PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Procurador Eleitoral diz que Bolsonaro fez investida ‘ardilosa’ contra a democracia

Paulo Gustavo Gonet reiterou parecer que pede a condenação do ex-presidente por ataques ao sistema de votação em reunião com embaixadores

Foto do author Pepita Ortega
Por Rayssa Motta e Pepita Ortega
Atualização:
Paulo Gustavo Gonet Branco pediu condenação de Bolsonaro. Foto: SECOM TSE

Último a falar antes de o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) suspender o julgamento que pode deixar o ex-presidente Jair Bolsonaro inelegível, o vice-procurador-geral Eleitoral, Paulo Gustavo Gonet, reiterou o pedido de condenação por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação. A sessão será retomada na próxima terça-feira, 27, com os votos dos ministros.

PUBLICIDADE

O discurso foi duro e atribuiu ao ex-presidente uma tentativa de “degradar ardilosamente” a democracia.

“Relançar aos cidadãos proposições que abalam a legitimidade do pelito eleitoral às vésperas da sua realização, que já haviam sido desmentidas, sem a exposição de novas bases que as fundamente, não é contribuir para o progresso das estruturas da democracia, mas é degradá-la ardilosamente”, criticou.

Bolsonaro está sendo julgado por uma reunião com embaixadores estrangeiros no Palácio da Alvorada, em 18 de julho de 2022. No encontro, sem apresentar provas, o então presidente atacou o sistema de votação brasileiro, as urnas eletrônicas e levantou suspeitas sobre o processo eleitoral. As falas foram transmitidas pela TV Brasil.

Publicidade

A leitura do Ministério Público Eleitoral é a de que o evento foi usado para promover a narrativa falsa, explorada na campanha bolsonarista, de fraude nas urnas. Gonet afirmou que a reunião foi “deformada” em uma “manobra eleitoreira” e ganhou repercussão nas redes sociais.

“A reunião aconteceu exclusivamente para que fossem ouvidas palavras de desconfiança e descrédito com relação ao sistema eleitoral com sugestões desmerecedoras a integrantes da Corte”, defendeu.

O vice-procurador-geral Eleitoral deixou claro que, em sua avaliação, o discurso do ex-presidente ultrapassou a liberdade de expressão e tentou “manipular” eleitores.

Gonet também associou as declarações de Bolsonaro que colocaram em dúvida a segurança do processo eleitoral bloqueios em rodovias, acampamentos em frente aos QGs do Exército e aos atos do dia 8 de janeiro.

“O chamado à desconfiança das eleições não rendeu a maioria dos votos mas provocou reações de desconfiança de parcela da população sobre a legitimidade das urnas, como jamais se viu desde constituição de 1988″, disparou.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.