PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

‘Precisamos estar preparados para a ultramaratona’, diz chefe da PF após sobrevoar flagelo do Sul

Delegado Andrei Augusto Passos Rodrigues, diretor-geral da PF, foi a Porto Alegre nesta quarta, 15, e percorreu o Centro de Comando e Controle da ‘Operação Esperança’, base das ações de segurança pública e resgates de vítimas das enchentes que assolam o Estado e já fizeram pelo menos 150 mortes

Foto do author Fausto Macedo
Por Fausto Macedo
Atualização:

O diretor-geral da Polícia Federal, delegado Andrei Augusto Passos Rodrigues, percorreu nesta quarta, 15, o Centro de Comando e Controle da ‘Operação Esperança’, em Porto Alegre, núcleo central das ações de segurança pública e resgates da PF nas enchentes que assolam o Rio Grande do Sul e deixaram pelo menos 150 mortes e mais de meio milhão de desalojados.

O diretor-geral da Polícia Federal, Andrei Augusto Passos Rodrigues Foto: Imprensa/PF/Divulgação

PUBLICIDADE

Andrei também foi à base policial em Eldorado do Sul. O delegado está empenhado pessoalmente na missão. Ele sobrevoou áreas castigadas pelas chuvas torrenciais dos últimos dias que deixaram Porto Alegre e dezenas de cidades do interior gaúcho debaixo d’água, mergulhadas no caos e na lama.

Após verificar o cenário de horrores, Andrei comparou a rotina dos federais a um grande teste de resistência.

“Precisamos estar preparados para a ultramaratona que ainda temos pela frente”, convocou Andrei, que reiterou ‘o compromisso da PF com a reconstrução do estado e o fortalecimento da instituição’.

Na região de Porto Alegre, a PF mobilizou um efetivo de 400 policiais federais Foto: Imprensa/PF/Divulgação

O diretor-geral expressou ‘gratidão e reconhecimento’ da instituição que governa pelo trabalho árduo e dedicado de suas equipes na região flagelada.

Publicidade

Ele destacou a atuação de servidores que estão apoiando as vítimas da tragédia com doações e trabalho voluntário.

Em nome do órgão central da PF, Andrei garantiu ‘apoio e colaboração contínua’. Reconheceu e enalteceu a importância de cada integrante da equipe.

O delegado encorajou a todos a ‘estarem aptos para os desafios futuros’.

Na região de Porto Alegre, a PF mobilizou um efetivo de 400 policiais federais lotados no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Brasília, operadores do Comando de Operações Táticas (COT), Grupo de Pronta Intervenção (GPI), Núcleo de Polícia Marítima (NEPOM) e Comando de Aviação Operacional (CAOP).

Os agentes fazem policiamento ostensivo e resgates no município de Porto Alegre e na zona sul do estado. Servidores da instituição também prestam auxílio humanitário, com arrecadação e suporte logístico para a distribuição de água, alimentos, medicamentos, roupas, cobertores e colchões.

Publicidade

Trinta viaturas, 40 caminhonetes, 15 botes de resgate e 20 embarcações de resgate estão sendo empregados pelos agentes. A PF disponibilizou quatro geradores, 11 jetskis, 6 viaturas-reboque e 1 helicóptero, informou a Coordenação-Geral de Comunicação Social da PF.

Para suporte logístico foram empregados 2 caminhões - 1 caminhão-plataforma e uma carreta-tanque de abastecimento.

A comunicação também foi priorizada, com equipamentos de última geração, incluindo rádios tetrapol com repetidora, rádios satelitais, telefones e internet via satélite.

Para monitoramento e vigilância, a PF está utilizando drones equipados com tecnologia de visão noturna e outros dispositivos de monitoramento georreferenciados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.