PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Disputas de poder e o debate político-cultural brasileiro

Opinião|PT e Lula andam preocupados com fake news, contem-nos outra

Petistas utilizaram por décadas dessa mesma arma para conquistar espaços de poder e mesmo os corações dos brasileiros

PUBLICIDADE

Foto do author Fabiano Lana

O esforço pueril do Partido dos Trabalhadores em combater o que hoje se chama de “fake news”, algo que antigamente já foi chamado de “boato”, “mentira cabeluda”, ou simples ofensa, seria louvável se a agremiação não tivesse se utilizado por décadas dessa mesma arma para conquistar espaços de poder e mesmo os corações dos brasileiros. Os exemplos são inúmeros, podemos escolher alguns ocorridos ao longo dos últimos anos.

Lembremos o caso mais clássico de todos e com o pacóvio preferido: o tucano tradicional. Quando o então candidato à reeleição Luiz Inácio Lula da Silva acusou o seu oponente Geraldo Alckmin, do PSDB, de querer privatizar a Petrobras, colheu uma bela vitória política. Vamos à frase inteira, proferida por Lula em outubro de 2006: “O que eles querem? Vender o restante das coisas que não venderam no governo passado. Querem privatizar o que resta neste País. Coisas importantes, como a Petrobras, o BB e a CEF. Como eles nunca trabalharam, querem vender o que têm”, disse, Lula, em outubro daquele ano, em Duque de Caxias (RJ). A reação do hoje vice-presidente foi vexatória. Vestiu um colete cheio da adesivos das estatais que ele pretendia, segundo o próprio, não privatizar. Não adiantava dizer que sequer havia uma linha de seu programa de governo que abordasse a questão. Perdeu feio. Será que um dia, agora que são companheiros, já rememoraram esse assunto?

Lula e Dilma em cerminônia no Palácio do Planalto . FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADÃO 

Quatro anos depois era a vez de o ex-governador de São Paulo José Serra enfrentar Dilma Rousseff, do PT. O partido da candidata já mostrou suas garras em 2009, num programa veiculado em dezembro, ao dizer que até a chegada de Lula ao poder “apenas os ricos comiam carne”. Os tucanos até tentaram reagir, “academicamente”, afirmando que com FHC o consumo de carne bovina per capita havia crescido12,2% no país, com expansão de 1,5% ao ano. No governo Lula, entre 2003 e 2007, a expansão teria desacelerado para 0,66% ao ano. Ninguém ouviu esse economês e os tucanos perderam mais essa. FHC, diga-se de passagem, era o saco de pancada preferido, o suposto responsável pela “herança maldita”.

PUBLICIDADE

Na campanha de 2010, em outubro, Serra foi agredido por militantes petistas em uma caminhada em Campo Grande, também no RJ. Relatos da época mostram que o tumulto durou 15 minutos. O tucano realizou uma tomografia no hospital para avaliar possíveis danos. A própria candidata Dilma prestou solidariedade ao adversário. Ocorreu que o PT soube, com competência, fazer um “spin” do episódio. A hostilidade seria uma farsa. Serra teria recebido apenas bolinhas de papel na cabeça (como prova havia um vídeo ocorrido 15 minutos antes do auge da confusão). Politicamente, outra vitória petista, que sempre soube dar uma surra na guerra de versões contra o PSDB. Quem estava no local disse que voaram outros objetos além das tais bolinhas, mas o assunto já estava encerrado. Nocaute.

“O que o PT faz com os episódios do Rio não é diferente do que faz com as privatizações. Mente sobre isso com igual desenvoltura e mau-caratismo. Assim como o partido sabe que não foi apenas uma bolinha de papel que atingiu o tucano, sabe que não existe uma só evidência para afirmar que, se eleito, o adversário pretende privatizar o pré-sal e a Petrobras. E daí? O partido não tem o menor compromisso com os fatos”, lamentou, à época, o jornalista Reinaldo Azevedo.

