PUBLICIDADE

Denunciante do Mensalão e atual apoiador de Bolsonaro: quem é Roberto Jefferson

Ex-deputado e ex-presidente do PTB cumpria prisão domiciliar após ataques contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) quando lançou uma granada contra agentes da PF

Foto do author Rayanderson Guerra
Por Rayanderson Guerra

RIO – Responsável por detonar o escândalo do Mensalão durante o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-deputado Roberto Jefferson se converteu nos últimos anos à extrema-direita, assumiu pautas antidemocráticas, com ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF), e se colocou com um dos mais ferrenhos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Após uma série de ataques e disseminação de fake news contra os ministros da Suprema Corte, o petebista recebeu agentes da Polícia Federal com uma granada neste domingo, 23, após determinação de prisão expedida pela Justiça brasileira.

Condenado no Mensalão

PUBLICIDADE

Jefferson, de 69 anos, foi condenado por participação no esquema do Mensalão em novembro de 2012, a 7 anos e 14 dias de prisão pela venda de votos. Três anos depois, ganhou a liberdade condicional. Em 2008, em audiência na Justiça, confessou ter recebido R$ 4 milhões do esquema.

A carreira política de Jefferson começou em 1971. Foi filiado ao MDB até 1980, antes de se mudar ao PP e, posteriormente, ao PTB, partido que se transformou do trabalhismo pré-64 e do fisiologismo pós-redemocratização no reduto da extrema-direita.

Em 1982, foi eleito deputado federal, sendo reeleito para cinco mandatos consecutivos, deixando a Câmara dos Deputados em 2005, após ser cassado pela Casa durante o processo do Mensalão.

Passou de um dos principais defensores do ex-presidente Fernando Collor no processo de impeachment, denunciante do Mensalão a soldado bolsonarista. No governo Michel Temer, emplacou a filha, Cristiane Brasil, como ministra do Trabalho, cargo que foi impedida de assumir após vir à tona uma condenação que sofreu por crime trabalhista.

Em agosto do ano passado, o ex-presidente do PTB foi preso por ameaças aos ministros do STF, com vídeos em que empunhava armas. Jefferson ficou no Complexo Prisional de Gericinó, em Bangu, no Rio, mas foi transferido em janeiro deste ano para a prisão domiciliar. A defesa alegou que ele estava com a saúde fragilizada.

Publicidade

O Partido Trabalhista Brasileiro foi fundado em 15 de maio de 1945 por Getúlio Vargas para defender suas políticas adotadas durante o Estado Novo. Extinto pela ditadura militar, ressurgiu em 1981 sob o comando de Ivete Vargas. Aliou-se aos governos FHC e Lula, nas décadas de 90 e 2000, até 2005, quando seu presidente na época, Roberto Jefferson, delatou o esquema do mensalão, dando origem ao escândalo que abateu os petistas José Dirceu e José Genoino, além do próprio líder do PTB. Foto: Ed Ferreira AE

A transferência de Jefferson para a sua casa, na cidade Comendador Levy Gasparian (RJ), a 142 quilômetros da capital fluminense, previa a proibição de qualquer comunicação exterior, inclusive o uso de redes sociais, o veto de visitas e entrevistas sem autorização judicial e a proibição de falar com outros investigados do inquérito das milícias digitais. Prevê ainda o uso de tornozeleira eletrônica.

Mesmo sob prisão domiciliar, o PTB escolheu Jefferson como candidato à Presidência, no dia 1º de agosto, durante convenção em Brasília. O ex-deputado afirmou à época que sua candidatura não seria para se opor à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL), mas para “somar forças”.

“Agora, em 2022, Bolsonaro se candidata à reeleição sozinho, contra tudo e contra todos, enquanto a esquerda se apresenta como um polvo com vários tentáculos na forma de múltiplas candidaturas, preenchendo todos os nichos possíveis desse eleitorado. Essa estratégia tem dado certo para a esquerda no mundo todo”, disse.

No ano passado, o ministro Gilmar Mendes foi um dos ministros que vieram à público repreender os atos antidemocráticos de Jefferson.

PUBLICIDADE

“Há limites para a liberdade de expressão. Eu já disse inclusive a próximos do presidente da República, que me trouxeram essa preocupação, ‘olha é um exagero o caso da prisão do Roberto Jefferson’. Aqui não se trata de liberdade de expressão. Quem posa usando armas, ameaçando as pessoas, dizendo que vai atirar neste ou naquele, ou que vai receber um oficial de Justiça a bala (…) não está usando a liberdade de expressão”, disse Gilmar.

Retorno à prisão

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou que o ex-deputado federal voltasse para a cadeia após ter descumprido as condicionantes de sua prisão domiciliar.

Na última semana, Jefferson apareceu em um vídeo publicado pela filha, a ex-deputada Cristiane Brasil, proferindo ofensas contra a ministra Cármen Lúcia, do STF. O petebista comparou a ministra com uma “prostituta” por ter acompanhado o voto do ministro relator, Alexandre de Moraes, a transmissão de declarações falsas contra Lula, candidato do PT à presidência, pela rádio Jovem Pan.

Publicidade

“Fui rever o voto da Bruxa de Blair, da Cármen Lúcifer, na censura prévia à Jovem Pan, e não dá para acreditar. Lembra mesmo aquelas prostitutas, aquelas vagabundas, arrombadas, que viram para o cara e dizem: ‘Benzinho, no rabinho é a primeira vez’. Ela fez pela primeira vez. Abriu mão da inconstitucionalidade pela primeira vez”, afirmou.

O ex-deputado é investigado no inquérito que apura a atuação de uma organização criminosa que teria atentado contra a democracia e as instituições brasileiras.

Jefferson ganhou seguidores entre bolsonaristas e adeptos da extrema-direita após posar com fuzis e armas de alto calibre nas redes sociais. Ao ter a prisão determinada pelo STF, mandados de busca e apreensão foram cumpridos na casa do ex-deputado em busca de armamentos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.