PUBLICIDADE

Fávaro diz que foi desconvidado para evento com Bolsonaro e quer que CPI do MST não vire ‘palanque’

O ministro da Agricultura participaria da Agrishow; crítico da atuação do MST, Carlos Fávaro afirmou que ‘nunca é o momento’ de invadir terra produtiva e que ação ‘não é concebível’, mas deixou claro receio do governo Lula sobre andamento das investigações

Por Ana Luiza Antunes
Atualização:

ESPECIAL PARA O ESTADÃO - O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, afirmou nesta quinta-feira, 27, que espera que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira, 26, para apurar a atuação do grupo e seus financiadores, não se torne “palanque político”, já que as negociações para abrir a investigações foram conduzidas por adversários do governo e apoiadores do ex-presidente Bolsonaro.

PUBLICIDADE

“O que eu tenho a dizer é que eu gostaria muito é que essa CPI não se transformasse em palanque político. A eleição já passou e nós temos que olhar para o futuro e fortalecer a agropecuária. Concordo plenamente que não é o momento de invadir terra e nunca é o momento de invadir terra produtiva”, declarou em entrevista ao G1, antes de participar de evento com ex-ministros da área.

Segundo o ministro, ele foi “desconvidado” pela Agrishow, maior evento agrícola do País, a participar da abertura do evento na próxima segunda-feira, 1º. O motivo seria devido a presença do ex-presidente, Jair Bolsonaro (PL), que também foi convidado para marcar presença no mesmo dia.

Agrishow é a maior feira de agronegócio da América Latina. 

“A Agrishow é uma grande feira brasileira. Eu fui desconvidado, mas desejo sucesso, que façam bons negócios, levem oportunidades aos produtores e, em um momento propício, no momento que for convidado, e se ainda for ministro, faço questão de estar lá”, respondeu.

Em nota enviada ao Estadão, a assessoria da Agrishow reiterou o convite feito ao ministro e disse que a participação de Fávaro é muito importante para todo o setor. “A direção da Agrishow reafirma o convite feito ao ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, para participar da abertura da 28ª edição da feira. Para a direção da Agrishow, o ministro vem realizando um ótimo trabalho com muita competência para o desenvolvimento do agronegócio brasileiro e sua participação na feira é muito importante para todo o setor”, diz o comunicado.

Invasões de terras

A fala do ministro sobre a CPI acontece em meio às invasões deflagradas pelo Movimento dos Sem Terra (MST) desde o início do ano, em especial sob impacto do chamado “Abril Vermelho”, ofensiva que incluiu diversas propriedades - incluindo da Embrapa e da Suzano - e ocupações de sedes do Incra. O governo aceitou uma série de demandas do movimento, inclusive substituindo superintendentes regionais do Incra. Segundo ele, é papel do Estado ajudar que a reforma agrária aconteça, mas dentro da lei. “Invasão de terra produtiva não é concebível”, frisou.

O evento reuniu Tereza Cristina, que integrou a pasta da Agricultura no governo de Jair Bolsonaro (PL), Blairo Maggi, da gestão Michel Temer e Neri Geller, do governo Dilma Rousseff.

Publicidade

Ao surgir o tema sobre as invasões do MST, Tereza Cristina cobrou um posicionamento de Carlos Fávaro, que afirmou que que “não é concebível” invadir terra produtiva, mas que é legítimo o direito à terra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.