PUBLICIDADE

Base aliada quer negociar com oposição fim da CPI exclusiva

Ofício de Dilma confirmando ida ao Senado faz parte de proposta de acordo entre PSDB e governo

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O ofício à Comissão de Infra-estrutura do Senado da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, confirmando o comparecimento para discutir o Programa de Aceleração da Economia (PAC), faz parte de uma proposta de acordo em negociação entre as lideranças do PSDB e do governo para reativar a moribunda CPI Mista dos Cartões Corporativos em troca da não instalação da CPI exclusiva do Senado.   Veja também:   Vazamento de dossiê contra FHC abre guerra dentro da Casa Civil Dossiê FHC: o que dizem governo e oposição PF pede a governo dados sobre segurança da Casa Civil PF abre inquérito para apurar vazamento de dados de FHC Dossiê com dados do ex-presidente FHC  Entenda a crise dos cartões corporativos    Só na terça-feira, porém, quando a CPI mista votará requerimentos, é que a oposição vai saber, mais uma vez, se o governo quer ou não seguir nas investigações, dando prosseguimento às negociações. Enquanto isso, paga para ver o comportamento dos aliados do Palácio do Planalto. "Estamos reticentes", afirmou o presidente da Comissão de Infra-estrutura, senador Marconi Perillo (PSDB-GO).   O senador tucano está aguardando a qualquer momento a confirmação da data da audiência da ministra Dilma na comissão, que pode ser na quarta-feira. Se necessário, vai realizar uma sessão extraordinária, já que a chefe da Casa Civil estará em Tóquio na semana seguinte. "Se ela quiser fazer semana que vem, será ótimo", avaliou. Perillo ressaltou que, embora a convocação da ministra tenha ocorrido para esclarecer as obras do PAC, não vai impedir a oposição de fazer perguntas sobre o suposto dossiê das despesas do casal Fernando Henrique/D.Ruth Cardoso.   "Não posso impedir. Cada um pergunta o que quiser, vivemos em uma democracia", completou Perillo. A oposição já deixou claro aos parlamentares da base do governo que sem quebras de sigilo na CPI Mista é impossível progredir nas investigações. A presidente da comissão, senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), manifestou publicamente, em mais de uma ocasião, seu desânimo e decepção com os rumos da CPI, chegando a declarar que a Comissão "caminha para um final melancólico".   Na raiz dessa tentativa de entendimento, de acordo com parlamentares governistas, está a vantagem, para o governo, do explosivo tema do suposto dossiê não se perpetuar nos holofotes na CPI exclusiva do Senado. O prolongamento dessa já longa exposição do caso, segundo um deles, só contribuiria para agravar o atual desgaste de uma investigação da Polícia Federal no coração do Palácio do Planalto.   Outra razão para tal negociação é a de que, com a manutenção,também lá, de folgada maioria da base governista, prevê-se igualmente outro desgaste, desta feita na imagem dos senadores aliados, quando obrigados a adotar a mesma tática radical de barrar tudo, como vêm fazendo os correligionários da CPI Mista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.