PUBLICIDADE

Imagens comprovam que invasão em Brasília foi premeditada; Estadão identificou 88 golpistas

‘Nós vamos colapsar o sistema, nós vamos sitiar Brasília’, disse uma extremista; outro, com nome de Bolsonaro no boné, orientou pichações no Supremo; mais de 1.500 foram presos após ataques contra STF, Congresso e Planalto

Foto do author Julia Affonso
Foto do author Vinícius Valfré
Foto do author Daniel  Weterman
Foto do author André Borges
Foto do author Felipe Frazão
Foto do author Levy Teles
Por Julia Affonso,Vinícius Valfré,Daniel Weterman,André Borges,Felipe Frazão e Levy Teles
Atualização:

BRASÍLIA - Fotografias, vídeos e trocas de mensagens em grupos restritos comprovam que a invasão ao Palácio do Planalto, ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal (STF) por extremistas foi um ato premeditado e organizado em seus detalhes, e não uma ação espontânea. Nos últimos dois dias, o Estadão analisou cerca de 26 horas de transmissões ao vivo, listas de passageiros de ônibus, postagens em redes sociais e centenas de imagens. O material deixa claro que os manifestantes foram para Brasília dispostos, efetivamente, a invadir as sedes dos três Poderes.

Manifestantes bolsonaristas que atacaram o Palácio do Planalto, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal no último domingo Foto: Reprodução/Redes Sociais

O Estadão identificou a participação de 88 pessoas nas invasões e depredações dos espaços públicos. A convocação para os atos já tinha um propósito golpista estabelecido: Nós vamos colapsar o sistema, nós vamos sitiar Brasília, nós vamos tomar o poder de assalto, o poder que nos pertence”, disse Ana Priscila Azevedo, numa live realizada em 5 de janeiro, no acampamento bolsonarista montado no entorno do Quartel General do Exército, em Brasília. Não era um grito isolado. Mensagens de mesmo teor foram reforçadas em centenas de postagens produzidas por manifestantes, que também trataram de destacar o papel de liderança do ex-presidente Jair Bolsonaro sobre a mobilização golpista.

Ana Priscila Azevedo Foto: Reprodução/Redes Sociais

PUBLICIDADE

“Jair Messias Bolsonaro, você vai estar voltando para essa nação para continuar o seu governo”, disse o missionário Felício Quitito, ao invadir o plenário do Senado. Com a foto presidencial de Bolsonaro arrancada da galeria de ex-presidentes do Palácio do Planalto, Alcimar Francisco da Silva deixou clara a sua inspiração para invadir a casa oficial do governo federal. “Meu herói. Estamos na casa dele aqui, na nossa casa”, afirmou Silva, exibindo o retrato.

As provas que mostram a intenção golpista também revelam a conivência da Polícia Militar do Distrito Federal. A caminho do Congresso, uma mulher que se identificou como Margarida disse aos seus seguidores que o objetivo era “tomar” o local. “Orem por nós”, pediu. Já Jussara Oliveira elogiou os policiais. “Um agradecimento todo especial à PM, que a todo tempo está nos apoiando”, afirmou. Era um clima de confraternização. “Não tem Dubai, não tem Paris, não tem viagem que eu tenha feito na vida que seja melhor do que esse dia que eu sonhei tanto, que a gente ia tomar isso daqui”, vibrou Aline Magalhães em vídeo que exibiu nas suas redes sociais.

Dentro do Congresso, Alessandra Faria Rondon ocupou a cadeira e mesa do senador licenciado e atual ministro da Agricultura, Carlos Fávaro (PSD-MT), no Senado. “Eu só saio daqui a hora que os traidores da Pátria estiverem presos”, afirmou, aos berros. “Queremos intervenção militar.”

O guarda municipal Joelson Sebastião Freitas comemorou o êxito golpista e até mesmo a direção do vento, que jogava a fumaça das bombas de gás na direção dos policiais. “Como Deus é bom, a fumaça vai só para a polícia”, celebrou, enquanto invadia o Palácio do Planalto ao lado da mulher, Marisa Nogueira. “Amor, venha, vamos subir a rampa antes que a polícia chegue.”

