PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Coluna do Estadão

| Por Roseann Kennedy

Roseann Kennedy traz os bastidores da política e da economia, com Eduardo Gayer e Augusto Tenório

PSDB rechaça pedido de Raquel Lyra para baixar o tom da oposição ao governo Lula

Partido quer retomar protagonismo na polarização com o PT, mas também evitará desgaste com a governadora, que é assediada por outras siglas e manterá discurso de independência

Foto do author Roseann Kennedy
Por Roseann Kennedy

O PSDB nacional descarta a possibilidade de baixar o tom nas críticas ao governo Lula. O apelo pela mudança no comportamento foi feito pela governadora de Pernambuco, Raquel Lyra, como revelou a Coluna do Estadão. Raquel apresentou a demanda, mais de uma vez, diretamente ao presidente do PSDB nacional, Marconi Perillo.

PUBLICIDADE

Perillo deixou claro que o partido manterá o objetivo de se recolocar no cenário nacional como principal opositor do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas não cobrará de Raquel um discurso arraigado contra o petista.

“A governadora Raquel Lyra sabe que tem o total apoio do PSDB para desenvolver seu trabalho e temos acompanhado diariamente o esforço que ela faz para melhorar a vida dos pernambucanos. Defendemos relações republicanas em todas as esferas de poder, sem perseguições, sem ataques pessoais. Assim continuará, porque essa é a história do PSDB”, afirmou em nota enviada à Coluna.

Governadora de Pernambuco, Raquel Lyra (PSDB), durante Cerimônia de lançamento do novo Programa Farmácia Popular do Brasil, em Pernambuco, ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  Foto: Ricardo Stuckert/Presidência da República

Depois de ver suas bancadas encolherem no Congresso, perder prefeitos - principalmente em São Paulo, e não ter conseguido nem sequer ter candidato à Presidência da República em 2022, o PSDB decidiu voltar ao embate direto com o PT. A sigla, que polarizou com Lula ao longo de décadas, perdeu espaço para o bolsonarismo. Agora está ciente de que só tem chances de se reerguer se endurecer o discurso.

Ao mesmo tempo, a cúpula tucana sabe que, se exigir postura de oposição de Raquel Lyra ao governo Lula, corre o risco de perdê-la na sigla que atualmente só tem três governadores - além de Raquel, Eduardo Leite (RS) e Eduardo Riedel (MS). A governadora de Pernambuco é cortejada pelo PSD, de Gilberto Kassab, e pelo MDB, para deixar o ninho tucano. Essas afirmam ser independentes e ocupam ministérios no governo Lula.

Publicidade