Terremoto mata 6 e danifica prédios históricos na Itália

Tremor ocorreu na manhã deste domingo e foi seguido por uma série de réplicas

STE, REUTERS

20 Maio 2012 | 15h26

Um forte terremoto no norte da Itália deixou seis pessoas mortas, feriu dezenas e danificou prédios históricos, incluindo uma famoso castelo medieval.

O tremor ocorreu na manhã deste domingo e acordou os moradores, que saíram às ruas aterrorizados. Segundo a Agência Geológica o terremoto teve magnitude 6,0, ocorreu às 04h04 (23h40 no horário de Brasília) a 10 quilômetros de profundidade, além de ter sido seguido por uma série réplicas.

Pelo menos dois desses tremores chegaram a magnitude 5,1, renovando o pânico, danificando ainda mais prédios já enfraquecidos e causando o desabamento de mais estruturas.

"Tenho 83 anos e nunca senti nada assim", disse Lina Gardenghi na cidade de Bondeno, perto de Ferrara.

O epicentro do terremoto mais intenso na Itália em três anos foi próximo de Modena, na região do Vale do Pó. Os tremores foram mais mortais do que os de 2009, quando a cidade de L´Aquila, no centro do país, foi devastada, e foram sentidos em locais tão distantes quanto regiões fronteiriças com a França, no oeste, e com a Eslovênia, no leste.

Entre as vítimas fatais estão uma mulher de 106 anos, morta em sua cama por uma viga que desabou do telhado em sua casa no campo.

Os tremores danificaram seriamente muitas igrejas históricas e outros edifícios. O imponente castelo de Estense, do século 14, símbolo da cidade de San Felice Sul Panaro e seu edifício mais importante, foi seriamente comprometido.

O abalo sísmico abriu diversos orifícios na lateral da prefeitura de estilo renascentista de Sant'Agostino, que as autoridades disseram correr risco de desabamento total. As ruas da cidade estavam cobertas de destroços e o cheiro de gás despertava o temor de explosões.

Franco Gabrielli, chefe do serviço de emergências, disse que cinco mortes tiveram como causa direta o terremoto e que houve mais uma vítima que morreu de enfarte após o tremor. Autoridades afirmaram que mais de 3 mil pessoas não poderão voltar a suas casas por enquanto.

Em Bondeno, um marroquina que trabalhava no turno da noite em uma fábrica morreu atingida pela queda de destroços. Um italiano de 57 anos foi morto em Sant'Agostino quando parte de uma fundição desmoronou, e dois outros morreram na mesma cidade vitimados pelo colapso de uma fábrica de cerâmica.

O primeiro-ministro italiano, Mario Monti, antecipou a volta de sua viagem aos Estados Unidos e disse que o governo vai declarar estado de emergência e liberar dinheiro para a reconstrução das áreas atingidas.

Em Roma, o Papa Bento 16 rezou pelas vítimas neste domingo no Vaticano.

(Reportagem adicional de Steve Scherer e Daniele Mari em Roma)

Mais conteúdo sobre:
ITALIATERREMOTOMORTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.