Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

PF apreende quatro celulares de Frederick Wassef em restaurante em São Paulo

Advogado é investigado no caso das joias e deu versões contraditórias sobre envolvimento na recompra de Rolex; carro do criminalista também foi revistado - e estava estacionado em uma vaga reservada para pessoas com deficiência

PUBLICIDADE

Foto do author Fausto Macedo
Foto do author Rayssa Motta
Foto do author Pepita Ortega
Foto do author Marcelo Godoy
Por Fausto Macedo , Rayssa Motta , Pepita Ortega e Marcelo Godoy
Atualização:
Frederick Wassef é alvo da Polícia Federal por suspeita de ligação com esquema de recompra de Rolex nos EUA. Foto: TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

A Polícia Federal (PF) apreendeu, no final da noite desta quarta-feira, 16, celulares do criminalista Frederick Wassef. Ele estava em um restaurante no shopping Morumbi, em São Paulo, quando foi abordado pelos policiais. O carro de Wassef também foi revistado - e estava estacionado em uma vaga reservada para pessoas com deficiência. Os agentes pegaram quatro aparelhos com o advogado do ex-presidente Jair Bolsonaro.

A apreensão do telefones foi determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), na investigação sobre o desvio e venda de presentes diplomáticos no governo Jair Bolsonaro, mas não havia sido cumprida. Isso porque o criminalista não foi localizado quando a PF deflagrou a Operação Lucas 12:2, na semana passada.

PUBLICIDADE

A Polícia Federal afirma que o advogado recomprou um relógio da marca Rolex que havia sido vendido no exterior por auxiliares de Bolsonaro para devolvê-lo ao Tribunal de Contas da União (TCU).

Em um primeiro momento, Wassef negou ter participado do que os investigadores chamam de “operação resgate”. Em coletiva de imprensa nesta semana, ele mudou a versão e admitiu ter comprado o relógio de volta, mas negou ter agido a pedido de Bolsonaro. “Eu comprei o relógio. A decisão foi minha. Usei meus recursos”, afirmou na entrevista.

COM A PALAVRA, FREDERICK WASSEF

Publicidade

A reportagem do Estadão pediu manifestação ao advogado Frederick Wassef. O espaço está aberto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.