PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Desembargador vê ‘notória qualificação’ e libera filho de Jorginho Mello para Casa Civil de SC

Magistrado do Tribunal de Justiça de Santa Catarina suspende despacho que havia barrado nomeação do advogado Filipe Mello no cargo

Foto do author Pepita Ortega
Por Pepita Ortega
O governador Jorginho Mello. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil - 30/09/2022

O desembargador Gilberto Gomes de Oliveira, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, liberou a nomeação do filho do governador Jorginho Mello como Secretário da Casa Civil do Estado. O magistrado suspendeu despacho que havia barrado o advogado Filipe Mello de assumir o cargo.

PUBLICIDADE

Segundo o desembargador, o cargo é de natureza política e o filho de Jorginho Mello ‘possui notória qualificação técnica para assumir dita responsabilidade’. Além disso, Oliveira apontou que não há indícios de ‘possível inidoneidade moral’ de Filipe que impossibilitasse sua nomeação.

A decisão foi assinada no final da tarde desta segunda-feira, 8, atendendo a pedido do Estado de Santa Catarina. O governo recorreu de uma decisão liminar assinada pelo desembargador substituto João Marcos Buch, no bojo de ação movida pelo Diretório Estadual do Partido Socialismo e Liberdade no Estado de Santa Catarina.

A avaliação de Oliveira é a de que o despacho assinado por Buch não se adequa à atual jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. Segundo o magistrado, a súmula da Corte máxima que veda o nepotismo não é obstáculo para a nomeação, assim como o decreto estadual sobre o tema.

A decisão ressaltou como o decreto de Santa Catarina sobre nepotismo veda a nomeação de cônjuge, companheiro ou parente, até terceiro grau, do governador para cargos em comissão, de confiança ou de função gratificada, não se referindo a funções desempenhadas pelos agentes políticos, como é o caso do Secretário de Estado da Casa Civil.

Publicidade

“Desta forma, sem maiores delongas, ao que parece, não há nenhum impeditivo que possa inviabilizar a nomeação ora impugnada, motivo pelo qual ausente razões para a manutenção do comando agravado (a decisão que barrava a nomeação)”, anotou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.