Mato Grosso vai reduzir área de soja

Problemas climáticos no início do plantio 2007/2008 já afetaram a safra do maior Estado produtor

Ana Conceição, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2007 | 04h52

A Agência Rural reduziu a estimativa da produção brasileira de soja na safra 2007/2008 em 400 mil toneladas (0,64%) para 62,4 milhões de toneladas. O ajuste foi provocado pela queda de 2,3% na projeção de área plantada em Mato Grosso, por causa dos problemas climáticos no início dos trabalhos de campo, em outubro. O plantio de soja no Estado agora está estimado em 5,59 milhões de hectares, ante 5,72 milhões de hectares projetados anteriormente. Com o ajuste no maior produtor brasileiro, a área brasileira recuou para 22,42 milhões de hectares. De acordo com a AgRural as lavouras apresentam boas condições na maior parte do País. Os problemas, por enquanto, se restringem ao Rio Grande do Sul e a Mato Grosso. Os produtores gaúchos enfrentaram vendavais e até granizo nas duas primeiras semanas de novembro. As chuvas também provocaram erosão, mesmo nas áreas de plantio direto, implicando perdas de sementes e adubos. Já os mato-grossenses estão às voltas com ataques de lagartas e vaquinhas (um tipo de praga), principalmente na região da Chapada dos Parecis. No leste de Mato Grosso, a preocupação é com a falta de chuvas, que dificulta o avanço do plantio. CHICAGO Enquanto os produtores brasileiros concentram-se no plantio, os preços sobem no mercado internacional. O contrato março - referência para a safra brasileira - acumulou alta de 52% nos últimos 12 meses na Bolsa de Chicago até a semana passada, 7% apenas em novembro. Impulsionado pelo petróleo e pela demanda internacional - China em especial - o contrato tem se mantido acima do nível histórico de US$ 11/bushel. Dados divulgados pela Administração Geral de Alfândega, do governo chinês, mostram que o país acelerou as importações de grão de soja desde outubro. No acumulado do ano as importações aumentaram 5%, para 24,54 milhões de toneladas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.