e laranja disputam trabalhadores

É difícil encontrar mão de obra capacitada: além da concorrência, mais jovens vão para as cidades

Fernanda Yoneya, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2009 | 02h11

Outro estímulo à mecanização total da lavoura é a falta de mão de obra. Segundo Tassinari, é difícil encontrar trabalhadores capacitados para trabalhar em áreas extensas. "Além da concorrência com cana e citros, os mais jovens estão deixando o campo rumo à cidade", diz. O produtor Costa destaca ainda que, nas épocas de colheita de café, cana e citros, os trabalhadores evitam criar vínculos empregatícios formais, como manda a lei, "para irem atrás de quem paga mais". 

 

Veja também:

linkCafé, cana e laranja disputam trabalhadores

linkQuem não tem máquina, tem a opção de alugar

O pesquisador do IAC confirma que tradicionais cafeicultores vêm se queixando da piora sistemática da qualidade da mão de obra. "Isso pode ser explicado pelo fato de esses trabalhadores terem sido arrebanhados em locais onde nem há café. Portanto, não são familiarizados com a cultura. E como boa parte desse pessoal é volante, não há o aprimoramento do serviço." De acordo com Moreira, no Estado, 20% da área é totalmente mecanizada; no Brasil, o índice cai para 12%.

Vendas crescentes

A explosão das vendas de colhedoras de café começou em 2000, segundo o agrônomo Walmi Gomes Martin, da Jacto. "Nesta época, os produtores já falavam em falta de mão de obra, por causa da concorrência com a cana e da migração para a cidade", explica. De lá para cá, a venda de colhedoras tem aumentado 20% ao ano.

A escassez de mão de obra também pode ser suprida com a semimecanização, que alia mão de obra e máquinas de baixo custo, diz o professor da Ufla, Fábio Silva. "A semimecanização da derriça e abanação é tendência no sul de Minas, onde predominam pequenas e médias propriedades com topografia limitante ao uso de máquinas." A derriça é feita com derriçadoras portáteis, manualmente. Segundo ele, esse sistema melhora o desempenho operacional, supre a falta de pessoal no pico da colheita e qualifica o trabalhador.

 

Tecnologia de difícil adoção

 

Café e citros são as principais culturas perenes passíveis de mecanização total. Segundo o professor Fábio Moreira da Silva, o desafio de mecanizar lavouras perenes venceu mais uma etapa com o lançamento, em 2008, da primeira colhedora de laranja. "A colheita mecanizada de laranja, porém, ainda não representa, no Brasil, quase nada em relação à colheita manual" diz o pesquisador do IAC, Cláudio Moreira. No Brasil, também não há máquina para colher manga, maçã, goiaba e uva.

Tudo o que sabemos sobre:
Agrícolatecnologiacafeicultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.