PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

PGR diz que minuta do golpe foi encontrada em pasta do governo federal e não seria descartada por Torres

PUBLICIDADE

Foto do author Rayssa Motta
Por Rayssa Motta
Anderson Torres. Foto: TOM COSTA/MJSP

A Procuradoria-Geral da República (PGR) afirmou nesta segunda-feira, 27, que a minuta golpista apreendida pela Polícia Federal (PF) na casa do ex-ministro da Justiça, Anderson Torres, estava em uma pasta do governo federal e, ao contrário do que ele afirma, não seria descartada.

PUBLICIDADE

O documento previa uma intervenção do então presidente Jair Bolsonaro (PL) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para anular o resultado da eleição. O ex-ministro minimizou a apreensão do rascunho e disse que ele seria triturado, versão que não convenceu a PGR.

"Ao contrário do que o investigado já tentou justificar, não se trata de documento que seria jogado fora, estando, ao revés, muito bem guardado em uma pasta do governo federal e junto a outros itens de especial singularidade, como fotos de família e imagem religiosa", afirma a PGR.

Em manifestação ao STF, PGR afirma que minuta golpista encontrada na casa de Anderson Torres estava 'muito bem guardada' e inclui foto do momento da apreensão. Foto: Reprodução

A informação consta em uma manifestação enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) para defender a manutenção da prisão preventiva de Torres na investigação sobre os atos golpistas do dia 8 de janeiro. Ele ocupava o cargo de secretário de Segurança do Distrito Federal quando estouraram os protestos.

Publicidade

A manifestação foi encaminhada ao gabinete do ministro Alexandre de Moraes, que requisitou o parecer da PGR para decidir sobre um pedido de liberdade feito pela defesa.

A PGR afirma que há 'indícios consistentes' contra o ex-secretário e que suas 'condutas omissivas' parecem ter contribuído para a invasão e a depredação dos prédios públicos na Praça dos Três Poderes.

"Permanecem, portanto, inabalados os motivos da decretação de sua prisão preventiva, embasados na garantia da ordem pública, agora robustecidos com os novos elementos de prova", diz um trecho do documento assinado pelo subprocurador-geral da República Carlos Frederico Santos.

Radicais invadiram sedes do Supremo, Planalto e Congresso. Foto: Wilton Júnior/Estadão

A PGR afirma ainda que a soltura do ex-secretário poderia colocar em risco a investigação e abrir caminho para a destruição de provas. O órgão lembra que, ao ser preso, Anderson Torres não entregou o celular à Polícia Federal (PF), o que segundo a Procuradoria 'demonstra ausência de cooperação para o esclarecimento dos fatos'. A defesa afirma que ele esqueceu o aparelho nos Estados Unidos.

O então secretário estava em Miami quando teve a prisão decretada por Moraes. Ele saiu de férias dias antes dos protestos radicais. A PGR argumenta que Torres estava ciente das manifestações previstas para o dia 8 de janeiro e não poderia ter se ausentado do cargo. O órgão afirma que o afastamento foi 'preponderante' para os atos de vandalismo.

Publicidade

"Além de não atuar para impedir ou, ao menos, minimizar os danos, o investigado/requerente se colocou em posição deliberada de omissão, não podendo agora se valer disso para buscar uma isenção de responsabilidade", argumenta a Procuradoria.

Anderson Torres foi preso preventivamente no dia 14 de janeiro, na investigação sobre o papel de autoridades nos atos golpistas na Praça dos Três Poderes, prorrogada hoje por mais 60 dias. A ordem de prisão, assinada pelo ministro Alexandre de Moraes, foi confirmada por maioria no plenário do STF.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.