Igreja abre inscrições para evento no Rio

Com presença do papa, Jornada Mundial da Juventude deverá atrair 60 mil voluntários

JOSÉ MARIA MAYRINK, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2012 | 03h08

Começam nesta quinta-feira as inscrições para a 28.ª Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que deverá reunir cerca de 2,5 milhões de participantes no Rio de Janeiro, com a presença de Bento XVI, de 23 a 28 de julho de 2013. O papa se encontrará com jovens vindos de 190 países, convidados a refletir sobre sua fé e o compromisso cristão. O lema da jornada - "Ide e fazei discípulos entre todas as nações" - foi definido no encontro de Madri, em agosto do ano passado.

Os organizadores da JMJ esperam cadastrar 60 mil voluntários para atender os peregrinos, denominação dada aos participantes. Já há 45 mil inscritos no Rio e em três subsedes da comissão organizadora - Niterói, Duque de Caxias e Nova Iguaçu. A seleção dos voluntários levará em conta o domínio de idiomas e aptidões profissionais como, por exemplo, nos campos da informática e da engenharia. A agenda da JMJ incluirá atividades religiosas, culturais e sociais.

Os voluntários atuarão em vários setores, entre eles os de comunicação e hospedagem, para dar assistência aos peregrinos. Eles serão divididos por idioma (português, espanhol, francês, italiano, inglês, alemão e polonês - supostamente as línguas mais faladas durante o encontro) e deverão ter 14 anos completos, sem limite de idade acima disso.

A adoção do idioma como critério visa a facilitar o entendimento entre participantes de vários países nas reuniões de catequese, que são as reflexões sobre temas espirituais, políticos, culturais e sociais, sempre à luz do Evangelho. As catequeses serão conduzidas por bispos dos países inscritos. O papa presidirá os maiores eventos do encontro - uma via-sacra, uma missa campal e uma vigília de oração.

O orçamento preliminar da JMJ é de R$ 400 milhões. "O custo será bancado pelos participantes, aos quais retribuiremos em serviços o valor da inscrição", informa o coordenador da comissão de finanças, d. Paulo César Costa, um dos bispos auxiliares do Rio. Doadores e instituições da Igreja também contribuirão. Não entram nessa estimativa os gastos com transporte, trânsito e segurança, de responsabilidade dos poderes públicos.

A logística para locomoção dos peregrinos atingirá todo o sistema de transporte: aviões, ônibus, metrô, trens e barcas. Os ônibus vindos de outros municípios estacionarão em locais estratégicos, sem permissão para entrar na cidade.

"Andar a pé, dormir em colchonete e comer sanduíches fazem parte da cultura dos jovens nesse tipo de encontro", diz a pedagoga Kamila Gomes, de 28 anos, que participou da JMJ em Colônia (Alemanha) em 2005 e em Madri, no ano passado. Segundo Camila, a Arquidiocese de São Paulo deverá receber cerca de 40 mil peregrinos estrangeiros. "Daqui, eles viajarão de ônibus para o Rio."

Hospedagem. Reunidos em grupos de 50 pessoas, subordinadas a um responsável, os peregrinos se inscreverão pela internet no site rio2013.com. Os preços variam, de acordo com o pacote (classificação de países, número de eventos e tipo de serviços), com valor máximo de R$ 577,60 até 31 de janeiro, ou R$ 608, a partir de 1.º de fevereiro. A hospedagem em casas de família, escolas, ginásios esportivos e outras instituições será gratuita. Quem quiser acolher os participantes têm de oferecer apenas alojamento e banheiro. As refeições são garantidas pela organização.

"Muitas famílias já estão oferecendo suas casas", diz d. Paulo. A JMJ precisará de alojamento para cerca de 1 milhão de peregrinos inscritos. Os demais participantes - entre 1 milhão e 1,5 milhão de pessoas - serão moradores do Rio e de outras localidades que assistirão às cerimônias sem estarem inscritos. "São esses que vão trazer dinheiro para a economia da cidade", afirma o bispo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.