Dois terços dos senadores que buscam reeleição usaram orçamento secreto e maioria esconde destinação

Maior parte dos candidatos não torna públicas quantias nem destino do dinheiro público

Por João Scheller e Marcela Villar

Nove dos 13 senadores que concorrem à reeleição neste ano indicaram verbas do orçamento secreto. As informações foram declaradas pelos congressistas ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e enviadas ao Supremo Tribunal Federal (STF) por determinação da ministra Rosa Weber. O teor dos documentos varia entre si. Há senadores que fazem menção às emendas e apresentam detalhes dos gastos públicos e há aqueles que se limitam a confirmar o recebimento sem especificar a destinação do dinheiro público.

A falta de transparência na indicação das chamadas emendas de relator, nome técnico do orçamento secreto - esquema revelado pelo Estadão -, faz com que os recursos sejam remanejados por meio de critérios políticos, em vez de técnicos. Além disso, não há publicidade dos atos.

Informações sobre o orçamento secreto no Senado Federal foram enviadas ao STF  Foto: Roque de Sá/Agência Senado

PUBLICIDADE

Dos senadores beneficiados pelas emendas de relator, sete não especificaram valores ou destinação: Omar Aziz (PSD-AM), Davi Alcolumbre (União Brasil-AP), Otto Alencar (PSD-BA), Wellington Fagundes (PL-MT), Romário (PL-RJ), Telmário Mota (PROS-RR) e Rose de Freitas (MDB-ES). Procurados, apenas Alcolumbre apresentou informações adicionais à reportagem.

Já Kátia Abreu (Progressistas-TO) e Acir Gurgacz (PDT-RO) apresentaram ao STF detalhes do uso dos recursos públicos. Eles apadrinharam R$ 29,3 milhões e R$ 35,6 milhões, respectivamente, para redutos eleitorais, em 2020 e 2021. Roberto Rocha (PTB-MA) e Alexandre Silveira (PSD-MG), por sua vez, não responderam à solicitação de Pacheco após a ordem judicial de Rosa Weber. Outros dois senadores que disputam a reeleição — Dário Berger (PSB-SC) e Alvaro Dias (Podemos-PR) — declararam não ter feito indicação.

Nas redes sociais, senadores exploram a aplicação dos recursos. Para o professor de Administração Pública da Fundação Getulio Vargas (FGV) Gustavo Fernandes, essas emendas favorecem interesses particulares dos políticos, “de curto prazo, relacionados à sustentação do governo”. “É o orçamento de acerto de contas e acertos políticos”, afirmou.

Infraestrutura e maquinários

Kátia e Gurgacz, por exemplo, priorizaram a alocação de quase a totalidade dos recursos em infraestrutura e maquinários. No caso da senadora, todas as 22 indicações foram para equipamentos e reformas.

Imagens da Kátia durante a entrega de obras foram compartilhadas em redes sociais. “A senadora fez questão de ajudar os prefeitos de forma completa. Duas perfuratrizes que poderão fazer centenas de poços por ano”, afirma ela mesma, em vídeo postado em outubro de 2021.

Publicidade

A parlamentar aparece na entrega do maquinário para municípios da região do Bico do Papagaio (TO). Ela indicou, em 2020, R$ 4,92 milhões em máquinas para o Consórcio Público Intermunicipal para Desenvolvimento Sustentável da Região do Bico do Papagaio (Coinbipa), que ela própria ajudou a criar. Além disso, repassou mais R$ 3,85 milhões para o Consórcio Intermunicipal Vale Serra Dourada, quantia que aparece estampada em um cartaz durante a entrega do maquinário.

Em nota, a assessoria de Kátia afirma que todas as indicações de emendas “são feitas de forma transparente e dentro do Orçamento da União, com a devida publicidade e atendendo todas as regras”. Diz ainda que os valores enviados para a região do Bico do Papagaio permitiram a perfuração de “30 poços artesianos, levando água para a população”.

Postagens nas redes sociais da Senadora Kátia Abreu (PP-TO) mostram a entrega de máquinas, compradas com verbas do orçamento secreto, para municípios do interior do Tocantins Foto: Kátia Abreu / Reprodução

Pavimentação

Já Gurgacz também fez 22 indicações. Uma delas foi destinada para a área da saúde. Em Rondônia, prefeitos agradecem em vídeo às emendas viabilizadas por ele. Um deles é o prefeito de Butiris, Roni Irmãozinho (PDT), colega de partido.

Em postagem compartilhada no Facebook, Irmãozinho diz que vai construir duas pontes na cidade, além de pavimentar ruas. Ao todo, foram destinados R$ 8,8 milhões ao município, em dois anos — quase o triplo do total destinado à população de Buritis pelo Auxílio Brasil em 2022, de acordo com o Portal da Transparência. Procurado, Gurgacz não respondeu.

Destaques na reeleição

A assessoria de imprensa de Alcolumbre afirma, em nota, que Macapá e Santana (AP) receberam, cada uma, aproximadamente R$ 100 milhões em emendas do orçamento secreto, em 2020 e 2021. Outros R$ 120 milhões foram destinados para o Hospital de Emergência do Estado.

Campanha à reeleição do senador Davi Alcolumbre (UNIÃO-AP) destaca a construção de hospital com verbas do orçamento secreto Foto: Davi Alcolumbre / Reprodução

As obras são destacadas na campanha à reeleição do ex-presidente do Senado. “Um sonho, uma realidade. Um trabalho do Davi, uma conquista para todos os amapaenses”, diz vídeo com imagens das futuras instalações do novo hospital. A assessoria diz que o senador “sempre apoiou pedidos de emendas destinados a beneficiar todos os municípios do Estado do Amapá, para execução das três esferas de governo”.

Sem resposta

Em nota, Alexandre Silveira afirma que, por ter assumido o mandato em fevereiro deste ano, não indicou verbas em 2020 ou 2021. O orçamento de 2023 ainda será fechado. Ele assumiu o cargo após renúncia do titular, Antonio Anastasia, que assumiu cargo de ministro do Tribunal de Contas da União (TCU).

Publicidade

O senador Telmário Mota diz, em nota, que só se manifestará sobre após a eleição de 2 de outubro, em virtude do pagamento dos recursos do orçamento estar suspenso até novembro conforme “determina a lei eleitoral, o que impossibilita sua discriminação”. Já Omar Aziz, Otto Alencar, Roberto Rocha, Romário, Rose de Freitas e Wellington Fagundes não se manifestaram até a publicação deste texto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.