Joelson Sebastião Freitas Foto: Reprodução/Redes Sociais

Houve quem lamentasse a perda de itens pessoais, mas dizendo que o caos valia o preço. “Estamos quebrando tudo, fazer o quê? O povo é soberano. Eu perdi o meu Ray-Ban, caiu nessa porra toda. Mas valeu”, disse Beto Rossi, ao invadir o Planalto.

Publicidade

Próximo dali, Fabrizio Cisneros mostrava o Supremo depredado, ao som de vidros sendo quebrados, e pedia que seus seguidores compartilhassem as imagens. “O mundo inteiro tem que saber que a gente tomou o poder de novo e a gente não vai sair daqui. A gente não vai recuar”, disse o extremista. “Infelizmente, tivemos que ser um pouco mais ríspidos.”

Cisneros vestia um boné com o nome de Bolsonaro, que tinha o rosto estampado em uma infinidade de camisetas. Em um dos vídeos, ele pediu a outro extremista para pichar a sede do Supremo. “Não seria interessante escrever nela (janela): Supremo é o povo? Pega essa tinta e escreve nela”, disse. “É a revolução dos manés.”

Durante a transmissão ao vivo, as palavras de Cisneros repercutiam o sentimento de milhares de pessoas que se entocaram por mais de um mês dentro de barracas erguidas na porta do Exército. Disse que os radicais haviam ficado 70 dias nas ruas, “esperando que se fizesse algo” sobre a vitória de Lula Inácio Lula da Silva (PT). “Nada foi feito. Então, viemos tomar o poder, que é nosso por direito”, afirmou. “A gente vai ser resistência até o dia que o Exército intervier com a GLO (Garantia da Lei e da Ordem).”

PUBLICIDADE

Os apoiadores do ex-presidente acreditavam que, ao causar o caos nos prédios públicos, as Forças Armadas teriam uma justificativa para dar um golpe e tirar Lula do Palácio do Planalto. “Já tomamos aqui, o pior já foi feito”, afirmou Cineroso. “Não podemos perder essa única e última oportunidade. O Exército tem que vir, tem que intervir.” Após a depredação, o petista decretou intervenção federal na segurança do Distrito Federal e mais de 1.500 extremistas foram presos.

No início da noite, Rafael Faus mostrou que a Esplanada dos Ministérios já estava tomada pelas forças de segurança. “Polícia para c* jogando bomba na gente”, reclamou. “Vamos para cima, vamos entrar de novo.”

Rafael Faus Foto: Reprodução/Redes Sociais

Desde o quebra-quebra, muitos extremistas têm apagados seus perfis nas redes sociais ou os vídeos que fizeram do ato golpista. No domingo, o Estadão assistiu e gravou trechos das lives que os radicais fizeram, o que permitiu a identificação de Karoll Dias, Gilmar Faria, do “Patriota Guilherme” e de Gilberto Mariano, por exemplo.

Veja os 88 invasores identificados pelo Estadão:

Publicidade

- Ana Priscila Azevedo: Invadiu o Supremo e o Planalto

Dia 5: “Nós vamos colapsar o sistema, nós vamos sitiar Brasília, nós vamos tomar o poder de assalto, o poder que nos pertence. Nós vamos fechar entre 8 e 10 distribuidoras (de combustíveis) do País”.

Dia da invasão, de dentro do Supremo: “Missão dada, missão cumprida”.

- Felicio Quitito Invadiu Senado

“É isso aí, Jair Messias Bolsonaro. Você vai estar voltando para essa nação e continuar seu governo. Só o senhor é Deus.”

felicio quitito Foto: REPRODUÇÃO / REDES SOCIAIS

- Beto Rossi: Invadiu o Planalto

“Estamos quebrando tudo, fazer o quê? O povo é soberano. Eu perdi o meu Ray-Ban, caiu nessa porra toda. Mas valeu.”

Publicidade

- Fabrizio Cisneros: Invadiu o Supremo

“O mundo inteiro tem que saber que a gente tomou o poder de novo e não vai sair daqui. Infelizmente, tivemos que ser um pouco mais ríspidos.”

Fabrizio Cisneros Foto: REPRODUÇÃO / REDES SOCIAIS

- Fátima Mendonça: Aos 67 anos, confirmou em vídeo que participava da invasão e que ia “pegar o Xandão”. “Quebrando tudo e cagando nessa bosta aqui”, disse.

