Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Kassio confirma lealdade a Bolsonaro mesmo após maioria formada no TSE para inelegibilidade

Ministro indicado pelo ex-presidente defendeu que não há ‘gravidade suficiente’ para condenação

PUBLICIDADE

Foto do author Rayssa Motta
Foto do author Pepita Ortega
Por Rayssa Motta e Pepita Ortega
Atualização:
Kassio Nunes Marques foi indicado para ser ministro pelo ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Antonio Augusto/Secom/TSE

O ministro Kassio Nunes Marques, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), confirmou a lealdade ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que o indicou para o cargo, e votou nesta sexta-feira, 20, para livrá-lo da inelegibilidade.

PUBLICIDADE

O voto não foi suficiente para manter o ex-presidente no páreo eleitoral em 2026. A maioria já está formada para condenar Bolsonaro por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação.

Os ministros concluíram que o ex-presidente usou a reunião com embaixadores estrangeiros, em julho de 2022, no Palácio do Alvorada, para fazer campanha antecipada e com base mentiras sobre o processo eleitoral.

O corregedor da Justiça Eleitoral, Benedito Gonçalves, relator do processo, e os ministros Floriano de Azevedo Marques Neto, André Ramos Tavares e Cármen Lúcia formaram a maioria. O placar só foi definido nesta sexta, terceiro e último dia de julgamento, que sequer estava previsto. Uma sessão extra precisou ser convocada para concluir a votação antes do recesso do Judiciário.

Publicidade

A condenação do ex-presidente era esperada, mas a incógnita era sobre os votos dos ministros Raul Araújo e Nunes Marques. Ambos votaram para rejeitar a ação movida pelo PDT contra Bolsonaro.

Nunes Marques admitiu que Bolsonaro se converteu no “principal antagonista” do sistema eletrônico de votação, mas concluiu que o discurso do ex-presidente aos embaixadores não teve a “gravidade necessária” para justificar a condenação.

Ao contrário da maioria, que analisou o discurso do presidente aos diplomatas em um contexto mais amplo de ataques antidemocráticos, Nunes Marques julgou o encontro como um evento único e argumentou que não houve desequilíbrio da disputa.

“O objetivo principal do encontro era informar aos diplomatas de países estrangeiros a respeito das eleições brasileiras em seus múltiplos aspectos, inclusive acerca da tecnologia utilizada”, defendeu.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.