PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Universidade condenada por divulgação de ‘kit covid’ promoveu evento com Moraes na Itália

O centro universitário integra o Grupo José Alves, do qual também faz parte a Vitamedic Indústria Farmacêutica, produtora da ivermectina, remédio sem eficácia comprovada contra a covid

Foto do author Daniel Haidar
Por Daniel Haidar
Atualização:
O ministro Alexandre de Moraes Foto: WILTON JUNIOR/ /ESTADAO

O Fórum Internacional de Direito, evento no qual palestrou o ministro Alexandre de Moraes antes de ser hostilizado no Aeroporto de Roma, tem entre seus promotores uma universidade que foi condenada por divulgação do ‘tratamento precoce’ da covid-19 no auge da pandemia. Procurado pelo Estadão, o ministro informou que não vai comentar sobre o caso. A informação foi revelada pelo jornalista Eduardo Oinegue, do Jornal da Band.

O Centro Universitário Alves Faria (Unialfa) - cujo logo aparece nos materiais de divulgação do Fórum Internacional de Direito - foi uma das empresas condenadas em maio pela Justiça Federal do Rio Grande do Sul. Os despachos da 5ª Vara Federal de Porto Alegre estabeleceram indenização solidária de R$ 55 milhões por danos danos morais coletivos e à saúde.

PUBLICIDADE

Além da universidade, também foi condenada a Vitamedic Indústria Farmacêutica, produtora da ivermectina, remédio sem eficácia comprovada contra a covid. Segundo o Ministério Público Federal, a farmacêutica e a universidade pertencem ao grupo José Alves, que também foi alvo da condenação, junto com o grupo Médicos Pela Vida (Associação Dignidade Médica de Pernambuco - ADM/PE).

No centro da condenação estava a responsabilidade pelo ‘Manifesto Pela Vida’, material publicitário que estimulava o uso do chamado “kit covid”, sem comprovação científica, para o tratamento da doença causada pelo Sars-Cov-19. A conclusão do juiz Gabriel Menna Barreto Von Gehlen é a de que o documento “foi mecanismo ilícito de propaganda de laboratório fabricante de medicamento”.

LEIA A ÍNTEGRA DA SENTENÇA

Publicidade

A Unialfa oferece graduação por meio da Escola de Direito da Alfa Educação. Ela, junto com a Università de Siena, a Universidad de Valladolid e o Instituto Brasileiro de Estudos Tributários, promoveram o Fórum Internacional de Direito, entre os dias 5 e 14 deste mês. No site da universidade foram publicados os materiais de divulgação do evento.

Foi esse o Fórum do qual Alexandre de Moraes participou antes de ser hostilizado no Aeroporto de Roma, na sexta-feira, 14, segundo o ministro e a investigação da Polícia Federal. O magistrado estava no local após retornar da Universidade de Siena, onde havia integrado o Fórum Internacional de Direito. Da Itália, Alexandre seguiu para outros destinos na Europa e ainda não voltou ao Brasil.

Segundo a Polícia Federal, o grupo de brasileiros que teria hostilizado o ministro do STF e abriu apuração sobre possíveis crimes de injúria, perseguição e desacato. Os alvos principais da investigação são Andréia Mantovani, Roberto Mantovani Filho e Alex Zanatta Bignotto, genro de Roberto.

De acordo com informações da PF, Andréia xingou o ministro de ‘bandido e comprado’. Roberto também teria ofendido o ministro e teria agredido o filho de Alexandre, um advogado de 27 anos. Alex teria disparado palavras de baixo calão contra a família do ministro. Os três já prestaram depoimento. Segundo a defesa, Roberto admitiu que houve um ‘entrevero’ com o filho de Alexandre.

Nesta terça-feira, 18, a Polícia Federal fez buscas em dois endereços ligados a Andreia e a Roberto em Santa Barbara do Oeste, no interior paulista. As ordens foram expedidas pela presidente do STF, ministra Rosa Weber. O carro do casal, que estava estacionado no pátio da delegacia da PF em Piracicaba, enquanto prestavam depoimento, também foi vasculhado.

Publicidade

COM A PALAVRA, A UNIALFA

A reportagem entrou em contato, por e-mail, com a universidade. O espaço está aberto para manifestações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.