Fátima Mendonça Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Aline Magalhães: Invadiu o teto do Congresso

“Não tem Dubai, não tem Paris. Não tem viagem que tenha feito na vida que seja melhor que esse dia que sonhei tanto. Que a gente iria tomar isso daqui.”

- Samuel Faria: Invadiu o Congresso, sentou-se na cadeira do presidente do Senado

“A Casa é nossa. Se eu conseguir uma força aí (pede PIX), vou continuar, acampar aqui dentro e sair só depois de resolvido.”

Publicidade

Samuel Faria Foto: REPRODUÇÃO / REDES SOCIAIS

- Joelson Sebastião Freitas: Invadiu o Planalto

“Amor, venha, vamos subir a rampa antes que a polícia chegue” (referindo-se à mulher Marisa Nogueira)

- Alcimar Francisco da Silva: Invadiu o Planalto e ajudou a destruir a galeria de fotos de presidentes

“Meu herói aqui. Estamos na casa dele”, disse, segurando o retrato

Alcimar Francisco da Silva Foto: Redação

- Alessandra Faria Rondon: Invadiu Senado

“Eu só saio daqui a hora que os traidores da Pátria estiverem presos. Queremos intervenção militar.”

- Adriano Castro: Ex-BBB, participou da invasão ao espaço público, convocou as pessoas a aderirem ao ato golpista e fez quatro horas de transmissão ao vivo do vandalismo. “A galera estava ansiosa para sair do quartel. Ninguém aguentava mais. Acabou, chega”.

Publicidade

Adriano Castro Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Cabo Correa: Invadiu o Congresso em 2016 pedindo intervenção militar, não foi punido e voltou a atacar no dia 8 o mesmo prédio público.

Cabo Correa Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Camila Mendonça Marques: Com máscara e óculos de natação para se proteger de armas de efeito moral, invadiu o Palácio do Planalto.

Camila Mendonça Marques Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Daniel Muller Xerife: Candidato a deputado estadual em SP, invadiu o STF gritando “o Supremo é nosso”.

Daniel Miller Xerife Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Edina Cordeiro: Na marcha à Praça dos Três Poderes já avisava que objetivo era a invasão para “tomar o que é nosso”.

- Pamela Monique Cardoso Bório: Ex-primeira-dama da Paraíba foi flagrada na rampa do Congresso com outros manifestantes, invadindo um espaço de acesso restrito.

- Thiago Bezerra: Pastor em Goiânia, transmitiu invasão ao vivo e apagou a conta após ser investigado. Invadiu o Congresso.

Thiago Bezerra Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Vitória Gonçalves: Namorada de Gilbert Klier, posou fazendo o “V” da vitória”

Publicidade

- Patriota Guilherme: Transmitiu ao vivo a ação dos vândalos; teve o perfil bloqueado por ordem de Moraes. Invadiu o espaço público.

- Gisele Guedes: Invadiu espaço público. Da Praça dos Três Poderes gravou vídeo dizendo que a invasão era “reintegração de posse”

- Moyses Douglas Zaramella: Esteve em um dos primeiros grupos a tomar o teto do Congresso e mostrar tentativa de acesso às cúpulas

Moyses Zaramella Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Alexandra Moscoso: Participou da invasão do Senado Federal, celebrando o ato criminoso com os demais golpistas

Alexandra Moscoso Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Erlon Paiotta Ferrite: Foi flagrado na invasão do Supremo Tribunal Federal, chutando um busto de metal caído no chão

- José Donizete Correa: Político bolsonarista, invadiu o Congresso e gravou vídeo no teto do prédio, em frente às cúpulas

- Gilbert Klier: Tenista suspenso por doping, esteve nos atos golpistas e divulgou foto, mas depois disse ter se arrependido. Invadiu espaço público.

Publicidade

Vitória Gonçalves Gilbert Klier Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Josafá Ramos dos Santos: Sargento da Polícia Militar da Bahia, estava acampado em Brasília e participou da invasão.

- Salomão Vieira: Cantor gospel, foi um dos incentivadores das invasões por meio de diversas lives. Transmitiu os atos golpistas direto da Esplanada.

Salomao Vieira Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Vânia Regina Mielke: Invadiu o teto do Congresso. Nas redes, usa foto de Bolsonaro

Vania Regina Mielke Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Rafael Faus: Ao mostrar a Esplanada tomada pela polícia, ameaçou: “Vamos para cima, vamos entrar de novo.”

