Jorge Viana, à frente da Apex, atuou para ganhar passagens de ida e volta ao Acre

Como presidente do órgão ex-senador petista priorizou agenda em seu reduto eleitoral; Justiça anulou posse após ‘Estadão’ revelar que ele não é fluente em inglês, o que era considerado requisito mínimo para o cargo

Foto do author Tácio Lorran
Por Tácio Lorran

BRASÍLIA – Em quase cinco meses à frente da Apex-Brasil, o ex-senador petista Jorge Viana conseguiu aprovar uma resolução interna para viajar duas vezes por mês ao Acre, com despesas pagas. O benefício foi aprovado dia 6 de março pelo Conselho Deliberativo da Agência Brasileira de Promoção de Exportações de Investimentos. Pela decisão, todos os membros da diretoria executiva do órgão passaram a receber bilhetes aéreos de ida e volta para suas cidades de residência.

PUBLICIDADE

Na segunda-feira, 22, Viana foi afastado da presidência da agência pela Justiça Federal por não ter fluência em inglês, um requisito antes exigido pela instituição. Uma série de reportagens do Estadão revelou que ele operou junto ao Conselho Deliberativo, para retirar a exigência do idioma do estatuto social do órgão. Assim, ficou no cargo com um salário de R$ 65,5 mil – também recebe a aposentadoria de senador no valor de R$ 22 mil.

Como presidente da Apex-Brasil, o ex-senador teve como principal destino de viagens oficiais seu próprio reduto eleitoral. O petista viajou ao menos quatro vezes para Rio Branco, no Acre, passando um total de 17 dias no Estado. É mais que o tempo em que esteve em Pequim (nove dias), Rio de Janeiro, São Paulo e Barcelona (seis dias cada) e Milão (quatro). Os dados foram levantados pela reportagem a partir de agendas públicas do presidente afastado da agência.

A primeira viagem oficial de Viana a Rio Branco ocorreu na noite da sexta-feira, 13 de janeiro. Ele passou o fim de semana livre, sem agendas oficiais. Na segunda, 16, o petista se reuniu com o governador Gladson Cameli (PP) e visitou a Cooperacre, uma produtora de castanhas e as sedes do Sebrae e da Fecomércio. Voltou a Brasília no dia seguinte. Conseguiu embolsar um total de R$ 2,2 mil em diárias.

Ele voltou ao Acre para o Carnaval. A viagem começou na quinta-feira, 16 de fevereiro, e terminou uma semana depois, dia 23. O site da Apex-Brasil registrou como compromissos oficiais no período duas reuniões online, de meia hora cada, na sexta-feira, 17, e uma entrevista ao Canal Rural, 20. Viana publicou nas redes sociais encontros com a direção da Cooperacre, lideranças comunitárias e representantes das empresas Dom Porquito e Acreaves, que atuam na produção de suínos e frangos.

“Estarei vindo ao Acre com bastante frequência para acompanhar os desdobramentos do trabalho, para identificar produtores e empresas com potencial para exportação e qualificar essas empresas”, divulgou Viana em uma publicação no Instagram. “Vamos nos empenhar para que o Acre possa ter condições de ter um frigorífico que possa exportar para a China, por exemplo.”

A terceira viagem de Viana para o Acre ocorreu entre os dias 6 e 10 de abril. Nessa ocasião, ele não teve agenda oficial. Em suas redes sociais, relatou ter aproveitado o feriado de Páscoa para visitar sua lavoura de café. Depois disso, voltou ao Estado em um mês. Ele viajou para Rio Branco em 6 de maio, véspera do dia das mães, e permaneceu até 8 de maio.

Publicidade

Entre uma viagem e outra, Jorge Viana abriu a Apex-Brasil para conversas políticas com aliados, autoridades e empresários do Acre. A 22 de março, ele voltou a se reuniu, agora na sede da agência, com o governador Gladson Cameli. No dia seguinte, recebeu o ex-deputado estadual Daniel Zen (PT). Depois, a 3 de maio, se encontrou com a deputada federal Antônia Lúcia (Republicanos-AC), e dia 17, recebeu o prefeito de Xapuri, Bira Vasconcelos (PT).

Procurada, a assessoria de Jorge Viana não se manifestou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.