Qantas suspende voos e atrapalha passageiros e líderes mundiais

A companhia aérea australiana Qantas deixou milhares de passageiros e cerca de 20 líderes mundiais em apuros no sábado, depois que manteve toda a sua frota em terra por causa de uma amarga disputa com sindicatos.

REBEKAH KEBEDE, REUTERS

29 Outubro 2011 | 12h57

Viajantes na Austrália e passageiros em escalas regionais como Cingapura e Hong Kong estavam enfurecidos porque seus planos de viagem foram arruinados e eles ficaram sem bagagem e penando para conseguir reservas em outros voos.

"Tenho orgulho de ser australiano, mas isso deixa um gosto realmente ruim na boca", disse Zoe Johnson, australiano que vive na Suíça, no aeroporto de Perth.

A decisão da Qantas foi tomada em um momento inoportuno - Perth, no oeste da Austrália, está sediando um encontro de chefes de governo da Comunidade Britânica e 17 líderes podem ficar presos na remota cidade.

Este fim de semana também é um dos mais movimentados na Austrália, com dezenas de milhares de pessoas viajando para assistir à Copa Melbourne de corrida de cavalos na terça-feira, apelidada de "a corrida que para a nação".

A paralisação foi um choque para a maioria dos viajantes e mesmo para o governo da primeira-ministra australiana, Julia Gillard, que parece ter sido pego de surpresa pelo cancelamento dos voos.

"As únicas informações que temos agora é de nossos filhos em casa", disse Christine Joske, cujo voo para Melbourne foi cancelado, em um aeroporto de Hong Kong.

A Qantas disse aos seus clientes que iria fornecer acomodação, refeições e transferências, assim como o reembolso de voos cancelados. A empresa disse aos consumidores que chequem atualizações na página da Qantas no Facebook, que foi inundado com centenas de comentários, muitos deles culpando o executivo chefe da empresa, Alan Joyce, e criticando a Qantas pela decisão de parar os voos.

(Reportagem adicional de Rebekah Kebede e Jill Gralow em Perth Nishant Kumar em Hong Kong e Kevin Lim em Cingapura)

Mais conteúdo sobre:
QANTAS AUSTRALIA GREVE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.