- Ridauto Lucio Fernandes: General da reserva do Exército, foi diretor de Logística do Ministério da Saúde no governo Bolsonaro. Invadiu a Praça dos Três Poderes e exaltou ato.

Ridauto Lucio Fernandes Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Simone Tosato: Esteve no acampamento em frente ao QG e participou da invasão na Praça dos Três Poderes.

Simone Tosato Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Ana Flávia Batista: Transmitiu todo o deslocamento do QG do Exército para a Praça dos Três Poderes. Invadiu o Senado Federal e ocupou o plenário, de onde fez uma live de 2h30 e pedia um golpe de Estado das Forças Armadas.

Publicidade

- Adriano Camargo Testoni: Coronel aposentado aparece na área restrita do Congresso xingando o Exército.

- Gilmar Faria: Invadiu o Planalto pensando que o local era o Congresso.

- Karoll Dias: Transmitiu o ato golpista pelo Tik Tok e comemorou a invasão do Supremo: “Xandão do cão”.

Karoll Dias Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Paulo Silva: Pastor, missionário e apoiador de Bolsonaro, invadiu a sede do Congresso Nacional.

Paulo Silva Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Aline Bastos: Subiu no teto do Congresso, área proibida, e gravou vídeos dizendo não aceitar “ser governada por ladrão”.

- Ederson Diniz: Tomou o teto do Congresso com pedido de golpe militar, o que é inconstitucional: “Forças Armadas, venham!”.

- Edson Feitosa: Estava em grupo que invadiu área do Congresso bloqueada e disse que ato era vitória dos patriotas.

- Gilberto da Silva Ferreira: É suplente de vereador em Nova Santa Rita (RS) e invadiu a sede do Congresso.

Gilberto da Silva Ferreira Foto: Reprodução/Redes Sociais

- Gilberto Mariano: Invadiu a Praça dos Três Poderes. Na saída do ato, quis voltar para o quartel-general do Exército e manter o movimento golpista.

- João Salas: Tentou minimizar a atuação após a depredação dos prédios: “Entrei para mostrar como estava lá dentro”. Invadiu os prédios públicos.

- Leandro Alves: Participou do movimento de invasão da Praça dos Três Poderes.

- Luciano Oliveira dos Santos: É conhecido como Popó Bolsonaro e ironizou a reação da polícia: ”o pessoal está empurrrando bala de borracha na gente, é normal, estamos protestando”. Invadiu a Praça dos Três Poderes.

- Lucimario Benedito Camargo: É flagrado em imagens durante a invasão do Palácio do Planalto, carregando uma bandeira do Brasil.

- Luiz Fernandes Ferreira: ”Vamos tomar, tem que ser desse jeito”, gritava Ferreira, dentro das invasões em Brasília.

- Mathews Lukkas Phellype: Teve a participação registrada nos atos de invasão.

- Pedro Noronha: Esteve no acampamento no QG do Exército, em Brasília e participou da invasão a Praça dos Três Poderes.

- Rodrigo Raul Tara: Participou da invasão do gramado do Congresso.

- Romario Garcia: Participou da invasão do gramado do Congresso.

- “sergio_brucutu”: Participou da invasão ao Congresso.

- Thiago Queiroz: Invadiu o Senado Federal. É advogado.

- Dayane Muhammad: Participou da invasão. ”É tudo ou nada, quebramos tudo”, afirmou em vídeo.

- Jussara Oliveira: Invadiu o Congresso alegando que “tinha permissão”.

- Leo Indio: Sobrinho de Bolsonaro. Invadiu o Congresso.

- Zuleica Portes Machado: “Tomamos”, anunciou ao invadir o Congresso.

- Margarida (sobrenome não identificado): A caminho do Congresso, disse que o objetivo era “tomar” o local e pediu oração aos seguidores.

- Roniclei Teixeira: ”Botamos os vagabundos para correr”, anunciou na porta do STF. Participou da invasão.

- Luis Fernando, o “Sabugueiro”: Invadiu o Congresso. “Invadindo essa bosta”, disse em vídeo.

- Erlindo Cruz: Pastor e ex-candidato a vice-prefeito de Chapadas dos Guimarães invadiu o Planalto pela rampa.