Publicidade

Mais alguns exemplos. O que disse Lula quando Brasil ganhou uma nota de crédito internacional positiva de agência classificadora de risco em 2014? “Se a gente for traduzir isso para a linguagem que os brasileiros entendam, o Brasil foi declarado um País sério, que tem políticas sérias, que cuida das suas finanças com seriedade e com isso passamos a ser merecedores da confiança internacional”. O que disse Lula quando perdemos a mesma nota poucos anos depois. “Isso não significa nada. Significa apenas que a gente não pode fazer o que eles querem. A gente tem que fazer o que a gente quer”. De acordo com a lógica formal, por envolverem contradição, uma dessas afirmações seria... fake news. Escolham qual.

Em 2014, o muso do cineasta Oliver Stone (ao lado de Hugo Chávez) partiu para a seguinte afirmação quando o então candidato Aécio Neves ameaçava vencer Dilma no pleito presidencial. “Quando vejo um homem na televisão ser ignorante com uma mulher, como ele tem sido com a Dilma nos debates, eu fico pensando que se esse cidadão é capaz de gritar com uma presidenta, fico imaginando quando ele encontrar um pobre, é capaz de pisar”, afirmou o político que, anos mais tarde, também disse que a disputa entre PT x PSDB era civilizada – ou seja, mais uma fake news. Aliás, tecnicamente, conforme as leis brasileiras, goste-se ou não, chamar o impeachment de golpe também seria uma fake news, alguém poderia avisar ao presidente que se tem amor à verdade deveria ter menos certezas? Mas a verdade é que naquele 2014, a maior vítima das fake news petistas foi a então candidata e hoje ministra Marina Silva. Já ganhou alguma desculpa?

O que o petismo não esperava é que surgisse no cenário brasileiro uma força política mais hábil e mesmo mais ofensiva do que ele próprio na manipulação da opinião pública. Cansados de assistir aos pouco assertivos e mesmo tíbios tucanos a perder todas de goleada, parte da sociedade procurou um grupo mais violento para se abrigar. Podemos dizer que o bolsonarismo levou o acinte público a outro patamar (outros podem dizer que conseguiram apenas o empate na grande batalha da desmoralização e das ofensas, questão de opinião).

A verdade é que a farsa sempre fez parte da política. Talvez de maneira intrínseca, se formos algo pessimistas (ou realistas). Exemplos não faltam. Getúlio Vargas perpetrou o autogolpe a partir de um documento forjado por integrantes de seu próprio governo, o Plano Cohen, que prenunciava a chegada eminente de uma revolução comunista no Brasil. Deu certo.

O historiador marxista britânico Eric Hobsbawn foi além. Considerava a mentira como inerente à democracia. Se não me engano, no livro “A era dos extremos”, afirmou que os políticos das democracia precisam levar a população à histeria para conseguir vencer os pleitos. De fato, se pesarmos bem, a democracia, tão ruidosa, é o pior regime com a exceção de todos os outros. Aquela pessoa circunspecta e afeita aos fatos sai em desvantagem frente a tanto populista histriônico pronto para dar o bote (e, se conseguir, o golpe).

Publicidade

Na disputa política atual, em todo mundo, há de tudo. Mentiras, boatos, perversidade. Por outro lado, a realidade comporta também várias perspectivas e a que costuma ser desfavorável a um grupo político qualquer é rapidamente taxada de “fake news”. A questão é tão complicada que nos últimos 2,4 mil anos os filósofos têm gastado seus perturbados neurônios em busca de qual seria a definição definitiva de verdade ou mesmo de mentira. Andam longe de um consenso. Enquanto isso, a política é a arte de transformar a sua versão mais conveniente em realidade para a maioria. Os mais competentes nessa prática costumam se sobressair, Lula que o diga.

Opinião por Fabiano Lana

Filósofo e consultor político

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.