PUBLICIDADE

Publicidade

Pet shop viraliza com vídeos que mostram bastidores engraçados dos banhos em cachorros; assista

Demanda pelo serviço cresceu 20%, segundo dona do estabelecimento; gravações são feitas e publicadas por colaboradora que passou a trabalhar também como criadora de conteúdo online

PUBLICIDADE

Foto do author Adele Robichez
Atualização:

Cachorros tomando banho em um pet shop de Brasília têm chamado a atenção de milhões de pessoas na internet. Há pouco mais de um ano, a jovem Esther Carvalho, 20, passou a registrar de maneira bem-humorada a realidade por trás do serviço que presta com os animais. Hoje ela tem 2,6 milhões de seguidores no TikTok e divide a rotina entre o trabalho no estabelecimento e a criação de conteúdos online.

PUBLICIDADE

Um dos vídeos, que acumula 40 milhões de visualizações na rede social, mostra as reações de um husky siberiano durante o banho. O pet alterna momentos em que parece se comunicar com Carvalho, e outros em que se sacode e a deixa completamente molhada, ou solta bolos de pelo que se espalham pelo ambiente inteiro.

“Esse banho está caro demais”, diz o título do vídeo em tom irônico, fazendo uma referência a queixas comuns de clientes. A jovem trabalha como freelancer desde o fim de 2022 na BSBichos, clínica de “pet care” em Brasília.

“As pessoas gostam da ‘bagaceira’, os vídeos que mais chamam atenção são os que têm cachorros de grande porte porque acham que eu não vou dar conta. Os que mais bombam também são os com animais mais danados, que tentam morder ou dificultam o meu trabalho”, afirma.

Carvalho diz que os conteúdos são orgânicos e não há muita estratégia por trás. “Acabo dando preferência para os cachorros que vejo que vão fazer sucesso, mas eu mostro mesmo a realidade. Eu misturo entre as coisas fofinhas, que é o que o pessoal costuma mostrar, e os bastidores do trabalho com alguns cachorros mais difíceis de lidar”, explica.

A sugestão dos vídeos partiu da dona do estabelecimento, Valéria Cunha, 46. Ela conta que sempre quis mostrar mais o dia a dia da clínica, mas os funcionários não topavam gravar os serviços por vergonha ou falta de aptidão com a câmera. “Mas quando falei com Esther, ela logo se animou”, relembra.

Carvalho revela que há muito tempo tem o hábito de filmar a rotina por prazer. Por isso, fazer os vídeos foi um caminho natural. “Sempre quis ser famosa, reconhecida na rua pela minha criatividade e jeito de ser”, diz.

Publicidade

Esther Carvalho, criadora de conteúdo, comemorando resultados alcançados nas redes sociais com vídeos para pet shop Foto: Arquivo Pessoal

Cachorros ficam famosos e tutores, felizes

A dona do BSBichos assume que, no início, teve receio do que os clientes pensariam do estilo de comunicação dos vídeos. “Não fazia ideia de como as pessoas iriam lidar com as narrações ‘sem filtro’. Mas desde o primeiro vídeo, Esther já fez sucesso. Com o tempo, ela só melhorou porque não precisou mais se preocupar com o que os outros iriam pensar, e os vídeos ficaram cada vez mais verdadeiros”, analisa.

O primeiro vídeo viral mostrava uma shitzu chamada Meg que, segundo Carvalho, “não gosta de homens”. A publicação faz justamente uma brincadeira com essa percepção, ao mostrar um funcionário do pet shop tentando se aproximar da cadela, que reage tentando mordê-lo.

Publicado em janeiro de 2023, o vídeo logo bateu 1 milhão de visualizações. Hoje, esse número dobrou. “Na época, ganhei 400 mil seguidores com o vídeo”, relata a colaboradora.

No Instagram, Carvalho tem quase 540 mil seguidores e publica os vídeos em colaboração com a conta da BSBichos, com mais de 60 mil seguidores. Assim, os conteúdos aparecem para quem acompanha qualquer uma das duas páginas.

PUBLICIDADE

A jovem costuma publicar vídeos a cada dois dias, por volta das 10 horas. “Não tenho um cronograma certo, mas tento manter a frequência porque o algoritmo das redes sociais tende a parar de entregar os vídeos se ficar muito tempo sem postar. Quanto mais posto, mais a conta cresce e mais os vídeos repercutem”, fala.

No TikTok, Carvalho fica de olho nos comentários e responde ou interage com grande parte deles. No Instagram, Cunha fica responsável por acompanhar a repercussão. “Quase não temos haters, são praticamente só comentários positivos ou dúvidas”, afirma a empresária.

Os tutores dos animais são consultados previamente para autorizar a publicação. Em geral, diz Cunha, eles consentem e “acham o máximo o cachorro ficar famoso”.

Publicidade

Veterinária investiu em pet shop para não fazer plantão

Aberto em 2017, o espaço de “pet care” BSBichos surgiu após a iniciativa do marido de Valéria Cunha, o hoje gerente e sócio da empresa Rodrigo Aranha, 45. Veterinária, Cunha trabalhava como funcionária em uma clínica até o seu chefe exigir que ela começasse a dar plantão.