- Eduardo Arantes Barcelos: Participou da invasão na Praça dos Três Poderes.

- Francisco Andrade da Conceição: Veio de Santarém (PA) e postou vídeo para anunciar a invasão do Congresso, Palácio e STF.

- Francisco Gaudêncio Schena: Participou da invasão a Praça dos Três Poderes.

- Natália Karina: Participou da invasão na Praça dos Três Poderes e fez vídeos no teto do Congresso, área de acesso proibido.

- Nelma Barros Braga Perovani: Participou e celebrou as invasões do Congresso Nacional, com vídeos divulgados com golpistas nas redes.

- Rieny Munhoz Marçula: Participou da invasão na Praça dos Três Poderes. Na invasão, disse que o gás lacrimogêneo veio, mas seria “resistência”.

- Sara Sany: É de Sete Lagoas (MG) e participou dos atos que resultaram na invasão do Congresso Nacional.

- Yago Sampaio: Participou da invasão na Praça dos Três Poderes

- Gaspar Rafael: Eletricista, gravou um vídeo próximo ao Espelho D’Água do Congresso: “Dominamos tudo”

- Rodrigo Cardoso: Participou da invasão na Praça dos Três Poderes.

- Marta Calliari: Guarda Municipal em Gravataí (RS), ela participou das mobilizações na Esplanada dos Ministérios. ‘Acabamos de invadir o Congresso Nacional”, postou.

- Luciana Novaes: Do Paraná, ela participou da invasão ao Congresso Nacional.

- Marcos Poggetti de Menezes: Apoiador de Bolsonaro e do PL, fez selfie na invasão ao Salão Negro do Congresso.

- Marcos Alexandre Mataveli de Morais: Ex-vice-prefeito de Pancas (ES), participou da invasão ao Salão Nobre do Palácio do Planalto e transmitiu os atos.

- Rafael Schmitt: Foi um dos invasores do Salão Verde da Câmara, com ameaças: “ou eles fazem acordo com nós ou já era para eles”.

- Robson Pereira Stenpim: Posou para as redes sociais no teto do Congresso, área de segurança com acesso proibido ao público.

- Edmara Cardin Teixeira: Transmitiu a invasão do Congresso na altura do Salão Negro. De Lins (SP), cobrava intervenção militar e atribuia o quebra-quebra a infiltrados.

- Mari Cristina Bizari: Participou da invasão na Praça dos Três Poderes. Falava em salvar o Brasil durante a invasão. Foi candidata derrotada a deputada estadual em SP.

- Perpétua Aguiar Germano: a fisioterapeuta Maria Do Perpétuo Socorro Aguiar Germano invadiu o Congresso e celebrou nas redes sociais, dizendo que as bombas não impediriam o mesmo no Planalto. Candidatou-se a deputada estadual no Ceará pelo PL e foi derrotada candidata derrotada.

- Vanessa Harume Takasaki: Invadiu o Palácio do Planalto, de peruca rosa, e subiu a rampa interna até o 3º andar, onde fica o gabinete presidencial. É de Tupã (SP) e foi presa no Planalto.

- Veri Mendes: Participou de ato golpista se apresentando como “ativista política bolsonarista”.

- Vinicius Matsunaga Sanches: Dono de uma cutelaria em São Paulo, ele foi flagrado na tomada da Praça dos Três Poderes.

- Caio Enrico Lima: De Hortolândia (SP) invadiu o Congresso Nacional e disse ter reagido por não estar de acordo com o comunismo. Segundo ele, atos totalmente pacíficos não resultam em nada

- Marisa Aparecida Aires Nogueira: Mulher de Joelson Freitas, também é guarda municipal e participou de invasões às sedes dos Poderes

- Wallace França: Policial legislativo posou ao lado dos golpistas durante a invasão do Senado Federal.

- Silvia Waiãpi: Deputada federal eleita pelo PL no Amapá, chegou a publicar vídeos de cima do Congresso Nacional. Depois, apagou o material das redes.

- Gilberto Carlos da Nóbrega: Veio de Cáceres (MT) e divulgou imagens utilizando uma balaclava para esconder o rosto.

- Ruy Garcia: vereador de Inhumas (GO), participou da invasão à área do Congresso e posou para fotos com amigos.