Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

PF abre inquérito para investigar chefe da PRF por prevaricação e violência política

Investigação conduzida pela Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal foi aberta a pedido do Ministério Público Federal; Procuradoria apontou indícios de suposta prevaricação, violência política e omissão do diretor-geral da PRF diante dos bloqueios em rodovias realizados por bolsonaristas

PUBLICIDADE

Foto do author Pepita Ortega
Por Pepita Ortega
Atualização:

O diretor da PRF Silvinei Vasques virou réu por improbidade após pedir voto para Bolsonaro. Foto: Carolina Antunes/PR

A pedido do Ministério Público Federal, a Polícia Federal abriu um inquérito nesta quinta-feira, 10, para investigar o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal Silvinei Vasques. O chefe da corporação entrou na mira da Procuradoria sob suspeita de prevaricação, violência política e omissão. A investigação será conduzida pela Superintendência da PF no Distrito Federal.

PUBLICIDADE

A investigação vai se debruçar sobre a conduta de Silvinei em meio à desmobilização de atos que bloquearam estradas federais após a derrota do presidente Jair Bolsonaro (PL) nas urnas. Além disso, vai analisar a atuação do chefe da PRF diante das abordagens da corporação no segundo turno no pleito sob o pretexto de transporte irregular de eleitores.

O Tribunal Superior Eleitoral proibiu operações relacionadas ao transporte público de eleitores no dia do pleito, mas a PRF fez ao menos 560 operações, com foco no Nordeste. Os casos foram denunciados por eleitores nas redes sociais.

A investigação sobre o diretor-geral da PRF foi requisitada a pedido de membros da 2.ª e da 7.ª Câmaras da Procuradoria Geral da República (PGR), compostas por subprocuradores-gerais da República. Eles apontaram "má conduta" na gestão da corporação e possível desvio de finalidade visando "interferir no processo eleitoral".

Como mostrou o Estadão, Silvinei Vasques pediu votos para Bolsonaro nas redes sociais na véspera do segundo turno. A publicação foi apagada após a repercussão na imprensa.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.