PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Opinião|Como economizar R$ 65 bi de dinheiro público por ano?

convidado

Não raro, a prestação de serviços públicos fundamentais é comprometida por graves falhas em contratações públicas – notadamente o superfaturamento, que pode vir ou não acompanhado de corrupção. Quando o atendimento em saúde é o centro das falhas, as consequências para a população são óbvia e particularmente nefastas.

PUBLICIDADE

O caso mostrado no Fantástico no mês de fevereiro de 2024, envolvendo a gestão de alas ortopédicas em hospitais públicos de Mato Grosso, Roraima e Acre por uma empresa, é um exemplo bem ilustrativo. De acordo com investigações da Controladoria-Geral da União (CGU), a empresa realizou cirurgias desnecessárias a preços exorbitantes, e superfaturou em até 2.324% materiais médicos (próteses, parafusos ortopédicos etc.).

O caso não é isolado. Em 2019, a Polícia Civil deflagrou operação por desvio de R$ 50 milhões no Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia por meio do superfaturamento de medicamentos para câncer. No ano seguinte, auditoria da CGU apontou possível superfaturamento de R$ 3,6 milhões em um contrato entre a Secretaria de Saúde do Distrito Federal e o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde para compra de medicamentos, com riscos de perdas e extravios dos produtos.

Imagine se houvesse uma forma de reduzir os riscos de más contratações públicas, com a multiplicação de olhares de fiscalização sobre todas contratações públicas centralizadas em um único lugar. Uma maneira de ajudar a evitar ou detectar problemas graves antes que milhões em dinheiro público escorram pelo ralo, e que milhões de pessoas fiquem sem atendimento adequado à saúde.

A boa notícia é que a nova Lei de Licitações criou o Portal Nacional de Contratações Públicas (PNCP), uma inovação que reúne as contratações de todo o país em um mesmo banco de dados. Ele é aberto a toda população que passa a poder realizar controle social e acompanhar como os diferentes órgãos do estado têm realizado compras.

Publicidade

Segundo a Lei, o Portal deve oferecer um painel para consulta de preços. Afinal, uma ferramenta que reunirá centenas de bilhões de reais em contratações de todos os poderes e esferas poderá ter a melhor base de contratações do país, o que permitiria pesquisas robustas para que a administração pública possa realizar contratações mais eficientes e dispensaria a necessidade de contratação de ferramentas privadas que oferecem este serviço.

Para que esse potencial do PNCP se concretize, há muito trabalho pela frente. Um dos grandes desafios é garantir que a plataforma contenha dados de qualidade e não se torne um agregado de informações incomparáveis e inúteis. Como organização com larga experiência em lidar com dados de contratações públicas – e identificar lacunas que os tornam inutilizáveis para o controle social –, a Transparência Brasil trabalha em soluções para esse desafio.

O projeto Compra Transparente - Medicamentos, realizado em parceria com a CGU e a Open Contracting Partnership opera em duas frentes: a primeira, no fortalecimento da infraestrutura, dados abertos e a usabilidade do PNCP. A segunda, na qualidade de dados de contratos de medicamentos, para possibilitar o uso de inteligência de dados e algoritmos de machine learning na geração de alertas de contratações de risco e sobrepreços na aquisição de medicamentos por milhares de prefeituras.

Com três meses desde o vigor da nova Lei de Licitações, já é possível apontar algumas necessidades urgentes para o PNCP. Por meio de um teste de usabilidade, identificamos limitações que impedem que a plataforma sirva ao propósito de incrementar o controle social. Dificuldades para entender a ferramenta de busca e para encontrar os preços por item contratado paralisaram alguns usuários. As conclusões do teste e recomendações para melhorar o PNCP serão entregues ao Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI), responsável pelo seu desenvolvimento.

Quanto à qualidade dos dados é sabido que, diferentemente do que consta no rodapé do Portal, “[a] adequação, fidedignidade e corretude das informações e dos arquivos relativos às contratações disponibilizadas no PNCP” não podem ser apenas “de estrita responsabilidade dos órgãos e entidades contratantes”. A prova disto está no Portal da Transparência do governo federal, cujos dados sobre contratações, por não seguirem um padrão e estarem muitas vezes incompletos, têm pouca utilidade ou levam a conclusões equivocadas.

Publicidade

A utilidade do PNCP como um riquíssimo portal para controle social e eficiência de contratações de centenas de bilhões de reais depende de constantes melhorias e, consequentemente, de um orçamento à altura. O investimento adequado em seu desenvolvimento gerará um retorno mais do que vantajoso para a administração pública.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Um estudo do Banco Mundial sobre a eficiência das contratações públicas do Brasil em 2017 nos dá bases para estimar esse retorno. O órgão internacional calculou, em um cenário conservador, uma economia de 15% em três anos se o governo federal adotasse melhorias relativas aos preços e condições de contratação. Entre os entes subnacionais, que em geral têm menos capacidade para realizar compras eficientes, é razoável supor que haveria uma economia ainda maior se tiverem a capacidade de ao menos realizar boas pesquisas de preços.

Façamos então uma conta de padeiro com muitos zeros: o IPEA calcula que 12% do PIB do país é gasto em contratações públicas. Em montantes de 2023, seria R$ 1,3 trilhão, dos quais um terço é da administração pública direta. Isso resulta em R$ 436 bilhões de compras que entrariam no PNCP. Os 15% de economia de que estamos falando são R$ 65 bilhões de reais por ano.

Ou seja, destinar recursos humanos e orçamentários em volume suficiente para garantir um PNCP robusto e composto por dados de qualidade é essencial para a saúde – dos cofres públicos e, principalmente, da população brasileira. Caso contrário, o que teremos serão novas confusões entre latas e fardos de leite condensado ou aspirinas para todo o país, além de tantos outros casos de superfaturamento na saúde brasileira.

Este texto reflete única e exclusivamente a opinião do(a) autor(a) e não representa a visão do Instituto Não Aceito Corrupção (Inac). Esta série é uma parceria entre o Blog do Fausto Macedo e o Instituto Não Aceito Corrupção. Os artigos têm publicação periódica

Publicidade

Convidado deste artigo

Foto do autor Juliana Sakai
Juliana Sakaisaiba mais

Juliana Sakai
Diretora executiva da Transparência Brasil. Formada em Relações Internacionais pela Universidade de São Paulo e mestre em Ciência Política pela Leuphana Universität, em Lüneburg (Alemanha). Atuou no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Timor-Leste e na Transparency International
Conteúdo

As informações e opiniões formadas neste artigo são de responsabilidade única do autor.
Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Estadão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.