Novo presidente dos EUA deve acabar rápido com crise, diz Lula

'Não é possível que quem ganhar essa eleição vai deixar a crise durar um ano. Assim não tem país que agüente'

Liège Albuquerque, de O Estado de S. Paulo,

04 Novembro 2008 | 14h30

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta terça-feira, 4, que o próximo presidente norte-americano terá que debelar a crise em tempo recorde. "Não é possível que quem ganhar essa eleição vai deixar a crise durar um ano, pois assim não tem país que agüente", disse.   Veja também De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  Estadao.com.br na terra dos Obamas Diário de bordo da viagem ao Quênia Confira os números das pesquisas nos Estados Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   Lula voltou a reclamar dos que fazem a "apologia da morte". "Não se pode fazer torcida para ver quando a crise vai chegar ao Brasil. Nós temos de nos preparar e não ficar esperando de cabeça baixa ela chegar. A doença tem gravidade, mas se dermos o remédio certo não precisamos fazer a apologia da morte como alguns fazem".   Em discurso durante inauguração da expansão da usina hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, Lula reconheceu que a crise traz problemas a certos setores da economia, mas buscou destacar condições particulares do país para suportar a turbulência. "Os exportadores poderão perder um pouco, nós temos que procurar novos mercados, mas nós temos potencial de mercado interno que poucos países no mundo tem. Nós temos uma sociedade ávida a comprar."   (com Reuters)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.