Nesse momento, Aranha decidiu investir tudo o que tinham e convenceu Cunha a empreender. O casal gastou cerca de R$ 60 mil na época para abrir a unidade. “Morri de medo, mas encarei. Começamos com meia dúzia de coisas na prateleira em meio a incertezas. Aos poucos, fomos crescendo e chegamos onde estamos”, resume.

Valéria Cunha, dona do pet shop BSBichos em Brasília Foto: Arquivo Pessoal

O BSBichos tem cinco funcionários fixos e oferece os serviços de “day care”, uma estadia para que os tutores não deixem os animais sozinhos em casa. Também tem creche, banho e tosa, consultas veterinárias, vacinas e procedimentos cirúrgicos simples. O valor médio é de R$ 100.

Com os vídeos de Esther, a clínica teve um aumento de cerca de 20% na procura do serviço de banho para cachorros. “Muitas pessoas pedem para que os pets sejam atendidos por ela, com a esperança de que sejam gravados”, conta Cunha.

De acordo com a empresária, os conteúdos também se refletiram no crescimento do número de seguidores e clientes, e consequentemente do retorno financeiro. A empresa não quis revelar o seu faturamento.

Até o próximo ano, os sócios planejam abrir uma segunda unidade da clínica em Brasília.

Reputação da marca

O BSBichos tem 172 avaliações no Google, com nota média de 4,8 de 5. Apenas quatro pessoas deram uma estrela, a classificação mais baixa disponível pela plataforma. As críticas são relativas ao atendimento supostamente recebido no espaço. Os comentários foram respondidos pela administração do negócio.

Publicidade

Os autores das notas concedidas não podem ser verificados. Eventualmente, comentários positivos ou negativos podem ser uma ação a favor ou contra a empresa.

A empresa não tem registros no site Reclame Aqui.

Consultor dá dicas para impulsionar negócio nas redes sociais

Com a crescente importância das redes sociais para os negócios, criar conteúdos orgânicos eficazes se tornou uma estratégia fundamental para aumentar a visibilidade e o engajamento de uma marca.

Cássio Ferraro, consultor especialista em planejamento estratégico e marketing do Sebrae-SP, dá algumas orientações de como utilizar essas plataformas para alcançar um público maior sem a necessidade de investir em anúncios pagos.

O tráfego orgânico se refere às visitas que uma empresa consegue de forma espontânea, sem pagar por publicidade. Para conseguir alcançar as pessoas, o consultor considera que a interação é fundamental.

“Se você faz um vídeo, mas não interage com quem curtiu ou comentou, o conteúdo não vai ser considerado relevante pela plataforma e seu alcance diminui”, adverte.

Ele enfatiza que a relevância percebida pela ferramenta depende de quantas vezes a informação vai e volta entre o usuário e o criador do conteúdo.

Publicidade

“Quanto mais você interage com seu cliente, mais a ferramenta do Instagram entende que você é relevante naquele assunto que está trazendo”, destaca.

Ele ilustra com um exemplo: “Você faz uma postagem de um prato bonito vendido em seu restaurante. Alguém curte, e essa informação volta para você. Quando você responde, seja curtindo ou comentando, a ferramenta amplia o alcance daquela comunicação.”

Além da interação, o formato da apresentação do conteúdo é crucial. “Hoje é mais interessante você colocar vídeo do que foto”, afirma Ferraro. “Se nos primeiros cinco segundos você conseguir causar curiosidade, o espectador vai investir mais tempo assistindo.”

O uso de funcionários nos vídeos também pode ser uma estratégia eficaz, mas Ferraro alerta para a necessidade de preparo. “Você pode usar um funcionário desde que ele esteja apto como ator do momento. Se você não for assertivo nos primeiros segundos, a pessoa não vai olhar o seu vídeo, ela vai passar para o próximo.”

Para criar vídeos envolventes, Ferraro sugere estratégias como começar com as frases “assista até o final” ou “a melhor dica é a última”, que incentivam os espectadores a permanecerem assistindo, aumentando o tempo de permanência na página e, consequentemente, a relevância do conteúdo.

“A imagem tem que ser legal, não pode ser poluída, o vídeo tem que ser claro, e o áudio deve ser bom”, aconselha.

O consultor também ressalta a importância de medir o desempenho dos conteúdos. “A própria ferramenta vai te mostrar que teve um alcance X, e com investimento Y, o alcance pode ser maior”, explica Ferraro. “Isso ajuda a ajustar e otimizar as estratégias de conteúdo orgânico”, conclui.

Publicidade

Em resumo, para impulsionar o negócio com conteúdos orgânicos nas redes sociais, Ferraro sugere:

  • Interação constante com os seguidores
  • Priorizar vídeos sobre fotos
  • Preparar adequadamente a pessoa que aparece nos vídeos
  • Utilizar gatilhos mentais para manter o interesse do espectador
  • Manter a qualidade visual e sonora dos conteúdos
  • Monitorar e ajustar as estratégias conforme os resultados observados
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.