Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Juíza não vê vínculo de emprego entre Prevent Senior e médico que denunciou operadora à CPI da Covid 

Decisão impõe a George Joppert Netto pagamento das custas do processo e dos honorários, que juntos podem chegar a R$ 200 mil; cabe recurso

PUBLICIDADE

Foto do author Rayssa Motta
Por Rayssa Motta
Atualização:
Médico foi um dos responsáveis pela denúncia contra a Prevent Senior na pandemia. Foto: Daniel Teixeira/Estadão

A Justiça do Trabalho não reconheceu vínculo de emprego entre a Prevent Senior e o médico George Joppert Netto. Ele foi um dos médicos que denunciou a operadora de planos de saúde à CPI da Covid.

PUBLICIDADE

A juíza Rosângela Lerbachi Batista, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT2), em São Paulo, concluiu que, embora o trabalho fosse 'pessoal, remunerado e prestado de forma habitual', a relação de subordinação não ficou provada. Cabe recurso.

"Extrai-se do conjunto probatório que o reclamante tinha liberdade para executar o trabalho sem qualquer implicação disciplina", escreveu.

Ela também levou em consideração que o médico recebia por plantão, o que na avaliação da juíza se aproxima do 'pagamento por produção, comum aos trabalhadores autônomos'.

Publicidade

A decisão destaca ainda que a Prevent Senior não fazia um controle das jornadas de trabalho do médico e nem exigia exclusividade dos colaboradores. Segundo a juíza, a fiscalização dos plantões trabalhados servia apenas para o cálculo das remunerações.

"Friso que, para a caracterização do vínculo empregatício, a conjugação dos artigos 2o e 3o, da CLT, exige que estejam presentes todos os requisitos relacionados com a não-eventualidade, subordinação jurídica, pessoalidade e onerosidade e, pelo empregador, a assunção do risco do negócio e a direção dos serviços, o que não se vê no presente caso", diz outro trecho da decisão.

A sentença impõe ao médico o pagamento das custas do processo e dos honorários periciais e advocatícios de sucumbência. O valor pode chegar a R$ 200 mil. Ele entrou com a ação pedindo R$ 3,4 milhões.

COM A PALAVRA, O MÉDICO

A reportagem entrou em contato com a defesa do médico e aguarda resposta. O espaço está aberto para manifestação.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.