Prefeitura de SP congela 26% da verba para transporte

As principais obras de transporte da Prefeitura de São Paulo estão com recursos congelados, incluindo a verba para o metrô, uma das principais promessas de campanha do prefeito Gilberto Kassab (DEM). Apenas 31% do orçamento de R$ 1,2 bilhão da Secretaria Municipal de Transportes (SMT) para este ano se encontra disponível para investimento e custeio. O restante está congelado (R$ 325,4 milhões) ou comprometido com o pagamento de subsídios a ônibus e lotações (R$ 523,9 milhões). As informações constam de levantamento feito no Sistema de Execução Orçamentária pela liderança do PT na Câmara Municipal.

AE, Agencia Estado

16 de março de 2009 | 09h46

A Prefeitura diz que o congelamento é ?cautelar? e está previsto para durar 90 dias, ?até que o cenário econômico fique mais claro?. O prefeito se comprometeu, por exemplo, a investir R$ 1 bilhão no Metrô em 2008 e mais R$ 1 bilhão até o fim do mandato, em 2012, mas há dificuldades à vista. No ano passado, foram repassados R$ 473 milhões. Este ano, dos R$ 218 milhões previstos, metade está congelada. Em janeiro, ao anunciar a contenção de gastos, motivada pela crise financeira, Kassab afirmou que a verba para o metrô não seria atingida.

Outro compromisso eleitoral ameaçado são os R$ 300 milhões para o Rodoanel até 2012, só metade da verba está disponível. Nos cortes, foram mais afetados os corredores de ônibus, como o Expresso Tiradentes. Em nota oficial, a Secretaria Municipal dos Transportes destacou que o congelamento de verbas não afetará os trechos 4 e 5 do Expresso Tiradentes nem a instalação de corredores de ônibus, porque ?os recursos orçamentários poderão ser liberados à medida da necessidade? e o congelamento de verbas ?não implica reprogramação ou priorização de algumas obras em detrimento de outras?. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
AdministraçãoSPtranportes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.