PUBLICIDADE

Jornalista do Estadão é alvo de ataque hacker; governo diz que vai acionar PF

Andreza Matais teve sua conta no Gov.BR invadida por criminosos que ameaçaram divulgar dados pessoais da jornalista; em nota, a ANJ repudiou ‘tática extremista’ de ataque à imprensa

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A editora-executiva de Política e chefe da sucursal de Brasília do Estadão, Andreza Matais, foi alvo de um ataque de hacker na noite desta quarta-feira, 4. A conta da jornalista do portal Gov.BR foi invadida – o site reúne serviços para o cidadão e dados pessoais dos usuários, incluindo a declaração do Imposto de Renda.

Hackers trocaram a senha da acesso da jornalista e exigiram dinheiro para não divulgarem informações de seu Imposto de Renda. Ao Estadão, o ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, Paulo Pimenta, afirmou que vai acionar a Polícia Federal (PF) para investigar o caso. “Nenhum jornalista e nenhum cidadão pode ser vítima desse tipo de ação”, disse.

PUBLICIDADE

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos informou, em nota, que está apurando o caso (leia abaixo).

O ataque hacker ocorreu após o Estadão publicar reportagem em que mostra como o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) atuou para liberar empréstimo e interferir na eleição da Argentina. A informação foi revelada pela colunista do Estadão Vera Rosa.

Nas redes sociais, Andreza também passou a ser alvo de ataques após compartilhar a reportagem em seu perfil no Twitter.

Site gov.br reúne serviços para o cidadão; conta da jornalista foi invadida Foto: Reprodução/Governo federal

Em nota, a Associação Nacional de Jornais (ANJ) cobrou apuração da invasão da conta pessoal da jornalista no site governamental e afirmou que repudia “veementemente a tática extremista” de ataques à imprensa.

“Além de exigir a investigação e responsabilização dos invasores, a ANJ repudia veementemente a tática extremista, independentemente do viés ideológico, de ofender e tentar desqualificar e intimidar vias redes sociais jornalistas profissionais, em particular mulheres.”

Publicidade

De acordo com a reportagem publicada pelo Estadão, Lula agiu para que os países-membros do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) aprovassem a transferência de US$ 1 bilhão diretamente para o FMI, em nome da Argentina. O Palácio do Planalto entrou em contato com a ministra do Planejamento, Simone Tebet, que é governadora do Brasil no CAF.

A Secom divulgou nota nesta quarta-feira, 4, para dizer que o empréstimo à Argentina teve como único objetivo “ajudar o país com escassez de reservas”.

Na nota, o órgão afirmou que “diferentemente do que vem sendo repercutido” (pela imprensa), o empréstimo não teve intervenção do presidente Lula. O comunicado afirma, ainda, que o presidente não conversou sobre o empréstimo com a ministra do Planejamento, Simone Tebet. Segundo revelou a colunista Vera Rosa, Tebet deu aval à operação após pedido do presidente. A ministra é governadora do Brasil no CAF.

Leia a íntegra da nota da ANJ

“A Associação Nacional de Jornais espera a imediata apuração da invasão da conta pessoal da jornalista Andreza Matais, diretora da Sucursal do Estado de S. Paulo em Brasília, no site governamental gov.br. A conta foi invadida e a jornalista, ameaçada de ter seus dados pessoais revelados depois de notícias produzidas pela sucursal sobre o governo federal e que geraram uma série de ataques contra a profissional e o jornal.

Além de exigir a investigação e responsabilização dos invasores, a ANJ repudia veementemente a tática extremista, independentemente do viés ideológico, de ofender e tentar desqualificar e intimidar vias redes sociais jornalistas profissionais, em particular mulheres.”

Leia a nota do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos

“O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) informa que os técnicos da Secretaria de Governo Digital estão apurando as informações para verificar o ocorrido com a conta no GOV.BR da jornalista Andreza Matais, do Estadão.

O ministério reforça que adota todos os esforços para garantir a segurança da plataforma GOV.BR. A pasta também recomenda a todos os cidadãos a utilização de ferramentas de segurança da informação, como o Duplo Fator de Autenticação e a Gestão de Dispositivos.”

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.