PUBLICIDADE

Coligação de Lula vai ao TSE contra diretor-geral da PRF por supostas operações irregulares

Peça apresentada à Corte pede intimação imediata de Silvinei Vasques, que já declarou voto em Jair Bolsonaro

Foto do author Eduardo Gayer
Por Eduardo Gayer
Atualização:

SÃO PAULO - A coligação Brasil da Esperança, que representa o candidato a presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), acionou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Silvinei Vasques. A peça apresentada à Corte pede intimação imediata de Vasques, que declarou voto em Jair Bolsonaro (PL), e multa de R$ 500 mil por hora em razão das supostas operações da corporação que estariam dificultando o fluxo de ônibus e veículos de transporte público pelo País.

O senador Randolfe Rodrigues acusou o Ministro da Justiça e o diretor-geral da PRF de ataques à democracia. Foto: André Dusek/Estadão

Ontem, o presidente do TSE, Alexandre de Moraes, proibiu ações da PRF sobre o transporte público neste domingo, para garantir a locomoção de eleitores para votar no segundo turno. Há pouco, o magistrado determinou que a cúpula da PRF explique as razões de operações que foram denunciadas nas redes sociais. Ele cita no despacho publicação que acusa a PRF de promover blitz em Cuité (PA).

Em nota, a coligação de Lula diz ter recebido diversas denúncias, principalmente no Nordeste, de operações irregulares da PRF, o que aumentaria a abstenção pelo País. O petista fez forte campanha anti-abstenção ao longo das últimas semanas para manter a vantagem sobre o presidente Bolsonaro, candidato à reeleição.

“O senhor Ministro da Justiça e o diretor-geral da PRF não estão acima da lei. Eles atacam a democracia e um direito constitucional. Isso não será permitido!”, afirma o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que integra a coligação de Lula.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.