G20 defende ações coordenadas para solução duradoura da crise

Após três dias de intensas negociações, o G20 encerrou o encontro na capital paulista sem propostas concretas mas com alguns consensos sobre os próximos passos para combater a crise financeira global, o principal deles em torno da necessidade de ações coordenadas. "O desafio-chave é resolver a crise financeira de uma maneira duradoura e suavizar o impacto da crise na atividade econômica global por meio de medidas abrangentes, coordenadas e no momento adequado", afirma o comunicado final do encontro. Veja a seguir os principais pontos do comunicado: * G20 precisa definir medidas para restaurar o crescimento e a estabilidade financeira; * G20 deve desempenhar papel-chave na garantia da estabilidade econômica e financeira global; * G20 tomará ação conjunta para reduzir a volatilidade dos mercados, restaurar os níveis normais de crédito; * G20 reconhece a necessidade de melhorar supervisão e governança das instituições financeiras; * G20 deve assegurar formas para melhorar a proteção de instituições de importância sistêmica; * G20 reconhece necessidade de expandir fórum sobre estabilidade financeira para incluir economias emergentes; * G20 pede que todos países resistam ao protecionismo, reitera apoio para rápida conclusão da Rodada de Doha; * Países com desvalorização cambial e inflação precisam de monitoramento atento das autoridades monetárias; * É preciso uma reforma abrangente das instituições de Bretton Woods, dando mais voz aos países emergentes. (Reportagem de Elzio Barreto e Renato Andrade; texto de Alexandre Caveni; edição de Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.