Manifestantes fazem novo protesto em Campinas

Cerca de 3 mil manifestantes fazem um protesto na noite desta sexta-feira em Campinas, depois do quebra-quebra que transformou a prefeitura em palco de guerra na noite de quinta-feira, 20.

RICARDO BRANDT, Agência Estado

21 de junho de 2013 | 20h01

A Polícia Militar cercou o Palácio dos Jequitibás, para evitar novas depredações e a invasão do prédio.

Os manifestantes se concentraram em frente ao paço e outro grupo seguiu em passeata até a Avenida Norte-Sul. Houve um princípio de tumulto. Os manifestantes atiraram pedras contra a PM que reagiu com bombas de gás e de efeito moral.

Nesta sexta, a Polícia Civil iniciou os trabalhos para identificar os manifestantes que saquearam lojas na região central, na noite de quinta-feira, quando 30 mil pessoas fizeram uma manifestação em frente a prefeitura. A Secretaria Municipal de Segurança iniciou a análise das imagens das câmeras de segurança do centro e deve encaminhá-las à polícia.

O prefeito Jonas Donizette (PSB) lamentou os atos de vandalismo e violência registrados no primeiro dia de manifestação. "São dois sentimentos distintos: um de alegria, pela manifestação cívica e sadia, e o outro de tristeza, por toda essa destruição na cidade", disse Jonas.

O prefeito lembrou que Campinas foi a cidade que teve a maior redução da tarifa, de R$ 3,30 para R$ 3,00. O novo valor da passagem começa a valer na próxima segunda-feira, 24. O Departamento de Finanças da prefeitura avalia de onde sairão os recursos para compensar as empresas. "Nenhuma verba será retiradas das secretarias de Saúde e Educação", disse o prefeito.

A prefeitura estimou um prejuízo de cerca de R$ 500 mil com a destruição dos jardins da Praça Carlos Gomes e do Largo das Andorinhas, pichações de monumentos, quebra de painéis informativos e da iluminação do paço. Foram retiradas 50 toneladas de lixo (paus, pedras e cartazes) da região central. Foram alvo de ataques 12 ônibus e 25 pontos, além de semáforos e radares.

Ao todo, 16 guardas municipais e 25 manifestantes ficaram feridos e nove pessoas foram detidas por danos ao patrimônio. Mais da metade das janelas de vidro do paço foram quebradas por pedras jogadas por manifestantes.

Rodovias

Em Hortolândia, cerca de mil manifestantes fizeram um protesto pacífico nesta sexta-feira. No início da noite, eles bloquearam a SP-101, rodovia que liga Capivari a Campinas. Em Louveira, manifestantes também fecharam a rodovia Anhanguera, mas o tráfego foi liberado logo em seguida.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosCampinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.